Seria Nietzsche um heideggeriano? Uma resposta a Vinicius Figueiredo

  • Fernando Costa Mattos Universidade Federal do ABC
Palavras-chave: Nietzsche, Kant, Heidegger, verdade, ser

Resumo

O texto se constitui como uma resposta ao artigo de Vinicius Figueiredo "Seria Nietzsche um kantiano?", publicado nestes mesmos Cadernos de Filosofia Alemã (v.20, n.1), o qual, por seu turno, resenha criticamente o meu livro Nietzsche, perspectivismo e democracia: um espírito livre em guerra contra o dogmatismo (Saraiva, 2013). Em linhas gerais, procuro mostrar que, se Nietzsche não for interpretado como um continuador do projeto crítico kantiano, de matriz iluminista, ele acaba por aproximar-se, também no que diz respeito à compreensão da verdade, daquelas filosofias que, por oposição à epistemologia predominante no Ocidente, buscam um acesso direto ao ser - caso da filosofia heideggeriana, que poderia ser vista como o ponto culminante de uma tradição que começa com os românticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Derrida, J. (1978). Eperons. Les styles de Nietzsche. Paris: Flammarion.

Figueiredo, V. (2015). Seria Nietzsche um kantiano? Cadernos de Filosofia Alemã: Crítica e Modernidade, 20(1), pp.51-72.

Gerhardt, V. (1989). Die Perspektive des Perspektivismus. Nietzsche-Studien, 18, pp.260-281.

Giacoia Jr., O. (2012). Nietzsche X Kant: uma disputa permanente a respeito de liberdade, autonomia e dever. Rio de Janeiro: Casa da palavra.

Gori, P. e Stellino, P. (2014). O perspectivismo moral nietzschiano. Cadernos Nietzsche, 34(I), pp.101-129.

Heidegger, M. (2007). Nietzsche, vol. I. Tradução de Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense.

____________. (2005). Ser e tempo, vol. I. Tradução de Márcia Cavalcanti Schuback. Petrópolis: Vozes.

Mattos, F. C. (2013). Nietzsche, perspectivismo e democracia: um espírito livre em guerra contra o dogmatismo. São Paulo: Saraiva.

Müller-Lauter, W. (2009). Nietzsche - sua filosofia dos antagonismos e os antagonismos de sua filosofia. Tradução de Clademir Araldi. São Paulo: Ed. Unifesp.

Nietzsche, F. (2001). A gaia ciência. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras.

____________. (2005). Além do bem e do mal. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras (Cia. de Bolso).

____________. (1998). Assim falou Zaratustra. Tradução de Mário da Silva. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

____________. (2006). Crepúsculo dos ídolos. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras.

____________. (2003). Ecce Homo. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras.

____________. (1983). Obras incompletas. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural (coleção "Os Pensadores").

Taylor, C. (2011). A ética da autenticidade. Tradução de Talyta Carvalho. São Paulo: É Realizações.

Publicado
2017-06-30
Como Citar
Mattos, F. (2017). Seria Nietzsche um heideggeriano? Uma resposta a Vinicius Figueiredo. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 22(1), 99-113. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v22i1p99-113
Seção
Artigos