Pensador Republicano ou Nacionalista Revolucionário? Rousseau nas lentes de Schmitt e Arendt

  • Raphael Neves Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: poder constituinte, Rousseau, Hannah Arendt, Carl Schmitt, democracia

Resumo

Carl Schmitt e Hannah Arendt têm visões opostas em relação às revoluções e à constituição, porém ambos convergem em uma leitura reducionista de Rousseau. O propósito deste trabalho é mostrar como a leitura de Rousseau, de Sieyès e do poder constituinte que Schmitt faz em sua Verfassungslehre (teoria da constituição) de algum modo se encontra com a interpretação que a própria Arendt tem da Revolução Francesa, ainda que ela apresente uma resposta diferente ao “paradoxo da constituição”. Ao final, uma leitura que aponte para as ambivalências de Rousseau permite desfazer algumas distorções e recuperar um pouco o sentido republicano de sua filosofia política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arendt, H. (2000). A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

___________. (2011). Sobre a revolução. São Paulo: Companhia das Letras.

Benhabib, S. (1992). “The generalized and the concrete other: the Kholberg-Gilligan controversy and moral theory”. In: Situating the self. Gender, community and postmodernism in contemporary ethics. Nova York: Routledge.

Bignotto, N. (2008). Soberania e exceção no pensamento de Carl Schmitt. Kriterion, 49(118), pp.401–15.

Bodziak Jr., P. (2014). A construção política da identidade: um desafio feminista à distinção entre político e social. Cadernos de Filosofia Alemã, 19(1), pp.85–104.

Habermas, J. (1997). Direito e democracia entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Pateman, C. (1992). Participação e teoria democrática. São Paulo: Paz e Terra.

Rousseau, J.J. (1995). Emílio ou da educação. São Paulo: Martins Fontes.

____________. (2011). Do contrato social ou princípios do direito político. São Paulo: Penguin Classics, Companhia das Letras.

Scheuerman, W. (1998). Hannah Arendt’s challenge to Carl Schmitt. In: Dyzenhaus, D. (org.). Law as politics: Carl Schmitt’s critique of liberalism. Durham: Duke University Press.

Schmitt, C. (1928). Verfassungslehre. München, Leipzig: Duncker & Humblot.

___________. (1992). O conceito do politico. Petrópolis: Vozes.

___________. (2007). Constitutional theory. Durham: Duke University Press.

Sieyès, E. (2002). Qu’est-ce que le Tiers État? Paris: Éditions du Boucher. [E-book versão PDF]. Recuperado de: http://leboucher.com/pdf/sieyes/tiers.pdf. Acesso em 25 ago. 2016.

Publicado
2017-11-01
Como Citar
Neves, R. (2017). Pensador Republicano ou Nacionalista Revolucionário? Rousseau nas lentes de Schmitt e Arendt. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 22(3), 77-89. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v22i3p77-89
Seção
Artigos