Ato puro e a clínica dos estados paradoxais

  • Telma Rodrigues Batista da Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • João Luiz Leitão Paravidini Universidade Federal de Uberlândia; Instituto de Psicologia
  • Caio César Souza Camargo Próchno Universidade Federal de Uberlândia; Instituto de Psicologia
Palavras-chave: ato puro, estados paradoxais, infância, casos inclassificáveis, contemporaneidade

Resumo

O artigo aborda particularidades do funcionamento subjetivo contemporâneo que desafiam os posicionamentos teóricos e técnicos da clínica padrão. Discute a clínica dos Estados Paradoxais (Paravidini, 2006), cuja montagem psíquica implica arranjos onde se identificam elementos tanto autísticos como psicóticos ou neuróticos e cujas falas ou ações são postas em ato, sem endereçamento ao Outro. Identifica o Ato Puro (Herrmann, 1997) como operador fundamental dessa clínica e estuda as consequências de sua lógica operante à constituição psíquica da criança encontrando um sujeito na berlinda da inclusão ou não do Outro, necessitando a encarnação do analista enquanto Outro que sabe não excluir.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2010-06-01
Como Citar
Silva, T., Paravidini, J., & Próchno, C. (2010). Ato puro e a clínica dos estados paradoxais. Estilos Da Clinica, 15(1), 194-217. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v15i1p194-217