Hip Hop como resistência e espaço de opressão nas relações de gênero: uma análise do discurso de Vacilão e Trepadeira

  • Renata Barreto Malta Universidade Federal de Sergipe (UFS)
  • Jônatas Breno Silva Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Jonathan Batista dos Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Tássia Azevedo Santos Souza Universidade Federal de Sergipe
  • Verilane dos Santos Mota Santos Universidade Federal de Sergipe
Palavras-chave: Estudos Culturais, Hip Hop, Machismo, Resistência, Análise do Discurso

Resumo

O presente estudo consiste na análise das músicas “Vacilão” e “Trepadeira”, de autoria do rapper Emicida, utilizando o protocolo de Análise de Discurso (AD) proposto pela pesquisadora Katarini Miguel (2014). O artigo suscita discussões sobre as relações de poder a partir do gênero, a cultura do Hip Hop e o machismo escancarado, discrepante com a resistência feminista ainda emergente nas produções culturais desse universo. Baseando-nos nos Estudos Culturais, buscamos elucidar conceitos e significados relevantes para essa pesquisa. Ademais, propomos observar, a partir do corpus, os aspectos da construção de sentido das letras das músicas, a manifestação do eu lírico nas obras, em contraste com o posicionamento do autor, o discurso ideológico, o encadeamento de ideias, associações e analogias, os quais revelam o sexismo que prevalece nesse espaço considerado de resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Barreto Malta, Universidade Federal de Sergipe (UFS)
Doutora em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo Professora efetiva do Departamento de Comunicação Social da UFS (Universidade Federal do Sergipe). Professora Permanente do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Comunicação Social (PPGCOM) da Universidade Federal de Sergipe vinculada à linha de pesquisa 1 - Produtos, Processos e Discursos Midiáticos. Coordenadora no Brasil do grupo de pesquisa CHISGAP (Critical, Historical and international Studies on Gender and Press)
Jônatas Breno Silva Santos, Universidade Federal de Sergipe

Graduado em Letras (Português e Espanhol) pelo Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco. Graduando do curso de Comunicação Social. Habilitação: Publicidade e Propaganda da UFS. Membro do Grupo de Pesquisa CHISGAP (Critical, Historical and international Studies on Gender and Press).

Jonathan Batista dos Santos, Universidade Federal de Sergipe

Graduando do curso de Comunicação Social. Habilitação: Publicidade e Propaganda da UFS. Membro do Grupo de Pesquisa CHISGAP (Critical, Historical and international Studies on Gender and Press).

Tássia Azevedo Santos Souza, Universidade Federal de Sergipe

Graduanda do curso de Comunicação Social. Habilitação: Publicidade e Propaganda da UFS. Membro do Grupo de Pesquisa CHISGAP (Critical, Historical and international Studies on Gender and Press).

Verilane dos Santos Mota Santos, Universidade Federal de Sergipe

Graduanda do curso de Comunicação Social. Habilitação: Publicidade e Propaganda da UFS. Membro do Grupo de Pesquisa CHISGAP (Critical, Historical and international Studies on Gender and Press).

Referências

ADORNO, T. A Indústria Cultural. In COHN, Gabriel (org.). Comunicação e Indústria Cultural. São Paulo: EDUSP, 1971.

ESCOSTEGUY, A. C. Os estudos culturais. Teorias da Comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis, Vozes, p. 151-170, 2001. Disponível em: <http://www.pucrs.br/famecos/pos/cartografias/estudos_culturais_08_06.php>. Acesso em: 12 dez 2015.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. O Princípio Educativo. Jornalismo. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2006.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Ed. DP&A, 1999.

HALL, S. Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte: Ed: UFMG, 2006.

MATSUNAGA, P. S. As representações sociais da mulher no movimento hip hop. Psicologia & sociedade, v. 20, n. 1, p. 108-116, 2008.

MIGUEL, Katarini. Pensar a Cibercultura ambientalista: Comunicação, mobilização e as estratégias discursivas do Greenpeace Brasil. 2014. 267 f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo. 2014.

ORLANDI, E. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes, 2007.

RODRIGUES, M. N.; MENEZES, J. Jovens mulheres rappers: reflexões sobre gênero e geração no movimento hip hop. 2013. Disponível em: <http://www.unicap.br/jubra/wp-content/uploads/2012/10/TRABALHO-54.pdf>. Acesso em: 10 dez 2015.

SILVA T. T. A Produção Social da Identidade e da Diferença. In: SILVA, T. T. (org.). Identidade e Diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Editora Vozes, 2007.

WELLER, V. A Construção de Identidade através do Hip Hop : uma análise comparativa entre happers negros em São Paulo e happers turcos-alemães em Berlim. Caderno CRH, Salvador. N. 32. P. 2013-232, jan-jun 2000.

WILLIAMS, R. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1979.

WILLIAMS, Raymond. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. In: Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. Boitempo, 2007.

Publicado
2018-12-27
Como Citar
Malta, R., Santos, J., dos Santos, J., Souza, T., & Mota Santos, V. (2018). Hip Hop como resistência e espaço de opressão nas relações de gênero: uma análise do discurso de Vacilão e Trepadeira. Revista Extraprensa, 12(1), 66-81. https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.120296