Contribuições possíveis da psicanálise à educação precoce

o protocolo Indicadores Clínicos de Risco para o Desenvolvimento Infantil (IRDI)

Autores

  • Daniela de Lima Campos Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal
  • Viviane Neves Legnani Universidade de Brasília
  • Sandra Francesca Conte de Almeida Universidade de Brasília. Instituto de Psicologia
  • Amanda Cabral dos Santos Faculdade de Ciência e Educação Sena Aires https://orcid.org/0000-0002-4487-3386

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p233-245

Palavras-chave:

Educação precoce, Psicanálise, Risco psíquico, IRDI

Resumo

O artigo apresenta uma pesquisa de orientação psicanalítica sobre atendimentos educacionais/terapêuticos realizados na Educação Precoce, serviço educacional especializado oferecido pela Secretaria de Educação do Distrito Federal a crianças de zero a três anos e onze meses de idade, com atraso no desenvolvimento neuro-psicomotor. Neste estudo, duas crianças com Síndrome de Down foram observadas em atendimento. Os Indicadores Clínicos de Risco para o Desenvolvimento Infantil (IRDI) foram aplicados e as mães dos bebês foram entrevistadas. A finalidade do estudo e do presente artigo é salientar que determinadas intervenções educativas podem reproduzir junto aos pais o saber de especialistas advindos do discurso da ciência, o qual, em muitas circunstâncias, não só anula o saber parental como também eclipsa o lugar de sujeito da criança. O estudo destaca que a psicanálise pode apresentar-se como um aporte conceitual relevante para os profissionais que atuam na Educação Precoce e na Educação Infantil, pois os convoca à atitude de abertura à escuta, à fala e às observações das interações mãe-criança, de modo a localizar a posição que a criança ocupa na dinâmica materna e familiar, levando em conta a singularização dos pequenos sujeitos e subvertendo a lógica da padronização, da medicalização e da patologização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela de Lima Campos, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Professora da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, Mestre em Educação pela Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Viviane Neves Legnani, Universidade de Brasília

Psicanalista. Professora-associada da Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Sandra Francesca Conte de Almeida, Universidade de Brasília. Instituto de Psicologia

Psicanalista. Professora do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília e Professora convidada do Centro Universitário de Brasília (UniCeub), Brasília, DF, Brasil.  

Amanda Cabral dos Santos, Faculdade de Ciência e Educação Sena Aires

Professora da Faculdade de Ciências e Educação Sena Aires, Valparaíso de Goiás, GO, Brasil.

Referências

Armiliato, V. (2014). IRDI: implementação de uma ferramenta psicanalítica no âmbito das políticas públicas. In M. C. Kupfer, L. M. Bernardino, & R. M. Mariotto (Orgs.), De bebê a sujeito: a metodologia IRDI nas creches (pp. 83-94). São Paulo, SP: Escuta.

Batista, C. A. (2015). Por um bom início-acompanhamento de bebês. In M. C. Kupfer, & M. Szejer (Orgs.), Luzes sobre a clínica e o desenvolvimento de bebês: Novas pesquisas, saberes e intervenções (pp. 64-74). São Paulo, SP: Escuta.

Bernardino, L. M. (2006). Da metafísica à metapsicologia. Estilos da Clínica, 11(21), 204-227. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v11i21p204-223.

Bernardino, L. M. (2007). A contribuição da psicanálise para a atuação no campo da educação especial. Estilos da Clínica, 12(22), 48-67. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v12i22p48-67.

Bernardino, L. M. & Kupfer, M. C. (2009). As relações entre construção da imagem corporal, função paterna e hiperatividade: reflexões a partir da Pesquisa IRDI. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 12(1), 45-58. doi: https://doi.org/10.1590/S1415-47142009000100004.

Brezolin, R. D., & Pinheiro, N. B. (2011). Construção, interpretação e holding: reflexões a partir de um acontecer clínico. Caderno Psicianalítico, 33(25), 258-271. Recuperado de http://cprj.com.br/imagenscadernos/caderno25_pdf/21_CP_25_CONSTRUCAO_INTERPRETACAO_E_HOLDING.pdf.

Bridon, D. (2019). O bebê na creche: possibilidades educativas a partir do desejo. São Paulo, SP: Escuta.

Costa, M. R., & Cohen, R. H. (2011). Um saber-fazer com crianças e jovens. In S. F. C. de Almeida, & M. C. Kupfer (Orgs.), A psinanálise e o trabalho com a crança-sujeito: no avesso do especialista (pp. 283-300). Rio de Janeiro, RJ: Wak Editora.

Goretti, A. C., Almeida, S. F. C. (de) & Legnani, V. N. (2014). A relação mãe-bebê na estimulação precoce: Um olhar psicanalítico. Estilos da Clínica, 19(3), 414-435. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v19i3p414-435.

Kupfer, M. C., Jerusalinsky, A. N., Bernardino, L. M., Wanderley, D., Rocha, P. S., Molina, S. E., & Stellin, R. (2009). Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvemnto infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Latin American Journal of Fundamental Psychopathology Online, 6(1), 48-68. doi: https://doi.org/10.1590/S1415-47142010000100003.

Legnani, V. N., & Almeida, S. F. C. (de). (2000). A idealização do ato educativo: efeitos no fracasso escolar das crianças das camadas populares. Estilos da Clínica, 5(8), 94-111. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v5i8p94-111.

Legnani, V. N., Almeida, S. F. C. (de); Molinas, J. O. C. (2018). Bebês institucionalizados: a importância da detecção precoce de riscos psíquicos no desenvolvimento. In K. T. Brasil & S. F. C. de Almeida (Orgs.), Proteção à infância e adolescência: intervenções clínicas, educativas e socioculturais (pp. 11-30). Brasília, DF: Editora Cátedra Unesco.

Mariotto, R. M. (2009). Cuidar, educar e prevenir: as funções da creche na subjetivação de bebês. São Paulo, SP: Escuta.

Morillo, H. S., & Fonseca, P. F. (2015). A singularização do laço na educação infantil: por uma indeterminação necessária. Estilos da Clínica, 20(3), 391-399. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v20i3p391-399.

Rabelo, S. (2012). A serviço de que pode estar a detecção precoce do autismo? In M. C. Kupfer, L. M. Bernardino, & R. M. Mariotto (Orgs.), Psicanálise e ações de prevenção na primeira infância (pp. 165-174). São Paulo, SP: Escuta.

Zornig, S. M. A. (2010). Tornar-se pai, tornar-se mãe: O processo de construção da parentalidade. Tempo psicanalitico, 42(2), 453-470. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382010000200010.

Downloads

Publicado

2020-08-29

Como Citar

Campos, D. de L., Legnani, V. N., Almeida, S. F. C. de, & Santos, A. C. dos. (2020). Contribuições possíveis da psicanálise à educação precoce: o protocolo Indicadores Clínicos de Risco para o Desenvolvimento Infantil (IRDI). Estilos Da Clinica, 25(2), 233-245. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p233-245