A Amazônia em jogo: notas sobre a representação em jogos digitais

Palavras-chave: Jogos digitais, Amazônia, Cultura, Comunicação, Representação,

Resumo

Este trabalho procura compreender os mecanismos pelos quais os jogos digitais criam significações e processos representacionais. Portanto, buscamos perceber e propor uma classificação das formas de representação em jogos digitais, utilizando como exemplo jogos que fazem alusão à Amazônia brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tarcízio Macedo, Universidade Federal do Pará
Mestrando em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará (UFPA). Co-coordenador do grupo de Pesquisa Midiática na Amazônia, integra o Diretório CNPq nos grupos de pesquisa Interações e Tecnologias na Amazônia (ITA) e Narrativas Contemporâneas na Amazônia Paraense (Narramazônia). Foi pesquisador visitante no PósCom da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e na Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Colaborador de projetos de pesquisa na UFPA, UFBA e UNEB.

Referências

AARSETH, Espen. Cybertext. Perspectives on Ergodic Literature. Baltimore e Londres: Johns Hopkins University Press, 1997.

AMARAL FILHO, Otacílio. Amazônia versus meio ambiente: sedutoras armadilhas discursivas da mídia para fidelizar novos consumidores. In: O. AMARAL FILHO et al. (orgs.). Pesquisa em Comunicação na Amazônia. Belém: FADESP, 2010, p. 19-43.

ASSIS, Bruno; COSTA, Luciana. Amazônia nos games: preservação ambiental e estereótipos nos jogos digitais. In: XIV SBGames, p. 1050-1058, Teresina, 2015.

BAUMAN, Zigmunt. Vida para consumo: as transformações das pessoas em mercadorias. São Paulo: Abril, 1983.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: A máscara e a vertigem. Lisboa: Cotovia, 1957 (1995).

DURAND, Gilbert. O retorno do mito: introdução à mitodologia. Mitos e sociedade. Revista FAMECOS. Porto Alegre, n. 15. agost. 2001. p. 74-82. Versão digital.

FRASCA, Gonzalo. Videogames of the oppressed: Videogames as a means for critical thinking and debate. Dissertação de Mestrado apresentada à Georgia Institute of Technology. Georgia, 2001.

______. Simulation Vs. Narrative: Introduction to Ludology. In: The Video Game Theory Reader, Mark J.P. e B. Perron Wolf (orgs). Londres: Routledge, 2003.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

HALL, Stuart. Identidades Culturais na Pós-modernidade. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Editora Perspectiva, 1938 (2000). Versão digital.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. Trad. Susana Alexandria. 2 ed. São Paulo: Aleph, 2009.

LOUREIRO, João. Cultura Amazônica: uma poética do imaginário. São Paulo: Escrituras Editora, 2001.

MACEDO, Tarcízio; AMARAL FILHO, Otacílio. Dos rios à tela de cristal líquido: o retorno do mito e a arquitetura da cultura convergente em League of Legends. Revista Fronteiras: estudos midiáticos, v. 17, n. 2, p. 231-247, maio/agosto 2015.

____. Isto é uma brincadeira? Por uma fenomenologia do jogar: o “círculo mágico” como mediador das relações e práticas sociais. In: Verso e Reverso: Revista da Comunicação, v. 30, n. 73, 2016, no prelo.

MAFFESOLI, Maffesoli. 2001. O imaginário é uma realidade. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 1, n. 15, p. 74-82.

TEIXEIRA, Luís. Jogo #1/Nível #3: Ludologia: Uma disciplina emergente? In: Livro de Atas da 4º SOPCOM, p. 467-477, Lisboa, 2006.

SALEN, Katie; ZIMMERMAN, Eric. 2012a. Regras do Jogo: Fundamentos do Design de Jogos: regras. v. 1, São Paulo, Blucher.

______. 2012b. Regras do Jogo: Fundamentos do Design de Jogos: interação lúdica. v. 3, São Paulo, Blucher.

______. 2012c. Regras do Jogo: Fundamentos do Design de Jogos: cultura. v. 4, São Paulo, Blucher.

FRASCA, Gonzalo. Simulation 101: Simulation versus Representation. 2002. Disponível em: http://goo.gl/tibXc. Acesso em: 09 dez. 2014.

LEFKY, Adam; GINDIN, Artem. Acceleration Due to Gravity: Super Mario Brothers. In: The Physics Factbook. Disponível em: http://goo.gl/rwv4Ztl. Acesso em: 09 dez. 2014.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992, p. 200-212.

ROBINETT, Warren. Inventing the Adventure Game: The Design of Adventure and Rock’s Boots. Disponível em: http://goo.gl/24YCfo. Acesso em: 09 dez. 2014.

ZAGALO, Nelson. Reconhecimento do talento expressivo. In: Eugamer.pt. 2011. Disponível em: http://goo.gl/FNXM2K. Acesso em: 15 jul. 2015.

Ludografia

Pong (Atari, 1972)

Street Fighter (Capcom, 1987)

Street Fighter II (Capcom, 1991)

Knuckle Heads (Namco, 1992)

League of Legends (Riot Games, 2009)

Publicado
2016-06-29
Como Citar
Macedo, T. (2016). A Amazônia em jogo: notas sobre a representação em jogos digitais. Revista Extraprensa, 9(2), 114-127. https://doi.org/10.11606/extraprensa2016.114297