Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Os deveres do erudito: filosofia e oratória em Fichte

Ulisses Razzante Vaccari

Resumo


O artigo procura investigar o papel da oratória na filosofia de Fichte, principalmente nas Preleções sobre o destino do erudito e em Sobre o espírito e a letra na filosofia. Para isso, procura mostrar, num primeiro momento, que a concepção de erudito [Gelehrter] de Fichte é devedora do conceito kantiano de gênio e ao mesmo tempo da concepção de Cícero segundo a qual é dever do erudito, na qualidade de educador, unir às suas qualidades filosóficas também as da oratória. Num segundo momento, o artigo refaz a distinção entre espírito e letra e procura mostrar como a oratória pode ser pensada como uma forma de despertar o espírito do ouvinte por meio de uma teoria da imaginação produtiva.

Palavras-chave


oratória; preleção; ação; espírito; letra.

Texto completo:

PDF

Referências


CÍCERO, M. T. Dos deveres (De officiis). Tradução de Carlos Humberto Gomes. Lisboa: Edições 70, 2000.

___________. Do sumo bem e do sumo mal. Tradução de Carlos Ancêde Nougué. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FICHTE, J. G. A doutrina-da-ciência de 1794. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Editorial, 1988.

___________. Fichte im Gespräch. Stuttgart – Bad Cannstatt: Friedrich Frommann Verlag (Günther Holzbog), 1981, vol.I.

___________. O conceito da doutrina-da-ciência. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Editorial 1988.

___________. O destino do erudito. Tradução de Ricardo Barbosa. São Paulo: Editora Hedra, 2014.

___________. O programa da doutrina-da-ciência. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Editorial 1988.

___________. Sobre o espírito e a letra na filosofia. Tradução de Ulisses Razzante Vaccari. São Paulo: Humanitas/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2015.

___________. Von den Pflichten der Gelehrten. Hamburg: Felix MeinerVerlag, 1971.

HEGEL, G.W.F. Briefe von und an Hegel. HOFFMEISTER, J.(org.). Hamburg: Felix Meiner Verlag, 1952.

KANT, I. Crítica da Faculdade do Juízo. Tradução de António Marques e Valério Rohden. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1998.

PHILONENKO, A. L´oeuvre de Fichte. Paris: Vrin, 1984.

ROSALES, J. R. “Limite e realidade. Os primeiros passos no Sistema do idealismo transcendental”. In: REY PUENTE, F. e ALVES VIEIRA, L. (orgs.) As filosofias de Schelling. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005, pp.113-52.

SCHMIDT, J.Die Geschichte des Genie-Gedankens in der deutschenLiteratur, Philosophie und Politik 1750-1945. Darmstadt: Wissenschafltiche Buchgesellschaft, 1985.

SUZUKI, M.O gênio romântico. Crítica e história da filosofia em Friedrich Schlegel. São Paulo: Iluminuras/Fapesp, 1998.

TORRES FILHO, R. R. O espírito e a letra: crítica da imaginação radical em Fichte. São Paulo: Ática, 1975.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v20i2p87-103

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INDEXADO POR:  Clase; International Philosophical Bibliography - Répertoire bibliographique de la philosophie; Latindex; The Philosopher's Index; Ulrich’s Periodicals Directory. ESTRATO A2 NO QUALIS DA CAPES.