“Blogueirinha rica não entende de Brasil”: cobrança pelo posicionamento político e manifestações de influenciadores na internet

  • Marina Paula Darcie Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)
  • Maicon José de Faria Milanezi Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)
Palavras-chave: Comunicação, Influenciadores Digitais, Público, Privado, Política

Resumo

Os novos arranjos comunicacionais apresentados por nossa sociedade em vias de midiatização promovem a modificação das dinâmicas institucionais e a transformação de suas práticas, que serão influenciadas pela presença de novos dispositivos de comunicação e as exigências e possibilidades apresentadas por eles. Estar presente nas redes sociais digitais é uma das formas que o indivíduo encontra para consumir, produzir e propagar informação e participar da significação de mensagens, incluindo as de cunho político em tempos de eleição. Salientamos o crescimento de sujeitos na internet que alcançam a concepção de celebridade virtual e frisamos a crescente ênfase biográfica nos discursos, o que provoca transformações que afetam a subjetividade contemporânea e reconfiguram campos como público x privado e esmaecem o entendimento do que precisa ou não ser compartilhado. Em ocasião das Eleições 2018 e do movimento #EleNão em repúdio ao candidato Jair Bolsonaro, muitos fãs cobraram um posicionamento político de seus ídolos virtuais sobre serem favoráveis ou contrários à campanha. Com vistas a esse cenário, utilizando a pesquisa qualitativa, objetivamos observar a publicação da influenciadora virtual Bruna Vieira, em seu Instagram, para compreender a recepção do seu posicionamento pelos fãs e as consequências geradas pela exposição dessa sua escolha privada, como a perda de muitos inscritos em suas redes de conteúdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Paula Darcie, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)

Radialista, mestra em Comunicação Midiática e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, campus Bauru – SP, Brasil. Integrante do grupo de Pesquisa PCLA - Pensamento Comunicacional Latino-Americano. 

Maicon José de Faria Milanezi, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)

Radialista e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Unesp. 

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.
BAYM, Nancy K. Fãs ou amigos? Enxergando a mídia social como fazem os músicos. Matrizes nº1, São Paulo, 2013.
BRAGA, José Luiz. Circuitos versos campos sociais. In: MATOS, Maria Ângela; JANOTTI JUNIOR, Jeder; JACKS, Nilda Aparecida. Mediação e Midiatização: Livro Compós 2012. Salvador/Brasília: UFBA/COMPÓS, 2012. p. 31-52.
BRAGA, José Luiz. Midiatização como processo interacional de referência. In: E-COMPÓS, 16., 2006. Anais. Bauru, Unesp, 2006.
CAMPANELLA, Bruno; NANTES, Joana d'Arc; FERNANDES, Paula. Criando intimidade, recebendo visibilidade: novas práticas de persuasão na economia da fama. Comunicação, Mídia e Consumo, Vol. 15, 2018.
CARREIRA, K. Youtuber e conteúdo audiovisual propagável, 2015. Disponível em http://www.labcomdata.com.br/wp-content/uploads/2015/12/CarreiraKCPaperVersa%CC%83oFinal.pdf Acesso em 12 de janeiro de 2016.
FREIRE, Fernanda. Eleições da Zueira: Memes, humor e política nas eleições presidenciais de 2014. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, 2016.
HJARVARD, Stig. Midiatização: teorizando a mídia como agente de mudança social e cultural. Matrizes, v. 5, n. 2, 2012.
HJARVARD, Stig. Midiatização: conceituando a mudança social e cultural. Matrizes, v. 8, n. 1, 2014a.
HJARVARD, Stig. A midiatização da cultura e da sociedade. São Leopoldo: Unisinos, 2014b.
LEMOS, André. A arte da vida: diários pessoais e webcams na Internet. XI COMPÓS. Rio de Janeiro: ECO/UFRJ, 2002.
LEMOS, André. Ciberativismo. 2003. Disponível em: < https://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/lemos/ciberativismo.pdf>. Acessado em: 12 out. 2018.
LEMOS, A. Cibercultura. Tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2010.
MARWICK, Alice; BOYD, Danah. To see and be seen: celebrity practice on Twitter. Convergence. 1.7, 2011.

ROSSETTO, Graça Penha Nascimento. Fazendo política no TWITTER: como os efeitos estimados das mensagens influenciam as ações e os usos da plataforma. 2014. Tese (doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Comunicação.
PRIMO, A. Existem celebridades da e na blogosfera? Reputação e renome em blogs. In: XVIII Encontro Anual da Compós, 2009, Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: Puc Minas, 2009.
SIBILIA, Paula. A intimidade escancarada na rede: blogs e webcams subvertem a oposição público/privado. Intercom 2003 – XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Anais XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Belo Horizonte, 2003.
SIBILIA, Paula. Celebridade para todos: um antídoto contra a solidão? In. Ciência e Cultura, volume 62, n.2. São Paulo, 2010.
WESCHENFELDER, A. Transformações da expert em celebridade: O caso Camila Coelho. In: III Colóquio Semiótica das Mídias - Pentálogo V Dicotomia Público/Privado: Estamos no caminho certo? Japaratinga. Anais do Colóquio Semiótica das Mídias. Japaratinga: CISECO, 2014.
Publicado
2019-10-17
Como Citar
Darcie, M., & Milanezi, M. J. (2019). “Blogueirinha rica não entende de Brasil”: cobrança pelo posicionamento político e manifestações de influenciadores na internet. Revista Extraprensa, 12, 274-289. https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.152260
Seção
GT1 - Produção, circulação e fruição de bens culturais