Mapeamento participativo digital e direito à cidade

  • Elena Maria Rezende Universidade São Caetano do Sul
  • Alan César Belo Angeluci Universidade Municipal de São Caetano do Sul
Palavras-chave: Cidade, Literacias de Mídias e Informação, Mapeamento participativo digital

Resumo

Nas cidades travam-se grandes conflitos urbano-ambientais, fazendo repercutir igualmente grandes disputas por narrativas em territórios informacionais. Este estudo aborda o fenômeno sociocomunicativo com foco em suas literacias de mídia e informação com jovens moradores do Núcleo Pintassilva, uma favela localizada dentro de um parque natural municipal em Santo André (SP), e tem por objetivo compreender como o mapeamento participativo digital pode articular de modo interdisciplinar os conceitos de direito à cidade, de literacias midiáticas e informacionais e a cartografia social. O processo de desenvolvimento como educação informal se mostrou promissor como metodologia ao promover a conciliação entre as literacias de mídia e informação como as percepções socioambientais no contexto de conflitos urbano-ambientais. Permitiu dialogar com as potencialidades entre direito à cidade para compreender o direito à cidadania digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elena Maria Rezende, Universidade São Caetano do Sul

Mestranda em Inovação na Comunicação de Interesse Público da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS).

Alan César Belo Angeluci, Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Professor Doutor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul.

Referências

ACSELRAD, Henri (org.). Cartografia social, terra e território. Rio de Janeiro: UFRJ, 2013. (Coleção Território, Ambiente e Conflitos Sociais).

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2011.

CAPOBIANCO, Ligia. Comunicação e literacia digital na internet: estudo etnográfico e análise exploratória de dados do Programa de Inclusão Digital AcessaSP – PONLINE. 2010. Dissertação (Mestrado em Interfaces Sociais da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

CETIC.BR. TIC Domicílios 2017. São Paulo, 2017. Disponível em: http://bit.ly/2sSC4Hd. Acesso em: 21 ago. 2019.

ESHET-ALKALAI, Yoram. Digital literacy: A Conceptual Framework for Survival skills in the Digital Era. Journal of Educational Multimedia and Hypermedia, Waynesville, v. 13, n. 1, p. 93-106, 2004.

FLORIDI, Luciano. The fourth revolution: how the infosphere is reshaping human reality. London: Oxford University Press, 2014.

FÓRUM SOCIAL MUNDIAL POLICÊNTRICO. Carta Mundial pelo Direito à Cidade. [S. l.], 2006. Disponível em: http://bit.ly/37GYn1C. Acesso em: 10 set. 2019.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Tradução Flávio Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997. 2 v.

HARVEY, David. Rebel cities: from the right to the city to the urban revolution. London: Verso, 2012.

JONAS, Hans. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Tradução Marijane Lisboa e Luiz Barros Montez. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

LEFEBVRE, Henri. O Direito à cidade. Tradução Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Centauro, 2001.

LEMOS, André. Locative media in Brazil. Wi: Journal of Mobile Media, Toronto, Summer, 2009.

LEMOS, André. Mídias locativas e territórios informacionais. In: ARANTES, Priscila; SANTAELLA, Lucia (org.). Estéticas tecnológicas: novos modos de sentir. São Paulo: PUC, 2007. Disponível em: http://bit.ly/39J78df. Acesso em: 22 dez. 2019.

LUSSAULT, Michel. La ville clarifiée: essai d’analyse de quelques usages carto- et iconographiques en oeuvre dans le projet urbain. In: CAMBRÉZY, Luc; DE MAXIMY, René (ed.). La cartographie en débat: représenter ou convaincre. Paris: Karthala – Orstom, 1995. p. 157-195.

MARTIN-BARBERO, Jésus. Dos meios às mediações. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003.

MARICATO, Erminia. As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias. In: ARANTES, Otilia; VAINER, Carlos; MARICATO, Erminia. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2002.

MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem: understanding media. Tradução Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix, 2001.

MORIN, Edgar. O método. Porto Alegre: Sulina, 2005. 6 v.

PASSARELLI, Brasilina; JUNQUEIRA, Antonio Hélio. Gerações Interativas Brasil: crianças e adolescentes diante das telas. São Paulo: Escola do Futuro, 2012.

PINHO, Talita Guimarães Fonseca de; GIRARDI, Giseli. Construção de proposta metodológica para mapeamento participativo de mobilidade urbana: estudo no “território do bem” – bairro São Benedito – Vitória/ES. Revista da ANPEGE, [S. l.], v. 11, n. 16, p. 241-277, 2017. Disponível em: http://bit.ly/302cwnq. Acesso em: 22 dez. 2019.

PRENSKY, Marc. Digital natives, digital immigrants. On the Horizon, Bradford, v. 9, n. 5, p. 2-6, out. 2001.

VAN DEURSEN, Alexander Johannes Aloysius Maria. Internet skills: vital assets in an information society. 2010 Thesis (Doctorate in Social Sciences and Technology) – University of Twente, Twente, 2010.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Rezende, E., & Angeluci, A. (2019). Mapeamento participativo digital e direito à cidade. Revista Extraprensa, 13(1), 114-128. https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.162763