Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Liberdade política e cultura democrática em Hannah Arendt

Yara Frateschi

Resumo


Este artigo analisa o papel desempenhado pelos conselhos revolucionários nas reflexões políticas de Hannah Arendt a partir de Sobre a revolução. Pretendo mostrar que Arendt recorre aos conselhos não para desenhar um modelo de sistema político que substitua o representativo, mas sim para denunciar a restrição da participação nas democracias representativas atuais baseadas no sistema de partidos, em prejuízo tanto do exercício da liberdade política quanto do desenvolvimento de uma cultura democrática.


Palavras-chave


Hannah Arendt; sistema de conselhos; participação; representação; cultura democrática.

Texto completo:

PDF

Referências


Arendt, H. (1958). Totalitarian Imperialism: reflections on the Hungarian Revolution. The journal of politics, 20(1), pp.5-43.

___________. (1973). Crises da república. São Paulo: Editora Perspectiva.

___________. (2004). As origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras.

___________. (2009a). Da violência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

___________. (2009b). “Introdução na Política”. In: A promessa da política. Rio de Janeiro: Difel.

___________. (2010). A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

___________. (2011). Sobre a revolução. São Paulo: Companhia das Letras.

Benhabib. S. (1966). The reluctant modernism of Hannah Arendt. Boston: Rowman & Littlefield Publishers.

___________. (2002). “Models of public space: Hannah Arendt, the liberal tradition and Jürgen Habermas”. In: Situating the self, Gender, community and postmodernism in contemporary ethics. New York: Routledge.

Bignotto, N. (2011). Hannah Arendt e a Revolução Francesa. O Que nos Faz Pensar (PUCRJ), 29, pp.41-58.

Brito, R.R. (2013). Direito e política na filosofia de Hannah Arendt. Tese de doutorado, IFCH, Departamento de Filosofia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Canovan, M. (1978). The contradictions of Hannah Arendt Political Thought. Political Theory 6(1), pp.5-26.

___________. (1992). Hannah Arendt: a reinterpretation of her political thought. Cambridge: Cambridge University Press.

Correia, A. (2014). Hannah Arendt e a modernidade: política, economia e a disputa por uma fronteira. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Duarte, A. (2000). O pensamento à sombra da ruptura. São Paulo: Paz e Terra.

Habermas, J. (1995). Três modelos normativos de democracia. Lua Nova, 36, pp.39-53.

Sitton, F. J. (1987). Hannah Arendt’s argument for council democracy. Polity, 20(1), pp.80-100.

Sternberger, D. (1977). The sunken city: Hannah Arendt’s idea of politics. Social research, 44(1), pp.132-146.

Wellmer, A. (1999). Hannah Arendt on Revolution. Revue Internationale de Philosophie, 53(208), pp.207-22.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v21i3p29-50

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INDEXADO POR:  Clase; International Philosophical Bibliography - Répertoire bibliographique de la philosophie; Latindex; The Philosopher's Index; Ulrich’s Periodicals Directory. ESTRATO A2 NO QUALIS DA CAPES.