Judith Butler leitora de Walter Benjamin: para uma crítica das políticas progressistas e identitárias

  • Benjamim Brum Neto Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Judith Butler, Walter Benjamin, História, Progresso, Identidade

Resumo

No presente artigo pretendemos mostrar de que forma Judith Butler se apropria de alguns conceitos bastante conhecidos pelos leitores de Walter Benjamin para tecer suas considerações a respeito de algumas políticas nacionais contemporâneas, com destaque para as políticas sexuais e as políticas seculares. Nossa hipótese é que o tema que perpassa todas as obras da filósofa é o da subversão ou crítica da identidade, seja ela usada como fundamento para o movimento feminista ou para políticas nacionais. Veremos de que forma Butler se apropria das noções de “história contínua”, “tempo vazio”, “violência mítica”, “violência divina”, “mandamento” e de messianismo, sobretudo em duas obras da filósofa, a saber, Quadros de guerra e Caminhos divergentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agamben, G. (2017). “Che cos´è un comando?” In. Creazione e anarchia: l´opera nell´età della religione capitalista. Vicenza: Neri pozza.

Arendt, H. (2012). Origens do Totalitarismo. Tradução de Roberto Raposo. São Paulo: Cia das Letras.

Benjamin, W. (2011). “Para uma crítica da violência”. In: . ______. Escritos sobre mito e linguagem. Organização de Jeanne Marie Gagnebin. Tradução de Susana Kampff e Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34.

Butler, J. (1990). Gender trouble: Feminism and the Subversion of Identity. New York: Routledge.

____________. (2016). Quadros de guerra: quando a vida e passível de luto? São Paulo: Civilização brasileira.

____________. (2017). Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo. São Paulo: Boitempo.

____________. (2018a) »Gehört der Zionismus zum Judentum?« Micha Brumlik im Gespräch mit Judith Butler. Disponível em: https://youtu.be/VsTlsWZId7s?t=5365. Em: 1h29min. Último acesso: 29.06.2018.

____________. (2018b) What is a critic? An essay on Foucault´s virtue. Recuperado de: http://eipcp.net/transversal/0806/butler/en/print. 2018. Último acesso: 29.06.2018.

Duarte, A. (2016) Judith Butler e Hannah Arendt em diálogo: repensar a ética e a política. Cesar Candiotto e Jelson Oliveira (org.). Curitiba: PUCPRess.

Gagnebin, J. M. (2014) Limiar, aura e rememoração. Ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: Editora 34.

Kant, I. (2008) A paz perpétua. Um projeto filosófico. Tradução de Artur Mourão. Covilhã: Lusofiapress.

Löwy, M. (2005) Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma Leitura das teses “Sobre o conceito de história”. Tradução de Wanda Nogueira Caldeira Brant. São Paulo: Boitempo.

Oliveira, S. (2017). Precisamos falar sobre Pinkwashing. Recuperado de: https://vos.social/igualmente/precisamos-falar-sobre-pinkwashing/. Último acesso: 29.06.2018.

Publicado
2019-06-27
Como Citar
Brum Neto, B. (2019). Judith Butler leitora de Walter Benjamin: para uma crítica das políticas progressistas e identitárias. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 24(1), 101-114. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v24i1p101-114
Seção
Artigos