A Comissão da Verdade na Imprensa: justiça de transição, memória e jornalismo de reconhecimento

Autores

  • Tamy Tormin Basso Escola de Artes, Ciências e Humanidades, EACH/USP
  • Vitor Blotta Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, ECA/USP

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.147961

Palavras-chave:

Justiça de Transição, Comissão da Verdade, Imprensa, Memória, Reconhecimento

Resumo

Neste artigo analisamos coberturas jornalísticas da Comissão Nacional da Verdade (CNV) por meio de um estudo quantitativo e qualitativo dos jornais Folha de São Paulo e o Estado de São Paulo entre o 01 de janeiro de 2010 à 31 de dezembro de 2015. A metodologia combina os conceitos de memória coletiva, reconhecimento e razão comunicativa com normas éticas do jornalismo, de modo a permitir uma análise empírica crítica de como esses jornais cobriram os trabalhos da CNV. Os resultados indicam que apesar do potencial para contribuir para a formação de uma memória coletiva sobre a ditatura e o período transicional, promovendo o que podemos chamar de “jornalismo de reconhecimento”, as coberturas foram predominantemente reativas aos marcos estatais, pecando na contextualização e reproduzindo fatos já conhecidos, além de memórias hegemônicas e subjetividades dicotômicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamy Tormin Basso, Escola de Artes, Ciências e Humanidades, EACH/USP

Discente do curso de Gestão de Gestão de Políticas Públicas, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, EACH/USP. Integrante, pela mesma instituição, do grupo de pesquisa: A publicização do relatório da Comissão Nacional da Verdade na mídia impressa nacional: justiça de transição, memória e reconhecimento.

Vitor Blotta, Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, ECA/USP

Docente do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicação e Artes da USP. Pesquisador Associado do Núcleo de Estudos da Violência da USP (NEV/USP) e atual Presidente da Associação Nacional de Direitos Humanos - Pesquisa e Pós-Graduação (ANDHEP). É mestre e doutor em Direito pelo Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da Faculdade de Direito da USP. 

Referências

ARENDT, H. Eichmann em Jerusalem. São Paulo: Companhia das Letras. 1999.

ABRÃO, Paulo. A Lei de Anistia no Brasil: As alternativas para a verdade e a justiça. Revista Acervo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 24, p.119-138, maio 2011.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Relatório / Comissão Nacional da Verdade. – Brasília: CNV, 2014. 976 p. – (Relatório da Comissão Nacional da Verdade)

BLOTTA, V. O Direito da Comunicação: uma nova teoria crítica do direito a partir da esfera pública política. São Paulo: Fiuza, 2013.

BLOTTA, V. “You will never understand”: the monopoly of the place of speech through cultural trauma narratives in Brazil and Croatia. 2016 (manuscrito)

CARUTH, C. Unclaimed Experience: trauma, narrative and history. London: John Hopkins. 1996

BUCCI, E. A Imprensa e o Dever da Liberdade. São Paulo: Contexto, 2009.

CHARAUDEAU, P. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

FERRAZ JÚNIOR, T. S. Free-Software and Non-Exclusive Individual Rights. Archiv für Rechts- und Sozialphilosophie, vol 94, 2008, Heft 2.

GRBESA, M. Privatisation of Politics in Croatia: Analysis of the 2003 and 2007 Parliamentary Elections. Medji.istraz. 2010, p. 57-78.

MAIA, R. C.M. Reconhecendo o direito à memória e à verdade: Apontamentos sobre o papel das histórias de vida no trabalho da Comissão Nacional da Verdade. IX Encontro da ABCP: Comunicação Política e Opinião Pública. Brasília, 4-7 agosto, 2014.

HABERMAS, J. Ay, Europa! Pequeños escritos políticos. Madrid: Trotta, 2009.

HALBWACHS, M. A Memória Coletiva. 1990. São Paulo: Revista dos Tribunais. 133 p.

HAYNER, P. B. Past Truths, Present Dangers: The Role of Official Truth Seeking in Conflict Resolution and Prevention. In: STERN, P. C.;

DRUCKMAN, D. (Orgs). International conflict resolution after the cold war, Washington: Natioal Research Council, 2000, p. 238- 282

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: A gramática moral dos conflitos sociais. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2003. 291 p.

HONNETH, A. Freedom’s Right. New Directions in Critical Theory. New York: Columbia, 2014.

THE INSTITUTE ON WAR AND PEACE REPORTING. Guidelines on Peace Reporting. August 14, 2008. Disponível em: https://ijnet.org/en/blog/guidelines-peace-reporting (último acesso 10 de agosto de 2016)

KISHI, S. A. S. Direito à informação e à participação na Justiça de Transição. In: SOARES, I. V. P.; KISHI, S. A. S. (Coord.). Memória e Verdade: a justiça de transição no Estado Democrático brasileiro. Belo Horizonte: Fórum, 2009, cap. 14, p.273-291

LAPLANTE, L. J; PHENICIE, K. Mediating post-conflict dialogue: the media’s role in transitional justice process. Marquette Law Review, Michigan, a.1, v 93., p.251-283, 2009

PRICE, M. E.; STREMLAU, N. Media and transitional justice: Toward a systematic approach. International Journal of Communication, v.6, p.1077–1099, dez. 2012.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudo Históricos. Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p.3-15, 1989.

RICOEUR, P. A Memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007, 535 p.

TELES, E. Democracia e Estado de Exceção: transição e memória política no Brasil e na África do Sul. São Paulo: Fap-Unifesp. 2015.

SAMPAIO, J. A. L; LEMOS, E. L. Notas sobre o direito à memória e à verdade. In: PIOVESAN, F.; SOARES, I. V. P. (Org.). Direitos humanos atual. Rio de Janeiro: Elsevior, 2014. p. 202-219.

SAVELSBERG, J., KING, R. D. Law and Collective Memory. Annual Review of Law and Social Science. Vol. 3, Dec. 2007, pp. 99-114.

Downloads

Publicado

2018-08-31

Como Citar

Basso, T. T., & Blotta, V. (2018). A Comissão da Verdade na Imprensa: justiça de transição, memória e jornalismo de reconhecimento. Revista Extraprensa, 11(2), 101-122. https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.147961