(Re)existências periféricas: mediações culturais e cidadanias latino-americanas em resistência.

  • Yuli Andrea Ruiz Aguilar Universidade Federal da Integração Latinomaericana (UNILA)
Palavras-chave: Arte, Território, Periferia, Direitos, Mediações

Resumo

Em este trabalho busca-se percorrer alguns interstícios que tem se apresentando ao
pensar nas relações entre Arte- Território e Identidade, esta relação é o principal marco
teórico e de análisis com a qual há sido desenvolvida a pesquisa de trabalho de conclusão de
curso (TCC) Mayaelo: Construir comunidade tecendo sensibilidades: Práticas e resistências
decoloniais (2017), e que atualmente encontra se proposta no projeto de mestrado “Tecendo
sensibilidades desde periferias Latino Americanas: Práticas e resistências decoloniales,
atualmente em andamento, no PPG em Estudos Latinoamericanos pela Universidade Federal
da Integração Latinoamericana. Estas pesquisas têm por objetivo principal aprofundar e dar
continuidade no análisis partindo de dois grupos coletivos que articulam experiências
artístico-culturais em territórios reconhecidos socialmente como periferias, trata se do
colectivo Casa Mayaelo, o qual desenvolve suas ações no Bairro Arborizadora Alta, em
Bogotá, Colômbia, e por outro lado a Biblioteca Comunitária do bairro Cidade Nova na
cidade de Foz de Iguazú, Brasil.
De tal relação, encontramos que, as cartografias do poder no marco das relações globalizadas,
tem aumentado a complexidade das oposições e polaridades que historicamente formalizam a
dinámica social e discursiva entre centros e periferias, traçando nestas zonas limítrofes muros
fronterizos intrincados que dificultam a visualização do carácter étnico/racial-narcisista
perante secularmente, e atualizando o perfilamento das formas hierarquizadas e de
subordinação estruturais de nossa sociedade contemporânea e transnacional atrás de ilusórias
estratégias de inserção no sistema mundo capital.
Assim, para este exercício serão apresentados processos de mediação emancipatórios e
estético-sensibles desde territórios periféricos, como elementos chaves para alcanzar uma
primeira reflexão que visa por estabelecer a necessidade do questionamento e inversão do
significado e concepção das práticas e saberes locais periféricas, a fim de traçar seu lugar de
potência na invenção criativa/sensible do direito à cidade e também da resignificação de uma
cidadania de resistência plural, crítica, participativa e transformadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yuli Andrea Ruiz Aguilar, Universidade Federal da Integração Latinomaericana (UNILA)

Graduado em Letras, Artes e Mediação Latino-Americana, atualmente estudante de especialização em Direitos Humanos na América Latina e Mestrado do Programa de Pós graduação em Estudos latino-americanos pela Universidade Federal de Integração Latino-Americana-UNILA.

Referências

ALCALDÍA MAYOR DE BOGOTÁ. Partir de lo que somos. Ciudad Bolívar, tierra, agua y luchas. Bogotá: Alcaldía Mayor de Bogotá. 2014. En:
https://www.culturarecreacionydeporte.gov.co/sites/default/files/convocatorias_cartill
as_y_anexos/anexo_4_libro_apartir_de_lo_que_somos_-ciudad_bolivar_tierra_agua_y_luchas.pdf ALBÁN. A. ADOLFO. Pedagogías de la Re -existencia. Artistas indígenas y afrocolombianos. En Walsh, Catherine. (Ed) Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. TOMO I. Ediciones Abya-Yala. Quito Ecuador. 443-468 pp. 2017.
APPADURAI, ARJÚN. Por una soberanía sin territorialidad, Notas para una geografía Posnacional. 1997.
BARBERO. MARTIN. De los medios a las mediaciones: Comunicación, cultura y hegemonía. Rubi (Barcelona): Anthropos Editorial. 2010. p 297.
BENEDICT. ANDERSON. Comunidades Imaginadas: Reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo. Companhia de letras, 2008.
CIDADE NOVA INFORMA. História do surgimento do Bairro Cidade Nova do município de Foz do Iguaçu do Estado do Paraná Brasil. En línea: http://www.cnifoz.com/2012/10/historia-do-surgimento-do-bairro-cidade.html. CUCHE, DENNYS. A noção de cultura nas Ciências Sociais. Bauru, SP: EDUSC, 1999
ESCOBAR. TICIO. El arte fuera de sí. FONDEC CAV / Museo del Barro. Paraguay. 2004.
GEERTZ, CLIFFORD. O saber local Novos ensaios em Antropologia Interpretativa. Petrópolis. RJ. Vozes.2013.
GÓMEZ M, PEDRO PABLO. Estéticas de Frontera en el contexto colombiano (Disertación de Doctorado en Estudios Culturales) Universidad Andina Simón Bolívar.Colombia.2014 p.376.
GONZÁLEZ V. ANGÉLICA, FERREIRA Z. GABRIEL Y GÓMEZ PEDRO PABLO. “Estética(s) Decolonial(es)”: entrevista a Pedro Pablo Gómez. Estudios Artísticos: revista de investigación creadora, Vol.2 (2) .2016.
GRIMSON, ALEJANDRO. Disputa sobre las fronteras.1997
LADDAGA, REINALDO. Estética de la Emergencia. La formación de otra cultura de las artes. Adriana Hidalgo Editora. Buenos Aires, Argentina. 2006. p 296.
MIGNOLO, WALTER. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.
MIGNOLO WALTER. GÓMEZ M, PEDRO P. Estéticas decoloniales Bogotá: Universidad Distrital Francisco José de Caldas, 2012. p. 92. En:
https://adelajusic.files.wordpress.com/2012/10/decolonial-aesthetics.pdf
PEREIRA. DIANA. A. Cartografia Imaginaria da Tríplice Fronteira. São Paulo. Dobra Editorial. 2014 PERROTTI EDMIR; PIERUCCINI IVETE. A Mediação Cultural Como Categoria Autônoma.
Londrina, v. 19, n. 2, p. 01 – 22, maio. /ago. 2014.
SEGATO, RITA. L. La Nación y sus otros. Buenos Aires: Prometeo, 2007.
SANTOS. MILTON. Por uma outra Globalização.2000
SILVA, TOMAZ TADEU DA. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA. Tomaz Tadeu da. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.
QUIJANO, ANÍBAL. La colonialidad del poder y la experiencia cultural Latinoamericana.
En: BRICEÑO, Roberto. (1998) Pueblo, época y desarrollo; La sociología de América Latina.
Nueva Sociedad. Caracas, Venezuela. León Heinz R. Sonntag Editores. 29-38 pp.
. ______________. Colonialidad y modernidad/racionalidad. Perú Indígena, vol. 13, no. 29, Lima, 1992. 11-20. pp.
REVISTA PERIFERIA, Estéticas Amarradas con Alambre [recurso electrónico] Edición 1:
Mayaelo casa de creación. Bogotá. 2016.
RUIZ, YULI. Mayaelo: Construir comunidades tejiendo sensibilidades: Prácticas y resistencias decoloniales. 2017. 90 págs. Trabajo de Conclusión de Curso, Letras, Artes y Mediación Cultural. Universidad Federal de Integración Latinoamericana. 2017
Publicado
2019-10-17
Como Citar
Aguilar, Y. (2019). (Re)existências periféricas: mediações culturais e cidadanias latino-americanas em resistência. Revista Extraprensa, 12, 542-557. https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.152199