Portal da USP Portal da USP Portal da USP

A teoria da modernidade de Habermas e a questão do racionalismo ocidental: uma crítica à cegueira e à romantização do racionalismo

Leno Francisco Danner

Resumo


Reconstruirei a compreensão habermasiana dos fundamentos do racionalismo ocidental e sua contraposição às visões míticas de mundo: o racionalismo possibilitaria, devido à sua capacidade de descentração e à sua separação entre natureza, cultura e individualidade, a reflexivização da prática cotidiana e, com isso, a formação de uma consciência moral universalista, que garantiria a fundamentação formalista, universal das normas. A partir disso, defenderei que a posição habermasiana em relação ao racionalismo sofre de uma cegueira histórico-sociológica que, ao atribuir à cultura racionalista europeia superioridade em relação às visões de mundo mitológicas devido à capacidade de universalização daquela, por um lado reforça o sentido colonizador, missionário e messiânico do racionalismo europeu e, por outro, romanticiza o potencial universalista do racionalismo e sua episteme calcada na formalização dos valores. Meu argumento central consiste em que o único caminho que resta ao racionalismo é o voltar-se a uma crítica interna, recusando qualquer intento universalista.


Palavras-chave


Habermas; modernização; racionalismo; cultura europeia; culturas arcaicas

Texto completo:

PDF

Referências


Bhabha, H. K. (1998). O Local da Cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Catroga, F. (2006). Entre Deuses e Césares: Secularização, Laicidade e Religião Civil – Uma Perspectiva Histórica. Coimbra: Edições Almedina.

Danner, L. F. (2014). Um Fundamento para o Ecumenismo: a Irredutibilidade do Outro. Horizonte, Belo Horizonte, 12(33), pp.70-98.

Dubiel, H. (1993). Que es el Neoconservadurismo? Introducción y Traducción de Agapio Maestre. Barcelona: Editorial Anthropos.

Forst, R. (2010). Contextos da Justiça: Filosofia Política para além de Liberalismo e Comunitarismo. Tradução de Denilson Luís Werle. São Paulo: Boitempo.

Habermas, J. (1990). Pensamento Pós-Metafísico: Estudos Filosóficos. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

___________. (1991). La Necesidad de Revisión de la Izquierda. Traducción de Manuel Jiménez Redondo. Madrid: Editorial Tecnos.

___________. (1993). Passado como Futuro. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

___________. (1997). Ensayos Políticos. Traducción de Ramón Garcia Cotarelo. Barcelona: Ediciones Península.

___________. (2001). “El Criticismo Neoconservador de la Cultura en los Estados Unidos y en Alemania Occidental: Un Movimiento Cultural en Dos Culturas Políticas”. In: Giddens, A et al. Habermas y la Modernidad. Traducción de Francisco Rodríguez Martins. Madrid: Ediciones Cátedra.

___________. (2002a). O Discurso Filosófico da Modernidade: Doze Lições. Tradução de Luiz Sérgio Repa e de Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes.

___________. (2002b). A Inclusão do Outro: Estudos de Teoria Política. Tradução de George Sperber e de Paulo Astor Soethe. São Paulo: Loyola.

___________. (2003a). Direito e Democracia: entre Facticidade e Validade (Vol. I). Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

___________. (2003b). Direito e Democracia: entre Facticidade e Validade (Vol. II). Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

___________. (2004). A Ética da Discussão e a Questão da Verdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes.

___________. (2012a). Teoria do Agir Comunicativo: Racionalidade da Ação e Racionalização Social (Vol. I). Tradução de Paulo Astor Soethe. Revisão Técnica de Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: Martins Fontes.

___________. (2012b). Teoria do Agir Comunicativo: sobre a Crítica da Razão Funcionalista (Vol. II). Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: Martins Fontes.

Honneth, A. (2003). Luta por Reconhecimento: a Gramática Moral dos Conflitos Sociais. Tradução de Luiz Repa. São Paulo: Editora 34.

___________. (2007a). Sofrimento de Indeterminação: Uma Reatualização da “Filosofia do Direito” de Hegel. Tradução de Rúrion Soares Melo. São Paulo: Editora Esfera Pública.

___________. (2007b). Reificación: Un Estudio en la Teoría del Reconocimiento. Traducción de Graciela Calderón. Buenos Aires: Katz.

Hunt, L. (2009). A Invenção dos Direitos Humanos: Uma História. Tradução de Rosaura Echenberg. São Paulo: Companhia das Letras.

Rawls, J. (2000) Justiça e Democracia. Tradução de Irene Paternot. São Paulo: Martins Fontes.

___________. (2002). O Liberalismo Político. Tradução de Dinah de Abreu Azevedo. Brasília: Instituto Teotônio Vilela; São Paulo: Editora Ática.

___________. (2003). Justiça como Equidade: Uma Reformulação. Tradução de Cláudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v21i1p45-72

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INDEXADO POR:  Clase; International Philosophical Bibliography - Répertoire bibliographique de la philosophie; Latindex; The Philosopher's Index; Ulrich’s Periodicals Directory. ESTRATO A2 NO QUALIS DA CAPES.