Pontuações sobre infância, escola e biopolítica

  • Mercedes Minnicelli Universidad Nacional de Mar del Plata. Faculdad de Psicologia
Palavras-chave: Infância e instituições, Escola, Biopolítica

Resumo

Este escrito tentará trabalhar a pergunta sobre a questão escolar frente à suposição do determinismo biopolítico que a era do consumo nos impõe. Inquietude que nos convoca e nos leva como psicanalistas até o campo epistêmico interdisciplinar que configura infância e instituições, no qual podemos dizer que alí onde há sujeito falante o biopolítico se amassa, se transforma, se re-significa na mínima expressão possível, em ditos e fatos que temos denominado cerimônias mínimas (Minnicelli, 2008; 2013). Cerimônias mínimas nas e pelas quais os significantes naturalizados e atados à repetição incessante do eterno retorno do mesmo, possibilitam, ao mesmo tempo, mobilidade discursiva, quando se faz possível fazer desse dito, outros dizeres. Tarefa incansável do humano na medida em que interroga e interpela o enunciado a escola como instituição social está consumida. Enunciado que se consuma quando nos fazemos eco acrítico sem interrogar seus efeitos. Exporemos como se deve separar infância de escolas para deslocar ditos efeitos arrasadores. Veremos, assim, que se há uma noção cuja pregnância biopolítica podemos advertir qualquer que seja o sentido que dela adotemos, essa noção é a da infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agamben, G. (2016). Homo sacer (A. G. Cuspinera, trad.). Valencia: Pre-textos. (Trabalho original publicado em 1998).

Agamben, G. (2003). Infancia e historia (S. Mattoni, trad.). Buenos Aires: Adriana Hidalgo. (Trabalho original publicado em 1978).

Agamben, G. (2004). Estado de excepción (F. Costa e I. Costa, trads.). Buenos Aires: Adriana Hidalgo. (Trabalho original publicado em 2003).

Derrida, J. (2013). Fuerza de ley. (A. Barberá y A. Peñalver, trads.). Madri: Tecnos. (Trabalho original publicado em 1997).

Freud, S. (1995). Tres ensayos para una teoría sexual infantil. In S. Freud, Obras completas de Sigmund Freud (J. L. Etcheverry, trad., Vol.VII, pp.109-224). Buenos Aires: Amorrortu. (Trabalho original publicado em 1905).

Lei Nacional Argentina n. 26061 – Título III - Articulo 39. — Medidas Excepcionales.

López Álvarez, P. (2010). Biopolítica, liberalismo y neoliberalismo: acción política y gestión de la vida en el último Foucault. In S. Arribas, G. Cano, & J. Ugarte, (Orgs.), Hacer vivir, dejar morir. Biopolítica y capitalismo (pp. 39-61). Madri: CSIC.

Fuentes Días, A. (Editor) (2012). Necropolítica, violencia y excepción en América Latina. México, Benemérita Universidad Autónoma de Puebla. Disponível em http://www.academia.edu/27452189/Necropol%C3%ADtica_Violencia_y_Excepci%C3%B3n_en_Am%C3%A9rica_Latina

Minnicelli, M (2016). Infancia e instituciones: Otro guion para la novela social sobre la infancia vulnerada. Revista Generaciones. 5 (5), 131-151.

Minnicelli, M. (2014). Tecnología social interdisciplinar para a proteção de direitos. O caso de meninos, meninas e adolescentes sujeitos à medidas excepcionais (Projeto interuniversitário e intersetorial aprovado pelo Consejo Interuniversitario Nacional y el CONICET, Res. CIN No. 1083/15).

Minnicelli, M. (2013). Ceremonias mínimas. Una apuesta a la educación en la era del consumo. Rosario: Homo Sapiens.

Minnicelli, M. (2004). Infancias públicas. No hay derecho. Buenos Aires: Novedades educativas.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Minnicelli, M. (2019). Pontuações sobre infância, escola e biopolítica. Estilos Da Clinica, 24(3), 400-407. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i3p400-407