Quem serão os autistas de amanhã?

  • Maria Cristina Machado Kupfer Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Autismo, Psicanálise, Dessubjetivação, Sujeito freudiano

Resumo

Para responder, da perspectiva da psicanálise, à pergunta sobre quem serão os autistas de amanhã, busca-se, em primeiro lugar, traçar linhas de como se encontram os autistas no passado. Durante o século XIX, olhar médico não podia ainda diferenciar os débeis das crianças que já estavam provavelmente desenvolvendo aquilo que hoje chamamos de autismo. Mas ouvimos seus ecos em relatos de autores da época. Para refletir sobre o momento presente, apela-se para dois operadores conceituais: o discurso e a genética, concluindo que esse novo modo de ser autista combina hoje com as novas formas de dessubjetivação que estão surgindo. O presente revela ainda que as crianças autistas, escolarizadas pelos métodos comportamentais, perdem a chance de viver na escola a verdade de sua experiência, uma experiência peculiar e única. Perdem a chance de aprender a se dizer. Em relação ao futuro, afirma-se que são muitos os devires dos autistas. Mas haverá um ponto comum a todos eles: neles o sujeito freudiano não estará, em consonância com a supressão do sujeito no mundo contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Machado Kupfer, Universidade de São Paulo

Psicanalista. Professora Titular Sênior do Instituto de Psicologia e da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Askofaré, S. (2009). Aspectos da segregação. A Peste, 1(2), 345-354. Recuperado de http://revistas.pucsp.br/index.php/apeste/article/view/6287/4621

Bourneville, D. M. (1893). Recherches cliniques et thérapeutiques sur l'épilepsie, l'hystérie, l'idiotie et l'hydrocéphalie: Compte-rendu du service des enfants idiots, épileptiques et arriérés de Bicêtre pendant l'année 1893. Disponível em https://bit.ly/35ib7v2.

Catão, I., & Vives, J.-M. (2011). Sobre a escolha do sujeito autista: voz e autismo. Estudos de Psicanalise, (36), 83-92. Disponível em https://bit.ly/2LYM5cP.

Dufour, D.-R. (2005). A arte de reduzir as cabeças. Sobre a nova servidão na sociedade ultraliberal (S. R. Felgueiras, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Companhia de Freud.

Gonon, F. (2015). A psiquiatria biológica: uma bolha curativa? In A. Jerusalinsky (Org.), Dossiê autismo (pp. 198-229). São Paulo, SP: Langage.

Hochmann, J. (2009). Histoire de l’autisme. Paris: Odile Jacob.

Kupfer, M. C. M. (2000). Notas sobre o diagnóstico diferencial da psicose e do autismo na infância. Psicologia USP, 11(1), 85-105. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642000000100006

Lacan, J. (1978) A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In J. Lacan, Escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 223-273). São Paulo, SP: Perspectiva. (Trabalho original publicado em 1957).

Lebrun, J.-P. (2004). Um mundo sem limite. Rio de Janeiro, RJ: Companhia de Freud.

Leguil, F. (1998). Formas do desencontro: segregação, solidão, amor. Curinga, 11, 5-44.

Meltzer, D.; Bremner, J.; Hoxster, S., & Wittenberg, I. (1980). Explorations in autism. Londres: Karnac Books.

Pinel, P. (1801). Traité médico-philosophique sur l’aliénation mentale ou la manie. Paris: Richard, Caille e Ravier.

Quinet, A. (2002). A ciência psiquiátrica nos discursos da contemporaneidade. In A. Quinet, M. A. Peixoto, N. Viana, & R. Lima (Orgs.), Psicanálise, capitalismo e cotidiano (pp. 31-39). Goiânia, GO: Germinal.

Séguin, E. (1846). Traitement moral, hygiène et éducation des idiots et autres enfants arriérés. Fonds numérisés Charcot. Paris: Baillière. Disponível em https://bit.ly/2pS2gjo.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Kupfer, M. C. (2019). Quem serão os autistas de amanhã?. Estilos Da Clinica, 24(3), 384-392. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i3p384-392