A forma bela e a função da imaginação estética

  • Ana Carolina de Carvalho Belmani Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: forma, beleza, gosto, imaginação, esquematismo sem conceito

Resumo

A partir do exame da Dedução dos juízos estéticos puros, seguida de sua articulação com interpretações sobre a função especificamente estética da imaginação, apresentamos a hipótese segundo a qual a forma bela pode ser entendida como um produto da imaginação, considerada segundo o modelo imaginativo “exemplificador de regras” proposto por Hanna Ginsborg. Com isso, ponderaremos as possibilidades e implicações de admitirmos a capacidade da imaginação para produzir representações de caráter normativo. Apropriando-nos de seu modelo, pretendemos dar um passo a mais que a autora, mostrando como seu modelo é oportuno para a elucidar a noção de forma bela.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Allison, H. E. (2001). Kant’s Theory of Taste: a reading of the Critique of Aesthetic. New York, NY: Cambridge University Press.
Figueiredo, V. A. (2004). Os três espectros de Kant. O que nos faz pensar, 14(18), pp.65 –100.
Fricke, C. (2001). Esquematizar sem conceitos: a teoria kantiana da reflexão estética. Cadernos de Filosofia Alemã, 7, pp.5–14. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i7p05-14.
Gasché, R. (2003). The Idea of Form: Rethinking Kant’s Aesthetics. Stanford, CA: Stanford University Press.
Ginsborg, H. (1997) Lawfulness without a Law: Kant on the Free Play of Imagination and Understanding. Philosophical Topics, 25(1), pp.37–81. DOI: https://doi.org/10.5840/philtopics199725119.
Guyer, P. (1977). Formalism and the Theory of Expression in Kant’s Aesthetics. Kant-Studien, 68 (1–4), pp.46–70.
____________. (1997). Kant and the Claims of Taste. 2ª ed. New York, NY: Cambridge University Press.
Kant, I. (1902 ss). Gesammelte Schriften. Akademie der Wissenschaften. Berlin: G. Reimer W. de Gruyter.
____________. (2014). Manual dos cursos de Lógica Geral. Tradução de Fausto Castilho. 3ª ed. Campinas, SP: Editora Unicamp.
____________. (2015). Crítica da razão pura. Tradução de Fernando Costa Mattos. Petrópolis, RJ: Vozes.
____________. (2016). Crítica da faculdade de julgar. Tradução de Fernando Costa Mattos. Petrópolis, RJ: Vozes.
Makkreel, R. A. (1990). Imagination and Interpretation in Kant: the Hermeneutical Import of the Critique of Judgment. Chicago, IL: The University of Chicago Press.
Zammito, J. H. (1992). The Genesis of Kant’s Critique of Judgment. Chicago, IL/London, ENG: The University of Chicago Press.
Publicado
2018-12-22
Como Citar
Belmani, A. C. (2018). A forma bela e a função da imaginação estética. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 23(2), 13-33. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v23i2p13-33
Seção
Artigos