O potencial das redes culturais: entrevista com Manuel Gama

Palavras-chave: Redes Culturais, Políticas Públicas, Produção Cultural

Resumo

Entendida como um fundamento próprio da vida coletiva ou social, a ideia de rede pode ser caracterizada, de maneira geral, como um sistema comunicativo e informacional capaz de dinamizar as ações e interações entre indivíduos, grupos, instituições, cidades e países. Apesar de ser uma tecnologia com potencial ambivalente, uma vez que qualquer agente social pode utilizá-la, é seu uso no campo da produção cultural que tem levado governos e agências internacionais a incentivarem o chamado trabalho em rede. As potencialidades de inclusão, participação democrática e benefício mútuo têm sido algumas das justificativas para o incentivo a essa prática sistêmica. Manuel Gama propõe que no trabalho em rede o indivíduo afeta e é afetado, é sujeito e é sujeitado. Nesta entrevista, essa noção de rede reflete o modo como Gama identificou seus estudos com iniciativas que ocorriam em Portugal e, depois, em outros países. A descoberta do modo de operação de uma rede cultural parece ser seu grande trunfo para compreender as oportunidades e particularidades da cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Roque Silva Junior, Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação

Mestrando em Ciências da Integração da América Latina pelo Programa Integração da América Latina (Prolam), da Universidade de São Paulo (USP). Graduado em Letras na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH/USP). Atualmente, está vinculado ao Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (Celacc), na Escola da Comunicações Artes da USP, participando da linha de pesquisa “Processo de Produção, Circulação e Fruição de Bens Culturais”. Tem experiência de área de gestão e produção cultural.

Karina Poli, Universidade de São Paulo

Pós-doutoranda vinculada ao Departamento de Rádio, Cinema e Televisão da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP) em parceria com a Escola de Engenharia da USP e Queen Mary University of London. Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA/USP. Mestra por essa mesma instituição (2003). Desenvolve pesquisas sobre políticas públicas de cultura, economia criativa, aglomerados urbanos, marketing cultural e turismo.

Referências

BARBEDO, Francisco (coord.). Rede portuguesa de arquivos (RPA): fundamentos para o seu desenvolvimento e gestão. Porto: [s. n.], 2008. (Módulo 1: modelo conceptual).

BRUN, Javier; TEJERO, Joaquín; LEDO, Pedro. Redes culturales. Claves para sobrevivir en la globalización. Madrid: Agencia Española de Cooperación Internacional para el Desarrollo, 2008.

CAMACHO, Clara. A rede portuguesa de museus e os museus com colecções de arqueologia – parâmetros de sustentabilidade. Revista da Faculdade de Letras: Ciências e Técnicas do Património, Porto, v. VII-VIII, p. 107-114, 2002. (I Série).

CARNEIRO, Luís et al. Redes colaborativas de elevado desempenho no Norte de Portugal. Porto: Inesc, 2007.

CARRILHO, Tiago. Conceito de parceria: três projectos locais de promoção do emprego. Análise Social, Lisboa, v. XLIII, n. 1, p. 81-107, 2008.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996. (v. I: A sociedade em rede).

CENTENO, Maria João. As organizações culturais e o espaço público: a experiência da rede nacional de teatros e cineteatros. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal, 2010.

CRISTÓVÃO, Artur et al. (coord.). Uma rede para o futuro? Estudo de avaliação da COMUM – Rede Cultural. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 2006.

FERREIRA, Claudino et al. (coord.). 5 SENTIDOS Estudo sobre a rede de programação cultural. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 2016.

GONZÁLEZ, Javier (coord.). Estudio sobre redes y circuitos de espacios escénicos públicos en España 2006-2010. La red española de teatros, auditorios, circuitos y festivales de titularidad pública. Madrid: Gobierno de España, 2012.

LAACKSONEN, Annamari. D’Art Report 49: International Culture Networks. Strawberry Hills: International Federation of Arts Councils and Culture Agencies, 2016.

OLEIRO, Margarida; HEITOR, Célia. 20 Anos da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas: um balanço (possível) do grau de cumprimento do Programa. ACTAS: Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, Lisboa, n. 10, p. 1-7, 2010.

RUBIM, Antônio, PITOMBO, Mariella; RUBIM, Iuri. Políticas e redes de intercâmbio e cooperação em cultura no âmbito ibero-americano. In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 1., 2005, Salvador. Anais […]. Salvador: Ufba, 2005. p. 1-52.

SANTOS, Maria de Lourdes (coord.). Contribuições para a formulação de políticas públicas no Horizonte 2013 relativas ao tema Cultura, Identidades e Património: relatório final. Lisboa: Observatório das Actividades Culturais, 2005.

SILVA, Augusto. As redes culturais: Balanço e perspectivas da experiência portuguesa, 1987-2003. In: GOMES, Rui Telmo (coord.). Os públicos da cultura (241-283). Lisboa: Observatório das Actividades Culturais, 2004.

SIMÕES, Jorge. Cidades em rede e redes de cidades: o movimento das cidades educadoras. Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus, 2011.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Silva Junior, J., & Poli, K. (2019). O potencial das redes culturais: entrevista com Manuel Gama. Revista Extraprensa, 13(1), 292-305. https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.164988