A interpretação da cultura através dos dados: O BIG DATA a partir da epistemologia do sul

Autores

  • Anderson Vinicius Romanini Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
  • Renata Lipia Lima Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.144512

Palavras-chave:

Big Data, Epistemologia do Sul, Visualização de dados, Literacia de Dados

Resumo

A revolução digital, acompanhada pela introdução dos dispositivos móveis conectados online às redes sociais, produziu uma nova esfera para a circulação da informação e produção de cultura. Um dos efeitos da cibercultura é a acumulação de um fabuloso volume de dados sobre as ações e transações nos usuários das redes. O Big Data passou a ser analisado com ferramentas de visualização e interpretação para atender aos propósitos do atual estágio do sistema capitalista, e aos interesses detentores do poder em busca de uma hegemonia digital. Defendemos a necessidade de uma Epistemologia do Sul na formulação desses algoritmos e esquemas interpretativos para garantir que a diversidade e complexidade das culturas periféricas sejam preservadas, e também para a formulação de ações de resistência e de afirmação das identidades culturais ameaçadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Vinicius Romanini, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Possui graduação em Ciências da Comunicação (Jornalismo, 1990), mestrado (2001) e doutorado (2006) em Ciências da Comunicação, todos pela Universidade de São Paulo. Seu pós-doutorado foi pela Universidade de Indiana (EUA), em 2014. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Filosofia e Teoria da Comunicação, Filosofia da Linguagem e Semiótica. Como jornalista, foi repórter, editor ou colaborador em diversos meios de comunicação, nas quais cobriu principalmente assuntos de cultura, ciência e sustentabilidade. É o atual presidente da Sociedade Brasileira de Ciência Cognitiva (SBCC) para a gestão 2016-2018. É também Diretor de Assuntos Internacionais do Centro de Estudos Peirceanos (PUC/SP). Membro de corpo editorial da Peter Lang Book Series Reflections on Signs and Language, além dos seguintes periódicos: Cadernos de Semiótica Aplicada (CASA), Brazilian Journal of Technology, Communication, and Cognitive Science, Texto Livre: Linguagem e Tecnologia e da Clareira- Revista de Filosofia da Região Amazônica. Coordenador do Grupo ECA pela Democracia e membro da Congregação da ECA, do Conselho Departamental do CCA (ECA), da Comissão CoC-Design (FAU). É também membro da Comissão Gestora da Lei de Alimentação Escolar Orgânica da Prefeitura de São Paulo. É pesquisador do Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (CELACC), do Centro de Lógica e Epistemologia da Ciência (CLE/Unicamp), bem como do Projeto UniTwin da Unesco (Unesp). Entre os prêmios que ganhou estão o Abril de Jornalismo, o Ethos de Jornalismo Ambiental e o Citi Journalistic Excellence Award. Integra os programas do pós-graduação PPGCOM (Comunicação) e PGEHA (Interunidades em Estética e Historia da Arte)

Renata Lipia Lima, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Bacharela e Licenciada em História pela Universidade de São Paulo. Desde 2010, a frente do Núcleo de Educação Patrimonial da Fundação Osesp promovendo pesquisas, elaborando materiais didáticos, treinando educadores e realizando atendimento ao público em visitas pelo Complexo Cultural Júlio Prestes. Como voluntária, ministrou aulas de história em escolas públicas e cursinhos populares. Obteve especialização em Administração Pública da Cultura pela UFRGS. Pós-graduanda em Mídia, Informação e Cultura pelo Centro de Estudos Latino Americanos sobre Cultura e Comunicação da ECA-USP. 

Referências

ANDERSON, C. The end of theory: the data deluge makes the scientific method obsolete. Revista Wired. 06/08/2008. Disponível em: https://www.wired.com/2008/06/pb-theory/ . Acesso em 15/10/2017.

BOLILER, D.: The Promise and Peril of Big Data. . Washington, D.C: Aspen Institute, 2010. Download em 25/10/2017.

CANCLINI, N. G: Culturas Híbridas. 4ª ed. São Paulo: Edusp, 2003.

DANTAS. A.: geografia e Epistemologia do Sul na obra de Milton Santos. Mercator vol.13 no.3. Fortaleza. Set./Dez. 2014 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=1984-2201&lng=en&nrm=iso> Acessado em 15/10/2017.

ESCOSTEGUY, A. C. D.: Cartografia dos Estudos Culturais: uma versão latino-americana. Belo Horizonte. Autêntica, 2001.

FIAP: Big Data Science | Estatística Básica | #2 | FIAP X. 2015 < https://www.youtube.com/watch?v=JQHf-NASmSc> Acesso em 15/09/2017.

GARCIA, M. A. M Big Data – Conceitos, Técnicas e Ferramentas. CETAX Treinamentos. Disponível em <https://www.cetax.com.br/materiais/curso-big-data-parte1.pdf>. Acesso em: 25/09/2017.

GALANTER, D. Bargaining in the Shadow of Big Data. Disponível em: <http://scholarship.law.ufl.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1292&context=flr> . Acesso em 03/11/2017.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989.

HALL, S. A relevância de Gramsci para o estudo de raça e etnicidade. In: Da diáspora: identidades e mediações culturais. Liv Sovik (org). Editora UFMG. Belo Horizonte, 2013.

HALL, S. Cultura e Representação. Tradução de Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: Apicuri, 2016.

INFOPEDIA. Editora Porto: 2003. Disponível em: <https://www.infopedia.pt/> Acesso em 20/09/2017.

LARSON, E. Exploração Visual de Conjuntos de Dados Gigabyte em Tempo Real. Disponível em <https://dl.acm.org/citation.cfm?id=310930.310977&coll=DL&dl=GUIDE .> Acesso em: 20/10/2017.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. Trad. Maria L. Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MANOVICH, L. - A Ciência da Cultura? Computação Social, Humanidades Digitais e Analítica Cultura. Matrizes V.9 - Nº 2 jul./dez. ECA/USP. São Paulo. 2015.

MARR, B. - A brief history of big data everyone should read – World Economic Forum, 2015. Disponível em <https://www.weforum.org/agenda/2015/02/a-brief-history-of-big-data-everyone-should-read/ .> Acesso em: 29/09/2017.

MARTÍN-BARBERO, J. - Comunicação e mediações culturais. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. São Paulo. Vol. XXIII, n 1. jan-jun. 2000.

MICHAELIS. - Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php>. Acesso em: 15 out 2017.

MORIN, E. Para um pensamento do Sul. In.: Para um pensamento do sul: diálogos com Edgar Morin. — Rio de Janeiro : SESC, Departamento Nacional, 2011.

SANTOS, B. S de - Toward a New Common Sense: Law, Science and Politics in the Paradigmatic Transition. New York: Routledge, 1995.

SANTOS, M. - A Natureza do Espaço. São Paulo: Hucitec/Edusp, [1996] 2006.

SCHÄFER, M. T., van ES, K. - The Datafied Society: Studying Culture through Data. Amsterdam University Press, 2017. Disponível em: <http://en.aup.nl/books/9789462981362-the-datafied-society.html> . Acesso em 20/0982017.

Downloads

Publicado

2018-08-31

Como Citar

Romanini, A. V., & Lima, R. L. (2018). A interpretação da cultura através dos dados: O BIG DATA a partir da epistemologia do sul. Revista Extraprensa, 11(2), 7-22. https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.144512