Portal da USP Portal da USP Portal da USP

A questão da teleologia: Kant leitor de Rousseau

Joel Thiago Klein

Resumo


Este artigo analisa a influência da filosofia de Rousseau no desenvolvimento do pensamento kantiano no que se refere à questão do conflito entre natureza e cultura. Sustenta-se que Kant supera aquilo que ele considera como os paradoxos no pensamento de Rousseau através da introdução de uma teoria teleológica no contexto do desenvolvimento histórico da perfectibilidade.


Palavras-chave


Kant; Rousseau; antropologia; mal; teleologia; história

Texto completo:

PDF

Referências


Cassirer, E. (1999). A questão Jean-Jacques Rousseau. Tradução de Erlon José Paschoal e Jézio Gutierre. São Paulo: UNESP.

Kant, I. (1900ff.) Gesammelte Schriften. Hrsg.: Bd. 1-22 Preussische Akademie der Wissenschaften, Bd. 23 Deutsche Akademie der Wissenschaften zu Berlin, ab Bd. 24 Akademie der Wissenschaften zu Göttingen. Berlin.

____________. Vorlesungen Wintersemester 1784/1785 Mrongovius.

____________. (1980). Kritik der reinen Vernunft. Tradução da edição B de Valerio Rohden e Udo Baldur Moosburger. In: Kant I (Coleção os pensadores). São Paulo: Abril Cultural.

____________. (1980). Grundlegung zur Metaphysik der Sitten. Tradução de Paulo Quintela. In: Kant II (Coleção os pensadores). São Paulo: Abril Cultural.

____________. Die Religion innerhalb der Grenzen der bloβen Vernunft. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70.

____________. (1993). Der Streit der Fakultäten. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70.

____________. (2004) Beantwortung der Frage: Was ist Aufklärung? Tradução de Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: Edições 70.

____________. (2004). Idee zu einer allgemeinen Geschichte in weltbürgerlicher Absicht. Tradução de Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: Edições 70.

____________. (2004). Über den Gemeinspruch: Das mag in der Theorie richtig sein, taugt aber nicht für die Praxis. Tradução de Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: Edições 70.

____________. (2004). Zum ewigen Frieden. Tradução de Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: Edições 70.

____________. (2005). Die Metaphysik der Sitten. Tradução de José Lamego. Lisboa: Calouste Gulbenkian.

____________. (2006). Anthropologie in pragmatischer Hinsicht. Tradução de Clélia Aparecida Martins. São Paulo: Iluminuras.

____________. (2009). Muthmaβlicher Anfang der Menchengeschichte. Tradução de Joel Thiago Klein. Ethic@, 8(1), pp.157-168.

____________. (2013). Vorlesungen Wintersemester 1775/1776 Friedländer. Tradução de Fernando M. F. Silva. Estudos Kantianos, Marília, 1(1), pp.255-282.

Klein, J. T. (2012). Kant e a primeira recensão a Herder: comentário, tradução e notas. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), 13, pp.121-147.

____________. (2013a). Kant e a segunda recensão a Herder: comentário, tradução e notas. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), 14, pp.190-214.

____________. (2013b). Die Weltgeschichte im Kontext der Kritik der Urteilskraft. Kant-Studien, 104, pp.188-212.

____________. (2014a). A relação entre ética e direito na filosofia política de Kant. Manuscrito (UNICAMP), 37, pp.161-210.

____________. (2014b). Kant e a Ideia de uma História Universal no Contexto da Crítica da Razão Pura. Analytica (UFRJ), 18, pp.47-81.

____________. (2016). The Highest Good and the Practical Regulative Knowledge in Kants Critique of Practical Reason. Con-Textos Kantianos: International Journal of Philosophy, 3, pp.210-230.

Rousseau, J.-J. (1973a). “Resposta de J.-J. Rousseau ao Rei da Polônia, Duque de Lorena”. Tradução de Lourdes Santos Machado. In: Jean-Jacques Rousseau (Os pensadores). São Paulo: Abril Cultural.

____________. (1973b). Discurso sobre as ciências e as artes. Tradução de Lourdes Santos Machado. In: Jean-Jacques Rousseau (Os pensadores). São Paulo: Abril Cultural.

____________. (1999). O contrato social. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes.

____________. (2011). Œuvres complètes. 5 v. Paris: Gallimard.

____________. (2013). Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Tradução de Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM Pocket.

____________. (2014). Emílio, ou, Da educação. Tradução de Roberto Leal Ferreira. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes.

Santos, L. R. (2014). “Os ‘paradoxos de Rousseau’ explicados pelo professor Kant”. In: Jean-Jaques Rousseau: o homem a obra e o pensamento. K. R. Basilio; L. R. dos Santos; M. J. Almeida. (orgs.). Lisboa: Edições Húmus.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v22i1p51-70

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INDEXADO POR:  International Philosophical Bibliography - Répertoire bibliographique de la philosophie; Latindex; The Philosopher's Index; Ulrich’s Periodicals Directory; REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico). ESTRATO A2 NO QUALIS DA CAPES.