Meu caminho para Heidegger. Ou: a metafísica e o apelo da questão do ser

  • Fernando Costa Mattos Universidade Federal do ABC
Palavras-chave: Kant, Nietzsche, Heidegger, metafísica, ontologia

Resumo

Este artigo retraça um caminho de pesquisa na filosofia alemã, o qual passa por Kant, Nietzsche e, depois de um desvio pela controvérsia entre Habermas e Dieter Henrich nos anos 1980, desemboca em Heidegger. O foco da reflexão é a questão da metafísica, ou, mais especificamente, o modo como o problema da metafísica é enfrentado por cada um desses autores. Se, em Kant, a metafísica deixa de ser um discurso sobre objetos e passa a tratar de ideias (as quais, em todo caso, podem ainda ser objetos de crença), em Nietzsche ela seria, enquanto cosmologia, concebida por oposição à visão cristã de mundo, mas também sem afirmar objetos propriamente ditos. O assunto é retomado na cena contemporânea por Dieter Henrich, que se contrapõe à ideia habermasiana de um pensamento pós-metafísico e aponta para a necessidade de reavivar o campo da metafísica em linha com o que alguns autores teriam feito no século XX - notadamente Martin Heidegger, para quem a ontologia demanda uma nova linguagem, capaz de exprimir o ser enquanto tal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Freuler, L. (1992). Kant et la métaphysique spéculative. Paris: Vrin.
Giacoia Jr. (2012). O. Nietzsche versus Kant: uma disputa permanente a respeito de liberdade, autonomia e dever. Rio de Janeiro: Casa do Saber.
Habermas, J. (1990). Pensamento pós-metafísico: estudos filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
Heidegger, M. (2004). Ser e tempo, parte I. Tradução de Márcia S.C. Schuback. Petrópolis: Vozes.
____________. (2007). Nietzsche, vol. II. Tradução de Marco A. Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
____________. (2012). Os Problemas Fundamentais da Fenomenologia. Tradução de Marco A. Casanova. Petrópolis: Vozes.
Henrich, D. (2009). O que é metafísica? O que é modernidade? Doze teses contra Jürgen Habermas. Tradução de Fernando C. Mattos. Cadernos de filosofia alemã, 14, pp.83-117.
Hulshof, M. (2013). A coisa em si entre teoria e prática: uma exigência crítica. Tese de doutorado defendida no Depto. de Filosofia da USP.
Kant, I. Prolegomena zu einer jeden künftigen Metaphysik die als Wissenschaft wird auftreten können. In: Akademie Ausgabe, vol. IV.
____________. Was heisst, sich im Denken orientieren? In: Akademie Ausgabe, vol. VIII.
____________. (2009). Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Tradução de Guido A. de Almeida. São Paulo: Barcarolla.
____________. (2012). Crítica da razão pura. Tradução de Fernando C. Mattos. Petrópolis: Vozes.
____________. (2013). Metafísica dos costumes. Tradução de Bruno Nadai, Diego Kosbiau, Monique Hulshof. Petrópolis: Vozes.
____________. (2016). Crítica da razão prática. Tradução de Monique Hulshof. Petrópolis: Vozes.
Lebrun, G. (1993). Sobre Kant. Tradução de Rubens R. Torres Filho. et alii. São Paulo: Iluminuras.
____________. (2002). Kant e o fim da metafísica. Tradução de Carlos A. R. de Moura. São Paulo: Martins Fontes.
Marton, S. (2000). Nietzsche. Das forças cósmicas aos valores humanos. Belo Horizonte: Ed. UFMG.
Mattos, F. (1999). Kant e o problema da coisa em si. Perspectiva de uma reflexão racional. Cadernos de Filosofia Alemã, 5, pp. 27-44.
____________. (2007). Pensando Nietzsche a partir de Kant: uma radicalização do projeto crítico? Cadernos de filosofia alemã, 10, pp.51-86.

____________. (2008). Perspectivismo e democracia: uma breve reflexão sobre a política a partir do espírito livre nietzschiano. Cadernos de filosofia alemã, 12, pp.79-98.
____________. (2009). Da teoria à liberdade: a questão da objetividade em Kant. São Paulo: AM Ed..
____________. (2009a). Intersubjetivismo versus subjetivismo? Algumas considerações sobre a controvérsia Habermas-Henrich a partir das “12 teses”. Cadernos de filosofia alemã, 14, 2009, pp.55-82.
____________. (2013). Nietzsche, perspectivismo e democracia: um espírito livre em guerra contra o dogmatismo. São Paulo: Saraiva.
Nietzsche, F. (1980). Obras incompletas (coleção “Os pensadores”). Tradução de Rubens R. Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural.
____________. (2001). A gaia ciência. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras.
Publicado
2018-12-23
Como Citar
Mattos, F. (2018). Meu caminho para Heidegger. Ou: a metafísica e o apelo da questão do ser. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 23(2), 53-66. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v23i2p53-66
Seção
Artigos