As periferias pelos periféricos: um fenômeno jornalístico contemporâneo

  • Mara Rovida Martini Universidade de Sorocaba, Sorocaba, Brasil
Palavras-chave: Jornalismo Alternativo, Narrativa Periférica, Estado da Arte, Observação-experiência

Resumo

A busca por espaços alternativos de produção jornalística vem crescendo no Brasil. Deste universo são destacadas, no presente debate, iniciativas engajadas com perspectivas – os pontos de vista das periferias – que se diferenciam das versões recorrentes de narrativas da imprensa tradicional. Para compreender esse fenômeno, buscam-se subsídios no estado da arte e em experiência empírica anotada na I Virada Comunicação, evento realizado em 2017 pela Rede Jornalistas das Periferias. Esta reflexão faz parte de uma pesquisa mais ampla em desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mara Rovida Martini, Universidade de Sorocaba, Sorocaba, Brasil

Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura.

Referências

BITTENCOURT, Maria Clara Aquino. Jornalismo, inovação e empreendedorismo: questões sobre modelos de negócio em contexto de crise. Líbero, São Paulo, v. 1, n. 41, p. 74-87, 2018.

BORGES, Thiago. Jornalismo periférico: o diálogo social solidário nas bordas urbanas: diário de campo. Sorocaba: [s.n.], 2018. Pesquisa em andamento.

CARVALHO, Guilherme; BRONOSKY, Marcelo. Jornalismo alternativo no Brasil: do impresso ao digital. Revista Pauta Geral, Ponta Grossa, v. 4, n. 1, p. 21-39, 2017.

CHAMPAGNE, Patrick. A visão midiática. In: BOURDIEU, Pierre (coord.). A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997. p. 63-85.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991.

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Unesp: Hucitec, 1998.

MEDINA, Cremilda. Sonha Mamana África. São Paulo: Epopéia, 1987.

MEDINA, Cremilda. Povo e personagem. Canoas: Ulbra, 1996.

MEDINA, Cremilda. A arte de tecer o presente: narrativa e cotidiano. São Paulo: Summus, 2003.

NONATO, Cláudia; PACHI FILHO, Fernanda Felício; FIGARO, Roseli. Relações de comunicação em novos arranjos alternativos e modelos de produção da notícia. Líbero, São Paulo, v. 1, n. 41, p. 100-115, 2018.

OLIVEIRA, Dennis de. Jornalismo e emancipação: uma prática jornalística baseada em Paulo Freire. Curitiba: Appris, 2017.

ROVIDA, Mara. Jornalismo em trânsito: o diálogo social solidário no espaço urbano do trânsito. São Carlos: Edufscar, 2015.

ROVIDA, Mara. Apuração in loco: o impacto do trabalho de campo no fazer jornalístico. Tríade, Sorocaba, v. 4, n. 8, p. 2-14, 2016.

ROVIDA, Mara. Narrativas periféricas: protagonismo feminino promovido pelo trabalho de mulheres jornalistas. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 15., 2017, São Paulo. Anais […]. Brasília, DF: Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 2017. p. 1-16.

SANTOS, Milton. Economia espacial: críticas e alternativas. São Paulo: Hucitec, 1979.

SANTOS, Milton. O espaço do cidadão. São Paulo: Studio Nobel, 2002.

SILVA, Lívia Lima da. Jornalismo periférico: o diálogo social solidário nas bordas urbanas: diário de campo. Sorocaba: [s.n.], 2018. Pesquisa em andamento.
Publicado
2018-12-27
Como Citar
Martini, M. (2018). As periferias pelos periféricos: um fenômeno jornalístico contemporâneo. Revista Extraprensa, 12(1), 50-65. https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.149085