Ditadura recalcitrante? A morte do reitor da UFSC Prof. Dr. Luiz Carlos Cancellier de Olivo, sob a ótica dos direitos da personalidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2020.164753

Palavras-chave:

Governança, Mídia, Direito à Imagem, Dignidade Humana

Resumo

Este artigo, motivado pela morte do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), pretendeu propiciar um debate em torno dos conceitos de governança, governabilidade e a situação jurídica (e social) atual, para que posteriormente, fosse analisado qual o impacto que esses elementos tiveram no caso analisado. Constatou-se através da metodologia hipotético-dedutiva que embora a Constituição Federal tenha sido promulgada em 1988 e se vigore (em tese) um estado democrático de direito, o modo de governança atual está se assemelhando à de um estado ditatorial, uma vez que normas penais e civis (incluindo as que versam sobre os direitos da personalidade) são desrespeitadas e o princípio da dignidade humana é suprimido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Negri Soares, Centro Universitário de Maringá

Orientador e pesquisador pelo Instituto Cesumar de Ciências, Tecnologia e Inovação. Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Fez pós-doutorado pela Universidade Nove de Julho, São Paulo e também pela Universidade de São Paulo. Especialista pela Universidade Mackenzie, São Paulo. Cursou extensão universitária em Harvard, Berckeley e MIT, nos Estados Unidos da América. Professor Titular Visitante na Universidade de Coventry, Inglaterra – Faculdade de Direito, Administração e Negócios, Programa de pós-graduação. Professor de Direito do Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário de Maringá.

Isabela Brasil, Centro Universitário de Maringá

Graduada pelo Unicesumar. Mestranda em Ciências Jurídicas pelo Unicesumar.

Ellaysse Braga, Centro Universitário de Maringá

Graduada pelo Unicesumar. Mestranda em Ciências Jurídicas pelo Unicesumar.

Referências

BITTAR, Carlos Alberto. Os direitos da personalidade. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

BORGES, José Ferreira. Crise, ataraxia e experiência. Eito Fora, Trás-os-Montes, n. 11, 2000. Disponível em: https://bit.ly/2M56qwc. Acesso em: 27 maio 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental 153. Relator Ministro Eros Grau. Brasília, DF: STF, 28 abr. 2010. Disponível em: https://bit.ly/36AThEA. Acesso em: 27 maio 2020.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

CUNHA, Alexandre dos Santos. A normatividade da pessoa humana: o estudo jurídico da personalidade e o Código Civil de 2002. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil. 27. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. v. 2.

GUIMARÃES, Carlos Antonio Fragoso. Sócrates e a descoberta de que o homem é a sua psychê. [S. l.: s. n.], 2001. Disponível em: https://bit.ly/3eBCT9W. Acesso em: 28 maio 2020.

KOSHIBA, Luiz. História: origem, estruturas e processos. São Paulo: Atual, 2000.

LOCKE, John. Ensayo sobre el entendimiento humano. México, DF: Fondo de Cultura Económica, 1986.

MAGEE, Bryan. História da filosofia. São Paulo: Loyola, 1999.

MALUF, Carlos Alberto Dabus; MALUF, Adriana Caldas do Rego Freitas Dabus. Introdução do direito civil. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

RELATOS de um advogado na ditadura: Antônio Carlos da Gama Barandier. Revista Brasileira de Ciências Criminais, São Paulo, n. 19, p. 417-421, 1997.

SCHREIBER, Anderson. Direitos da personalidade. São Paulo: Atlas, 2011.

TEPEDINO, Gustavo. Novas formas de entidades familiares: efeitos do casamento e da família não fundada no matrimônio. In: TEPEDINO, Gustavo. Temas de Direito Civil. 3. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2004. p. 384-386.

Downloads

Publicado

2020-07-20

Como Citar

Soares, M. N., Brasil, I., & Braga, E. (2020). Ditadura recalcitrante? A morte do reitor da UFSC Prof. Dr. Luiz Carlos Cancellier de Olivo, sob a ótica dos direitos da personalidade. Revista Extraprensa, 13(2), 60-73. https://doi.org/10.11606/extraprensa2020.164753