O que resta da adolescência

despertar nas fronteiras e nos fronts

  • Miriam Debieux Rosa Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia
  • Viviani Carmo-Huerta Université Paris-Nanterre, Laboratoire Clinique Psychanalyse Developpement
Palavras-chave: Adolescência, Psicanálise, Despertar, Discurso, Ato

Resumo

Os processos dos adolescentes diante dos dilemas humanos relativos à sexualidade, morte, pertença e transformação social contam a sua própria história, mas dizem também sobre o modo como cada sociedade concebe as modalidades de inscrição do sujeito no laço social, assim como da sua disponibilidade às transformações sociais. Neste artigo vamos demonstrar os impasses nos destinos da adolescência quando o outro social, em vez de interpelar, acompanhar e apostar no adolescente transforma suas fronteiras em opacidades intransponíveis, ao modo de um front de guerra, impondo impedimentos à sua pertença ao laço social. Vamos cotejar falas dos adolescentes da peça de teatro de Frank Wedekind, de 1891, O Despertar da Primavera, com falas de adolescentes das margens das grandes cidades brasileiras. Vamos demonstrar a articulação da sexualidade à cena social e política, assim como situar o estatuto do ato diante dos impasses do adolescente frente ao lugar que lhe é ofertado no discurso social. Pode-se escutar o que resta da adolescência: a construção de uma narrativa ficcional que permita construir e nortear a sua invenção de um lugar para existir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miriam Debieux Rosa, Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia

Psicanalista. Professora Titular e Coordenadora do Laboratório Psicanálise, Sociedade e Política, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Viviani Carmo-Huerta, Université Paris-Nanterre, Laboratoire Clinique Psychanalyse Developpement

Psicóloga clínica. Docente ATER  (Attaché Temporaire d'Enseignement et de Recherche) do 
Laboratório Clinique Psychanalyse Developpement, Université Paris Nanterre, Nanterre, França.

Referências

Binkowski, G. & Rosa, M. D. (2019). Édipo terrorista, Édipo traficante: radicalismo religioso na adolescência frente à violência do laço social. Associação Psicanalítica de Curitiba em Revista, 1, 53-71.

Brown, M, & Rock, E (2002). Negro drama. In Nada como um dia após o outro dia [CD]. Gravadora Cosa Nostra Fonográfica/Zambia. Recuperado de https://www.discogs.com/pt_BR/Racionais-MCs-Nada-Como-Um-Dia-Ap%C3%B3s-O-Outro-%20Dia/release/179022.

Catroli, V.S. do C. (2011). Anonimato de vida e de morte: contemporaneidade e laço social na adolescência (Tese de doutorado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil).

Catroli, V. S. do C. & Rosa, M. D. (2013). O laço social na adolescência: a violência como ficção de uma vida desqualificada. Estilos da Clínica, 18 (2), 297-317. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v18i2p297-317

Cerione, C. (13 mar 2019). Tiroteio em escola de Suzano: tudo o que se sabe até agora. Exame (online). Recuperado de https://exame.abril.com.br/brasil/tiroteio-em-escola-em-suzano-tudo-o-que-se-sabe-ate-agora/.

China. (2019). Manual de sobrevivência para dias mortos [CD]. Produção: Yury Queiroga. Gravadora Pedra Nova.

Costa, A, & Poli, M. C. (2010). Sexuação na Adolescência: um ato performativo. Psicologia Política, 10(1), 141-150. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v10n19/v10n19a12.pdf.

Durkheim, É. (1973). O Suicídio. Lisboa/São Paulo: Editoral Presença/Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1897).

Freud, S. (2010). Batem numa criança: Contribuição ao conhecimento da gênese das perversões sexuais (1919) 293-328. In S. Freud, Obras Completas (Vol. 14, P. C. De Souza, trad., pp. 293-328). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1919). Recuperado de https://www.companhiadasletras.com.br/trechos/12901.pdf.

Freud, S. (1996). Psicologia de grupo e análise do ego. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 18, J. Salomão, trad., pp. 77-154). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1921).

Freud, S. (1996). Moral sexual civilizada e a doença nervosa moderna. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 9, J. Salomão, trad., pp. 187-213). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1908).

Freud, S. (1996). A interpretação dos sonhos. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vols. 4 e 5, J. Salomão, trad., pp. 15-700). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1900).

Freud, S. (1996). O ego e o id. In S. Freud. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vols. 19, J. Salomão, trad., pp. 13-18). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1923).

Gerez-Ambertin, M. (2009a). Culpa, anomia y violencia. Rev. Mal-Estar Subjetividades, 9(4), 1077-1102. Recuperado de https://periodicos.unifor.br/rmes/issue/view/370.

Gerez-Ambertín, M. (2009b). Entre dívidas e culpas: críticas da razão sacrifical. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Jorge, M. A. C. (2005). As quatro dimensões do despertar: sonho, fantasia, delírio, ilusão. Ágora, 8, 275-289. doi.org/10.1590/S1516-14982005000200008.

Justo, G. (2018). Musical sobre tabus e adolescência, “O Despertar da Primavera” ganhará revival em 2018. PapelPop. Recuperado de https://www.papelpop.com/2017/05/musical-sobre-tabus-e-adolescencia-o-despertar-da-primavera-ganhara-revival-em-2018/.

Lacan, J. (2018). O Seminário. Livro 2. Os não-tolos erram / Os nomes do pai (F. Denez e G. Volaco, trad e org). Porto Alegre: Editora Fi. (Apresentação oral em 1973/1974). Recuperado de http://www.editorafi.org.

Lacan, J. (2005). O seminário. Livro 10: a angústia (V. Ribeiro, trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1962-1963).

Lacan, J. (2003). Prefácio a “O despertar da primavera”. In J. Lacan, Outros escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 557- 559). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1974).

Lacan, J. (1985). O Seminário, livro 11. Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (V. Ribeiro, trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1963/1964).

Lacan, J (1998). O Estádio do espelho. In J. Lacan Escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 96-103). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Trabalho original publicado em 1949).

Lacan, J. Television. (D. Hollier,R. Krauss, A. Michelson, trad.). New York/London: W.W. Northon & Company. Recuperado de http://www.lacantokyo.org/img/Lacan_Television_English.pdf

Lacan, J. (1966-1967). O seminário, livro 14: a lógica do fantasma . Inédito.

Martins, A. S. (2017). O outro lado da violência: escutando adolescentes envolvidos na guerra do tráfico. In: Conselho Regional de Psicologia São Paulo. (Org.). Prêmio Marcus Vinícius de Psicologia e direitos humanos: violência de estado ontem e hoje - da exclusão ao extermínio. São Paulo: CRP-SP, v. 1, p. 0-136.

Matheus, T. C. (2008). Quando a adolescência não depende da puberdade. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 11 (4), 616-625.

Pereira, M.R. & Gurski, R. (2014). A adolescência generalizada como efeito do discurso do capitalista e da adultez erodida. Psicologia & Sociedade, 26 (2), 376-383.

Roudinesco, E. (2002). La famille en désordre. Paris: Fayard.

Rosa, M. D. (2016). Psicanálise, política e cultura: a clínica em face da dimensão sócio-política do sofrimento. São Paulo: Escuta/Fapesp.

Rosa, M. D. (2014). Escritas da migração: momento de partir, tempo de esquecer, tempo de contar (pp.203-217). In A. Costa & D. Rinaldi (Orgs.). Linguagem e escritas do corpo. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Rosa, M. D. (2010) O jovem na cena social: a relação identificação, ato e inserção no grupo social (pp.214-231). In G. Biasoto Jr, & L. A. Palma e Silva (Orgs.). Debates Fundap: Políticas Públicas em Questão. São Paulo: Edições Fundap. Recuperado de http://209.177.156.169/libreria_cm/archivos/pdf_280.pdf

Rosa, M. D. (2009). Histórias que não se contam: o não dito na clínica com crianças e adolescentes, (2ª. ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rosa, M. D. (2002). Adolescência: da cena familiar à cena social. Revista Psicologia USP, 13, 227-241. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/psicousp/article/view/53509/57505.

Rosa, M. D. (1999). O discurso e o ato na produção do laço social: reflexões sobre a delinquência In Congresso Internacional de Psicanálise e suas Conexões. Trata-se uma criança. (pp. 275-287). Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Spivak, G.C. (2010). Pode o subalterno falar? (S.R.G. Ameida, M.P.Feitosa & A.P.Feitosa, trad.). Belo Horizonte: Editora UFMG. Recuperado de https://joaocamillopenna.files.wordpress.com/2013/10/spivak-pode-o-subalterno-falar.pdf.

Wedekind, F. (2009). O Despertar da Primavera (C. Botelho, versão brasileira; S.Ewert, trad.; J. H.Paula, adapt.). (Trabalho original de 1891) Recuperado de http://www.teatrosemcortinas.ia.unesp.br/%20Home/HistoriadoTeatroMundial33/o-despertar-da-primavera.

Publicado
2020-04-30
Como Citar
Rosa, M., & Carmo-Huerta, V. (2020). O que resta da adolescência. Estilos Da Clinica, 25(1), 5-20. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i1p5-20

Dados de financiamento