10 anos de um CAPSi

percepções dos profissionais acerca do trabalho em saúde mental infantojuvenil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i1p165-183

Palavras-chave:

Saúde Mental, Serviços de Saúde, CAPSi, Criança, Adolescente

Resumo

Objetivou-se identificar as percepções de profissionais trabalhadores de um CAPSi acerca do trabalho em saúde mental da criança e do adolescente e descrever os impasses e desafios vividos pelo serviço em seu décimo ano de funcionamento. Os dados foram analisados por meio da Classificação Hierárquica Descendente (CHD), possibilitada pelo software IRaMuTeQ. A CHD formou cinco classes: 1- “A clínica no CAPSi”, classe que compreende as interrogações dos profissionais acerca da dimensão clínica do CAPSi, especialmente no que se refere às condutas a serem adotadas para o cuidado de usuários com autismo; 2- “Articulação com a Rede”, onde situam-se desafios relacionados à efetivação da política intersetorial; 3- “Imaginário do serviço”, que ilustra o entendimento da população e demais serviços da rede acerca do CAPSi, frequentemente visto como um serviço clínico-ambulatorial centrado na especialidade psiquiátrica. 4- “Perfil dos usuários globais”, que remonta a lógica histórica de ações dedicadas à crianças e adolescentes considerados “desviantes”, condição que contribui para a prevalência  de usuários provenientes de famílias com baixa renda e em vulnerabilidade social no CAPSi; 5- “O Cuidado de Usuários AD”, que denota a dificuldade do CAPSi constituir-se como um lugar possível para cuidado de usuários com necessidades decorrentes do uso de álcool e outras drogas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iagor Brum Leitão, Faculdade Multivix

Psicólogo e psicanalista. Professor do Curso de Psicologia da Faculdade Multivix de São Mateus, São Mateus, ES, Brasil.

Luziane Zacché Avellar, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGP) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, ES, ES, Brasil.

Referências

Avellar, L. Z., & Safra, G. (2018). Saúde mental infantojuvenil: contribuição de alguns conceitos da obra de D. W. Winniccott para a constituição de serviços de assistência In: I. Ferrari & J. Ferreira-Neto (Orgs.), Políticas públicas e clínica: estudos em psicologia e psicanálise (pp. 134-154). Belo Horizonte: Editora PUC Minas

Belotti, M., Quintanilha, B. C., Tristão, K. G., Ribeiro Neto, P. M., & Avellar, L. Z. (2017). Percepções sobre o Processo de Trabalho em um Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil. Trends in Psychology, 25(4), 1547-1557. doi: http://dx.doi.org/10.9788/tp2017.4-04pt

Bulcão, I. (2002). A produção de infâncias desiguais: Uma viagem na gênese dos conceitos "criança" e "menor". In M. Nascimento (Org.), Pivetes: A produção de infâncias desiguais (pp. 61-73). Niterói: Intertexto

Camargo, B. V, & Justo, A. M. (2013). IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em psicologia, 21(2), 513-518. doi: http://dx.doi.org/10.9788/TP2013.2-16

Carvalho, I. L., Gondim, A. P., Holana, T. T., & Alencar, V. P. (2014). CAPSi: avanços e desafios após uma década de funcionamento. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 6(14), 42-60. Recuperado em https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/68584/41299

Costacurta, R., Toso, B. R, & Frank, B R. (2015). Perfil de crianças e adolescentes atendidos em centro de atenção psicossocial. Journal of Nursing UFPE/Revista de Enfermagem UFPE, 9 (supl. 7), 8967-8984. doi: http://dx.doi.org/10.5205/reuol.8074-70954-1-SM0907supl201506

Couto, M. C., Duarte, C. S., & Delgado, P. G. (2008). A saúde mental infantil na Saúde Pública brasileira: situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatria, 30(4), 384-389. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462008000400015

Couto, M. C., & Delgado, P. G. (2015). Crianças e adolescentes na agenda política da saúde mental brasileira: inclusão tardia, desafios atuais. Psicologia Clínica, 27(1), 17-40. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-56652015000100002

Delfini, P. S. D. S., Bastos, I. T., & Reis, A. O. A. (2017). Peregrinação familiar: a busca por cuidado em saúde mental infantil. Cadernos de Saúde Pública, 33(12), e00145816. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00145816

Elia, L. F. (2015). Uma equipe muito especial: a equipe do CAPS. In: M. Kamers, R. Voltolini & R. Mariotto. (Orgs.), Por uma (nova) psicopatologia da infância e da adolescência (pp. 243-264). São Paulo: Editora Escuta.

Figueiredo, A. C. (2004). A construção do caso clínico: uma contribuição da psicanálise à psicopatologia e à saúde mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 7(1), 75-86. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1415-47142004001006

Fossi, L. C., & Guareschi, N. M. (2015). O modelo de tratamento das comunidades terapêuticas: práticas confessionais na conformação dos sujeitos. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(1), 94-115. Recuperado em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v15n1/v15n1a07.pdf

Furtado, J. P., & Campos, R. O. (2005). A transposição das políticas de saúde mental no Brasil para a prática nos novos serviços. Revista Latinoamericana De Psicopatologia Fundamental, 8(1), 109-122. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1415-47142005001011

Hoffmann, M. C. C. L., Santos, D. N., & Mota, E. L. A. (2008). Caracterização dos usuários e dos serviços prestados por Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenil. Cadernos de Saúde Pública, 24(3), 633-642. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000300017

Iglesias, A., & Avellar, L. Z. (2014). Apoio Matricial: um estudo bibliográfico. Ciência & Saúde Coletiva, 19(9), 3791-3798. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014199.00322013

Lacan, J. (2003). Ata de fundação da Escola Freudiana de Paris. In: Outros escritos (pp. 235- 247). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1964)

Lobosque, A. M. (2011). Debatendo alguns desafios da Reforma Psiquiátrica brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, 16(12), 4590-4592. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001300003

Ministério da Saúde. (2002). Portaria n. 336/GM, de 19 de fevereiro de 2002. Diário Oficial da União: Brasília, DF. Recuperado em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html

Ministério da Saúde. (2003). Saúde mental e atenção básica: O vínculo e o diálogo necessários. Brasília: MS Editora, 2003. Recuperado em http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/diretrizes.pdf

Ministério da Saúde. (2005). Caminhos para uma política de saúde mental infantojuvenil. Brasília: MS Editora. Recuperado em 14 de junho, 2017, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/05_0887_M.pdf

Ministério da Saúde (2009). Clínica ampliada e compartilhada. Brasília: MS Editora. Recuperado em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf

Ministério da Saúde. (2011). Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011: Diário Oficial da União: Brasília, DF. Recuperado em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html

Ministério da Saúde. (2014a). Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS: tecendo redes para garantir direitos. Brasília: MS Editora. Recuperado em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_psicossocial_criancas_adolescentes_sus.pdf

Ministério da Saúde. (2014b). Fórum Nacional de Saúde Mental Infantojuvenil: recomendações: de 2005 a 2012. Brasília: MS Editora. Recuperado em 19 de setembro, 2017, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/forum_nacional_saude_mental_infantojuvenil.pdf

Moreira, C. P. (2016). CAPSi: a que será que se destina? Análise dos processos decisórios sobre os casos acolhidos em um CAPSi de Salvador. Dissertação (Mestrado em Saúde Comunitária) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil. Recuperado em http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21666

Reis, A. O., Delfini, P. S. S., Dombi-Barbosa, C., & Oliveira, M. F. A. P. B. (2010). Crianças e adolescentes em sofrimento psíquico atendidos nos Centros de Atenção Psicossocial infantojuvenis. In: E. Lauridsen-Ribeiro & O. Y. Tanaka (Eds.), Atenção em Saúde Mental para crianças e adolescentes no SUS (pp.186-210). São Paulo: Hucitec.

Rinaldi, D. L., & Bursztyn, D. C. (2008). O desafio da clínica na atenção psicossocial. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(2), 32-39. Recuperado em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v60n2/v60n2a05.pdf

Ronchi, J. P. & Avellar, L. Z. (2010). Saúde mental da criança e do adolescente: a experiência do CAPSi da cidade de Vitória-ES. Psicologia: Teoria e Prática, 12(1), 71-84. Recuperado em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v12n1/v12n1a07.pdf

Ronchi, J. P. & Avellar, L. Z. (2013). Ambiência na Atenção Psicossocial Infantojuvenil: um estudo no CAPSi. Saúde e Sociedade, 22(4), 1045-1058. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902013000400008

Silva, M. E., & Ferrari, I. F. (2018) Dificuldades de adesão ao tratamento nos CAPSi por adolescentes usuários de drogas: a singularidade como princípio propositivo e os desafios da prática. In: I. Ferrari & J. Ferreira-Neto (Orgs.), Políticas públicas e clínica: estudos em psicologia e psicanálise (pp. 92-111). Belo Horizonte: Editora PUC Minas.

Souza, A. C. (2006). Ampliando o campo de atenção psicossocial: a articulação dos centros de atenção psicossocial com a saúde da família. Escola Anna Nery, 10(4), 703-710. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452006000400012

Taño, B. L. (2014). Os Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis (CAPSi) e as práticas de cuidado para as crianças e adolescentes em intenso sofrimento psíquico. Dissertação (Mestrado em Terapia Ocupacional) – Universidade Federal de São Carlos, SP, Brasil. Recuperado em http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/ index.php/cadernos/article/view/865/624

Teixeira, R. M., & Jucá, V. J. (2014). Caracterização dos usuários de um centro de atenção psicossocial infantojuvenil do município de Salvador (BA). Revista de Psicologia, Fortaleza, 5(2), 70-84. Disponível em http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/1477/1375

Tristão, K. G. (2018). CAPSij como lugar de cuidado para crianças e adolescentes em uso de substâncias psicoativas. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil. Recuperado em http://portais4.ufes.br/posgrad/teses/tese_9223_TESE%20Kelly%20Guimar%E3es%20Trist%E3o.pdf

Tristão, K. G., & Avellar, L. Z. (2019). A estratégia de redução de danos no cuidado a adolescentes em uso de substâncias psicoativas. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, 11(30), 55-77. Recuperado em https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/69726/42272

Viganò, C. (2010). Avaliação e evidência clínica na saúde mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 13(3), 469-481. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-47142010000300007

Visani, P., & Rabello, S. (2012). Considerações sobre o diagnóstico precoce na clínica do autismo e das psicoses infantis. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 15(2), 293-308. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-47142012000200006

Downloads

Publicado

2020-04-30

Como Citar

Leitão, I. B., & Avellar, L. Z. (2020). 10 anos de um CAPSi: percepções dos profissionais acerca do trabalho em saúde mental infantojuvenil. Estilos Da Clinica, 25(1), 165-183. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i1p165-183