Acompanhamento para educadoras de bebês com deficiência em creche: relato de experiência

  • Tatiele Jacques Bossi Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Cesar Augusto Piccinini Universidade Federal de Rio Grande do Sul
Palavras-chave: educação inclusiva, educação infantil, programa de acompanhamento para educadoras, Winnicott

Resumo

O presente estudo tem por objetivo descrever o Programa de Acompanhamento para Educadoras de Creche em Contexto Inclusivo – PROAECI e apresentar detalhes de sua implementação. Relata-se a aplicação do PROAECI a 3 educadoras de berçário em que tinha um bebê (24 meses) com deficiência física incluído nesta turma. O programa teve por objetivo oferecer uma escuta sensível e reflexiva sobre a relação das educadoras com o bebê com deficiência, acolhendo seus sentimentos, demandas e dificuldades. O PROAECI foi realizado em seis encontros, aplicados com periodicidade semanal e de forma individual, com duração de 50 minutos. Cada encontro tinha um tema específico norteado por conceitos da teoria winnicottiana, referentes às tarefas da educadora (holding, manuseio e apresentação de objetos) e competências da educadora (previsibilidade, adaptação ao saber materno e diagnóstico pedagógico). Destaca-se o potencial do PROAECI, ao sensibilizar as educadoras para desenvolver uma atitude reflexiva, acolhedora, ativa e responsável com o bebê com deficiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiele Jacques Bossi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pós-doutoranda em Psicologia na Universidade Federal de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Cesar Augusto Piccinini, Universidade Federal de Rio Grande do Sul

Docente do Instituto de Psicologia na Universidade Federal de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

Alves, F. F. P. (2018). A inclusão das crianças com deficiência na Educação Infantil: Processo em construção. Educação, 41(2), 270-279. doi: 10.15448/1981-2582.2018.2.26786
Biglan, A., Layton, G. L., Jones, L. B., Hankins, M., & Rusby, J. C. (2013). The value of workshops on psychological flexibility for early childhood special education staff. Topics Early Childhood Special Education, 32(4), 1-23. doi:10.1177/0271121411425191
Bossi, T.J. (2017). Inclusão de bebê com deficiência física em creche: programa de acompanhamento para educadoras com base em conceitos winnicottianos. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
Bossi, T.J. & Piccinini, C. A. (2015). A inclusão de bebês com deficiência em creche: programa de intervenção para educadoras com base em conceitos winnicottianos. Projeto de pesquisa não publicado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
Bossi, T.J. & Piccinini, C. A. (2018). Maternal experience of the separation-individuation process in infants who attended or did not attend daycare. Trends in Psychology, 26(4), 2047-2062. doi: 10.9788/TP2018.4-12En
Bossi, T. J., Junges, A. P. P., & Piccinini, C. A. (2018). Fatores que interferem no processo de inclusão de bebês com deficiência física no berçário. Psicologia Escolar e Educacional, 22(2), 377-384. doi: 10.1590/2175-35392018011348
Brasil (2015). Lei No 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília: Senado Federal. Texto recuperado em 10 jan. 2018: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm
Cummings, K. P., Sills-Busio, D., Barker, A. F., & Dobbins, N. (2015). Parent–Professional partnerships in early education: Relationships for effective inclusion of students with disabilities. Journal of Early Childhood Teacher Education, 36(4), 309–323. DOI: 10.1080/10901027.2015.1105329
Drago, R., & Dias, I. R. (2017). O bebê com síndrome de Down na educação infantil: Um estudo de caso. Revista Educação Especial, 30(58), 515–528. doi: 10.5902/1984686X24260
Epstein, R. (2011). El relato y la realidad. In: Asociacion Psicoanalítica de Buenos Aires - XXXIII Simposio Anual: relatos de la clínica (pp.240-246). Buenos Aires.
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP (2014). Censo escolar da educação básica 2013 – Resumo técnico. Brasília: O Instituto. Texto recuperado em 20 mar. 2018: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/resumos_tecnicos/resumo_tecnico_censo_educacao_basica_2013.pdf
Melo, F. R. L. V., & Ferreira, C. C. A. (2009). O cuidar do aluno com deficiência física na educação infantil sob a ótica das professoras. Revista Brasileira de Educação Especial, 15(1), 121-140. doi: 10.1590/S1413-65382009000100009
Menezes, L. A., Carvalho, D. A. B., & Filho, N. T. (2016). Um olhar sobre o cuidar e o educar na educação infantil. Educação & Linguagem, 3(1), 32-44.
Observatório do PNE (2019). Educação infantil. Texto recuperado em 15 abr. 2019: http://www.observatoriodopne.org.br/indicadores/metas/1-educacao-infantil/indicadores
Oliveira, T. C. (2016). Práticas pedagógicas inclusivas no cotidiano da educação infantil na Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará. Dissertação de Mestrado, Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, PA.
Pessôa, L. F., Seidl-de-Moura, M. L., Ramos, D. de O., & Mendes, D. M. L. F. (2016). Sistemas de cuidados e o discurso de diferentes cuidadores do Rio de Janeiro: Evidências de trajetória de desenvolvimento. Estudos de Psicologia, 33(1), 71–82. DOI:10.1590/1982-02752016000100008
Rodrigues, P. R. E. (2017). Educação inclusiva: significados e sentidos configurados a partir de uma experiência formativa docente. Dissertação de Mestrado, Instituto de Educação, Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, MG.
Santos, C. O. D., Santos, L. C., Costa, J. D., & Silva, C. L. C. (2015). A indissociabilidade de cuidar e educar na educação infantil: um olhar sobre a modalidade creche. Ciências Humanas e Sociais, 3(1), 213-226.
Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República – SDH/PR (2012). Cartilha do Censo 2010: pessoas com deficiência. Brasília. Texto recuperado em 05 nov. 2016: http://www.portalinclusivo.ce.gov.br/phocadownload/cartilhasdeficiente/cartilha-censo-2010-pessoas-com-deficiencia.pdf
Siddiqua, A., & Janus, M. (2017). Experiences of parents of children with special needs at school entry: A mixed method approach. Child: Care, Health and Development, 43(4), 566–576. doi: 10.1111/cch.12443
Soares, C. F. (2011). As diferenças no contexto da educação infantil: estudo da prática pedagógica. Tese de doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE.
Souza, N. N., & Minetto, M. de F. (2017). O paradigma inclusivo e a educação infantil: qualidade no atendimento e promoção do desenvolvimento. Texto recuperado em 10 jul. 2018: http://omnipax.com.br/livros/2017/DCFES/dcfes-cap8.pdf
Sucuoglu, B., Bakkaloglu, H., Karasu, F. I., Demir, S., & Akalin, S. (2014). Preschool teachers’ knowledge levels about inclusion. Educational Sciences: Theory & Practice, 14(4), 1477-1483. DOI: 10.12738/estp.2014.4.2078
Vitta, F. C. F. (2010). A inclusão da criança com necessidades especiais na visão de berçaristas. Cadernos de Pesquisa, 40(139), 75-93. DOI: 10.1590/S0100-15742010000100005
Winnicott, D. W. (1982). A criança e o seu mundo (A. Cabral, trad.). Rio de Janeiro: LTC Editora. (Trabalho original publicado em 1957).
Winnicott, D. W. (1984). Consultas terapêuticas em psiquiatria infantil (J. M. X. Cunha, trad.). Rio de Janeiro. Imago. (Trabalho original publicado em 1971).
Winnicott, D. W. (1988). A mãe dedicada comum. In: D.W.Winnicott, Os bebês e suas mães (J. L. Camargo, trad., pp.1-11). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1966).
Winnicott, D. W. (1990). Estabelecimento da relação com a realidade externa. In: D.W.Winnicott. Natureza Humana (D. Bogomoletz, trad., pp.120-135). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1988).
Winnicott, D. W. (1993). A família e o desenvolvimento individual (M. B. Cipolla, trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1965).
Winnicott, D. W. (1997). A professora, os pais e o médico. In: D.W.Winnicott, Pensando sobre crianças (M. A. V. Veronese, trad., pp.89-100). Porto Alegre: Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1936).
Winnicott, D. W. (2000). Desenvolvimento emocional primitivo. In: D.W.Winnicott, Da pediatria à psicanálise (D. Bogomoletz, trad., pp.218-232). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1945).
Zucchetti, D. T. (2011). A inclusão escolar vista sob a ótica de professores da escola básica. Educação em Revista, 27(2), 197-218. doi: 10.1590/S0102-46982011000200010
Publicado
2019-08-30
Como Citar
Bossi, T., & Piccinini, C. (2019). Acompanhamento para educadoras de bebês com deficiência em creche: relato de experiência. Estilos Da Clinica, 24(2), 358-370. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i2p358-370
Seção
Experiência Institucional