A necropolítica neoliberal de encontro ao nomadismo: uma corpografia dos povos errantes na Bahia, no contexto do bolsonarismo no Brasil

  • Hanna Cláudia Freitas Rodrigues Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Jonas de Jesus Pinheiro Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Palavras-chave: Necropolítica Neoliberal, Cultura Nômade, Bolsonarismo

Resumo

Este artigo ampara-se na investigação teórica acerca da necropolítica neoliberal quando de encontro ao nomadismo. A interpretação da política neoliberal como trabalho para a morte e da soberania como a expressão do direito de matar ganha dimensão material a partir de uma análise sociológica das práticas culturais e transformações das cidades contemporâneas: trata-se de uma breve corpografia (cartografia realizada pelo corpo) dos povos errantes no território da Bahia e da análise de suas conjecturas econômico-sociais quando do advento do bolsonarismo, a fim de desvelar a violência empunhada pelo Estado sobre três atores sociais representantes do nomadismo: o peregrino (romeiro religioso a cidade de Bom Jesus da Lapa, oeste do estado), o originário (comunidade remanescente indígena Ribeirão dos Paneleiros, na cidade de Vitória da Conquista, região sudoeste), e o andarilho (em situação de rua na capital baiana: Salvador).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hanna Cláudia Freitas Rodrigues, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Graduada em Direito pela Faculdade Social da Bahia, especializada em Filosofia Contemporânea pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), e mestre em Comunicação, Mídia e Formatos Narrativos pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Jonas de Jesus Pinheiro, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Graduado em Comunicação – Jornalismo pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e mestre em Comunicação, Mídia e Formatos Narrativos pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Referências

ALENCAR, Itana. Com a capital mais negra do país, Bahia ganha aplicativo gratuito para registro de denúncias contra racismo e intolerância religiosa. G1 Bahia, Salvador, 19 nov 2018. Disponível em: https://glo.bo/2O9mUVL. Acesso em: 23 out. 2018.

ARTAUD, Antonin. Escritos de Antonin Artaud. Porto Alegre: L&PM, 1982.

ASSARÉ, Patativa do. Inspiração nordestina. São Paulo: Hedra, 2003.

ATLAS da Violência 2019. Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2GxoP1V. Acesso em: 12 jul. 2019.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Óbitos por suicídio entre adolescentes e jovens negros 2012 a 2016. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018.

CHAUI, Marilena. Cultura do povo e autoritarismo das elites. In: VALLE, Edênio; QUEIRÓZ, José (org.). A cultura do povo. São Paulo: Educ, 1982. p. 119-134.

AS GUERRAS da conquista. Produção: Luiz Bolognesi. Rio de Janeiro: Curta!, 2018. 1 vídeo (27 min). Série Guerras do Brasil.doc. Disponível em: https://bit.ly/2NXtY7z. Acesso em: 24 jan. 2020.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica, Rio de Janeiro, n. 37, 2017.

JACQUES, Paola B. Corpografias urbanas. Vitruvius, São Paulo, ano 8, 2008.

JACQUES, Paola B. Elogio aos errantes. Salvador: Edufba, 2012.

JACQUES, Paola B. Elogia ao errantes. In: JEUDY, Henri Pierre; JACQUES, Paola B. (org.). Corpos e cenários urbanos: territórios urbanos e políticas culturais. Salvador: Edufba, 2006. p. 117-140. Disponível em: https://bit.ly/2S5GVh9. Acesso em: 27 jan. 2020.

KALIL, Isabela Oliveira (coord.). Quem são e no que acreditam os eleitores de Jair Bolsonaro? São Paulo: Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, 2018.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

FRANCO, Marielle. UPP – A redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Administração e Ciências Contábeis, Universidade Federal Fluminense do Rio de Janeiro, Niterói, 2014.

LEFEBVRE, Henri. Critique de la vie quotidienne. Paris: L’Arche, 1961. 3 v.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. 3. ed. São Paulo: N-1, 2018.

MUNIZ, Tailane. Homens e negros são a maioria da população de rua de Salvador. Correio, Salvador, 26 abr. 2017. Disponível em: https://glo.bo/36xoZRr. Acesso em: 13 dez. 2019.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

SOUSA, Maria Aparecida Silva de. A Conquista do Sertão da Ressaca: povoamento e posse da terra no interior da Bahia. Vitória da Conquista: Edições Uesb, 2001.

TUPINAMBÁ, Casé Angatu Xukutu. Nós não somos donos da terra, nós somos a terra. [Entrevista cedida a] Ricardo Machado. IHU on-line, São Leopoldo, n. 527, 27 ago. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2Rp1Nkg. Acesso em: 27 ago. 2018.

VILLAS BÔAS, Bruno; SARAIVA. Alessandra. População com mais de 65 aumenta 26% em 6 anos. Valor Ecônomico, São Paulo, 23 maio 2019. Disponível em: https://glo.bo/2RPs75Y. Acsso em: 27 jan. 2020.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Rodrigues, H., & Pinheiro, J. (2019). A necropolítica neoliberal de encontro ao nomadismo: uma corpografia dos povos errantes na Bahia, no contexto do bolsonarismo no Brasil. Revista Extraprensa, 13(1), 241-261. https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.163215