Criticar e obedecer versus mordaça e desobediência: críticas de Kant a Hobbes

  • Delamar Volpato Dutra Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Hobbes, Kant, liberdade de expressão

Resumo

O texto compara os posicionamentos de Hobbes e de Kant com relação à liberdade de expressão. Hobbes temeu pelos efeitos desestabilizadores de tal liberdade, ao passo que Kant a definiu como a mais inocente das liberdades, por isso, pode mobilizá-la contra os atos do soberano, pois que despida de poder para desafiá-lo. A expressão dos pensamentos não passaria de um apelo ao soberano para reformar a lei. O texto destaca, ainda, que as razões para Hobbes defender a censura são de ordem pública e não a errância das doutrinas proibidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agamben, G. (2004). Estado de exceção. [I. D. Poleti: Stato direitos eccezione]. São Paulo: Boitempo.

Bentham, J. (1838-1843) Essay on the Influence of Time and Place in Matters of Legislation [1780]. In: The Works of Jeremy Bentham. 11 v.; V. 1. Edinburgh: William Tait.

Grotius, H. (2001). On the Law of War and Peace [De jure belii ac pacis (1625)]. Translated by A. C. Campbell. Botoche: Ontario.

Habermas, J. (1997). Direito e democracia: entre faticidade e validade. [v. I]. [Faktizität und Geltung: Beiträge zur Diskurstheorie des Rechts und des demokratischen Rechtsstaats]. Tradução de F. B. Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Hart, H. L. A. (1955). Are There Any Natural Rights? The Philosophical Review, 64(2), pp.175-191.

Hobbes, T. (1928). The Elements of Law Natural and Politic. Cambridge: Cambridge University Press.

____________. (1968). Leviathan, or Matter, Form, and Power of a Commonwealth Ecclesiastical and Civil. Edited by C.B. Macpherson. London: Penguin.

____________. (1979). Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. [Leviathan, or Matter, Form, and Power of a Commonwealth Ecclesiastical and Civil]. Tradução de J. P. Monteiro e M.B.N. da Silva. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural.

____________. (1998). Do cidadão. [Philosophical Rudiments Concerning Government and Society (1651)]. Tradução de R. J. Ribeiro. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes.

____________. (2010) Leviathan: sive de materia, forma, et potestate civitatis ecclesiasticae et civilis [1668]. [Thomæ Hobbes Malmesburiensis Opera Philosophica Quæ Latine Scripsit Omnia, Volume 3]. Ed. William Molesworth. Charleston: Nabu Press.

Kant, I. (s/d). Sobre a expressão corrente: isso pode ser correcto na teoria, mas nada vale na prática. Tradução de Artur Morão. Covilhã: Lusofia Press.

____________. (1911). Kant’s gesammelte Schiriften/Kant’s Werke. (28 vs.). (Preussischen Akademie der Wissenschaten). Berlin: Reimer.

____________. (1997). Sobre um suposto direito de mentir. Tradução de Artur Morão. Covilhã: Lusofia Press.

____________. (2005). A metafísica dos costumes [1797]. Tradução de J. Lamego. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

____________. (2008). A paz perpétua: um projeto filosófico. Tradução de Artur Morão. Covilhã: Lusofia Press.

____________. (2014). Princípios metafísicos da doutrina do direito. [Metaphysische Anfangsgründe der Rechtlehre]. Tradução de J. Beckenkamp São Paulo: Martins Fontes.

Mulholland, L. A. (1990). Kant's System of Rights. New York: Columbia University Press.

O’Neill, O. (2010). Toleration, Self-Expression and Communication. Lecture delivered at the University of York and at St John’s College, 31-10-2010, unpublished.

Oakeshott, M. (2000). Hobbes on Civil Association. Indianapolis: Liberty Fund.

Pettit, P. (2008). Made with Words: Hobbes on Language, Mind, and Politics. Princeton and Oxford: Princeton University Press.

Rawls, J. (1999). A Theory of Justice. [Revised Edition]. Oxford: Oxford University Press.

Schmitt, C. (2004). El Leviathan en la teoría del estado de Tomas Hobbes [1938]. Tradução de F. J. Conde. Granada: Comares.

Slomp, G. (2007). Kant against Hobbes: Reasoning and Rhetoric. Journal of Moral Philosophy, 4(2), pp.207-222

____________. (2010). The Liberal Slip of Thomas Hobbes’s Authoritarian Pen. Critical Review of International Social and Political Philosophy, 13(2), pp.357-369.

Volpato Dutra, D.J. (2011). Grotius: pré-história da teoria kantiana da virtude. Dissertatio, 33, pp.439-453.

Waldron, J. (1995-1996). Kant's Legal Positivism. Harvard Law Review, 109, pp.1535-1566.

Warrender, H. (1957). The Political Philosophy of Hobbes. Oxford: Oxford University Press.

Williams, H. (2003). Kant’s Critique of Hobbes. Cardiff: University of Wales Press.

Publicado
2017-12-20
Como Citar
Dutra, D. (2017). Criticar e obedecer versus mordaça e desobediência: críticas de Kant a Hobbes. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 22(4), 43-61. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v22i4p43-61
Seção
Artigos