Reflexão e normativismo em Kant

Palavras-chave: normativismo, idealismo, realismo, reflexão, política

Resumo

O artigo tem como objetivo colocar em questão o normativismo de Kant, tomando como ponto de partida as críticas de Bernard Williams e Raymond Geuss à perspectiva normativa em filosofia política, e discutindo duas interpretações normativas de Kant, uma delas apresentada por J-F Kervégan e outra por J. Waldron. A ideia está em ressaltar a dimensão reflexionante do idealismo político kantiano, seus elementos metafísicos, mas apontando para o seu vínculo com o plano histórico da política real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Os textos de Kant são citados sempre na edição da Academia, indicando o volume e página. As abreviações correspondem à KrV para a Crítica da Razão Pura, GMS para a Fundamentação à Metafísica dos Costumes, ZeW para À Paz Perpétua, MdS para Metafísica dos Costumes, EE para Primeira Introdução à Crítica do Juízo. As traduções utilizadas foram:

Kant, I. (2009). Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Tradução de Guido de Almeida. São Paulo: Barcarolla.

____________. (2012). Crítica da Razão Pura. Tradução de Fernando Costa Mattos. Petrópolis: Vozes.

____________. (2013). Metafísica dos Costumes. Tradução de Clélia Martins. Petrópolis: Vozes.

Demais referências bibliográficas citadas:

Calori, F. (2015). “‘Lautdenken’: a transparência em Kant”. In: Limongi, M. I., de Figueiredo, V, & Repa, L. O público e suas formas. São Paulo: Barcarolla.

Geuss, R. (2005). Outside Ethics. Princeton: Princeton University Press.

Greene, R. A. (2015). Thomas Hobbes and the Term “Right Reason”: Participation to Calculation. History of European Ideas, 41(8), pp.997-1028.

Henrich, D. (2009). O que é metafísica? – o que é modernidade? Doze teses contra Jürgen Habermas. Tradução de Fernando Costa Mattos. Cadernos de Filosofia Alemã, 14, pp.83-117.

Hobbes, T. (1997). Leviathan. Cambridge: Cambridge University Press.

Kervégan, J-F. (2015). La raison des normes: essai sur Kant. Paris: Vrin.

Koselleck, R. (1973). Kritik und Krise. Frankfurt am Main: Suhrkampf

Pascal, B. (1984). “Pensamentos”. In: Obras Escolhidas. Tradução de Sérgio Milliet. São Paulo: Abril.

Peres, D. T. (2004). Kant: metafísica e política. São Paulo/Salvador: UNESP/EdUFBA.

Peres, D. T. (2004b). Direito, história e esquematismo prático. Discurso, 34, pp.109-124.

Sänger, M. (1982). Die kategoriale Systematik in der “Metaphysichen Anfangsgründen der Rechtslehre”. Berlin: De Gruyter.

Strauss, L. (1953). Natural Right and History. Chicago: Chicago University Press.

Taylor, C. (1989). Sources of the Self: Making of the Modern Identity. Cambridge: Cambridge University Press.

Waldron, J. (1996). Kant's Legal Positivism. Harvard Law Review, 109(7), pp.1535-1566.

Williams. B. (2005). In the beginning was the deed – realism and moralism in political argument. Princeton: Princeton University Press.

Publicado
2017-12-20
Como Citar
Peres, D. (2017). Reflexão e normativismo em Kant. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 22(4), 103-113. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v22i4p103-113
Seção
Artigos