Primeiros tempos da maternidade: indiferenciação ou intersubjetividade na relação primitiva com o bebê?

  • Natália De Toni Guimarães dos Santos Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; Psicologia Clínica
  • Silvia Abu-Jamra Zornig Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Palavras-chave: preocupação materna primária, indiferenciação, intersubjetividade, psicanálise, relação mãe-bebê.

Resumo

Este texto tem por objetivo analisar a função do outro materno nos primórdios da vida psíquica do bebê, enfatizando a dimensão relacional e fundadora dessas trocas. Nessa perspectiva, pretendemos discutir a noção winnicottiana de preocupação materna primária para refletir sobre seu paradoxo: indiferenciação ou intersubjetividade? A abordagem clássica e bastante conhecida de Winnicott é problematizada à luz de autores contemporâneos como Ogden e Roussillon, que propõem uma complexificação de seu pensamento, introduzindo na relação primária mãe-bebê a noção de intersubjetividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-04-01
Como Citar
Santos, N., & Zornig, S. (2014). Primeiros tempos da maternidade: indiferenciação ou intersubjetividade na relação primitiva com o bebê?. Estilos Da Clinica, 19(1), 78-90. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v19i1p78-90
Seção
Dossiê: A criança sua mãe e os outros