Algumas questões sobre a adoção na vida e obra de Marie Bonaparte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p210-219

Palavras-chave:

Adoção, Mãe, Morte, Órfão

Resumo

Nosso objetivo é demonstrar como a ossatura do conceito mãe morta na obra bonaparteana serve de fundamento teórico para se pensar a clínica da adoção. Essa inferência só é possível porque, a posteriori, a autora reconhece na moribunda Mimau, sua babá, uma mãe adotiva. Este trabalho analisa a maneira através da qual é decifrado o enigma intelectual do morrer (orfandade) e descoberto o segredo da mensagem (sexual) do outro (substituto materno). Em suma, nossos resultados apontam que a autora faz equivaler amor e morte entre os mecanismos do inconsciente na clínica da adoção, pois a “mãe morta” é o que se dá a pensar, e, da parte da mãe adotiva, é o que se deixa a desejar via enigma do sexual.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sarug Dagir Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFMG. É graduada em Psicologia pela mesma instituição (2002) nas modalidades de Bacharelado, Licenciatura e Psicólogo. É também Mestra em Letras, Teoria da Literatura (Pós-Lit / UFMG / 2006). Foi colaboradora do Programa de Educação para a Diversidade da UFOP e UAB, onde atuou como tutora a distância e professora nos cursos de Atualização: Gênero e Diversidade na Escola (2009), Educação para a Diversidade e a Cidadania (2010) e no curso de Especialização de Gestão em Políticas Públicas com ênfase em Gênero e Relações Etnorraciais (2011-2016). Foi colaboradora nos Programas Sociais: Programa Liberdade Assistida, Programa de Serviço de Orientação Sócio-Familiar junto à Secretaria Municipal da Coordenação de Gestão Regional Centro-Sul da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, no período de 2000-2002. Ensina, pesquisa e escreve sobre assuntos de Teoria da Literatura, Políticas Públicas, Psicologia Clínica e Psicanálise. Publica trabalhos em Anais, artigos em revistas especializadas e ministra cursos e conferências sobre os temas que estuda.

Referências

Amouroux, R. (2012). Marie Bonaparte: entre biologie et freudisme. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

Bertin, C. (1989). A última Bonaparte. (R. Meneguello, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra. (Trabalho original publicado em 1982).

Bonaparte, M. (1948). Cinq cahiers, vol. 2. Londres: Imago.

Bonaparte, M. (1951a). Cinq cahiers, vol. 3. Londres: Imago.

Bonaparte, M. (1951b). Cinq cahiers, vol. 4. Londres: Imago.

Bonaparte, M. (1951c). Monologues devant la vie et la mort. Paris: Presses Universitaires de France.

Bonaparte, M. (1952). L’identification d’une fille à sa mère morte. In M. Bonaparte, Psychanalyse et anthropologie (pp.88-108). Paris: Presses Universitaires de France.

Bourgeron, J-P. (1997). Marie Bonaparte. Paris: Presses Universitaires de France.

De Bissy, G. (1990). La remémoration chez Marie Bonaparte et ses cinq cahiers. Revue Française de Psychanalyse, (LIV) 4, 1057-1071.

Fréjaville, A. (2008). Marie Bonaparte, une princesse orpheline. Perspectives Psy, 47(3), 290-304. Recuperado de https://www.cairn.info/revue-perspectives-psy-2008-3-page-290.htm.

Freud, S. (1980). Algumas reflexões sobre a psicologia do escolar. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (J. Salomão, trad., vol. 13, pp. 285-288). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1914).

Laplanche, J. (1985). Vida e morte em psicanálise (C. P. B. Mourão e C. F. Santiago, trads.). Porto Alegre, RS: Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1970).

Laplanche, J. (1992a). Novos fundamentos para a psicanálise. (C. Berliner e E. Brandão, trads.). São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1987).

Laplanche, J. (1992b). Problemática IV: o inconsciente e o id. (Álvaro Cabral, trad.). São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1981).

Laplanche, J. (1999). Séduction, persécution, révélation. In J. Laplanche, Entre séduction et inspiration: l’homme (pp.7-56). Paris: Quadrige / Presses Universitaires de France.

Laplanche, J. (2008). Implantation, intromission. In J. Laplanche, La révolution copernicienne inachevée (Travaux 1967-1992) (pp. 355-358). Paris: Presses Universitaires de France.

Laplanche, J. (2015). Sexual: a sexualidade ampliada no sentido freudiano (2000-2006). (V. Dresch e M. Marques, trads.). Porto Alegre, RS: Dublinense. (Trabalho original publicado em 2014).

Downloads

Publicado

2020-08-29

Como Citar

Ribeiro, S. D. (2020). Algumas questões sobre a adoção na vida e obra de Marie Bonaparte. Estilos Da Clinica, 25(2), 210-219. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p210-219