O conceito de interesse

  • Maria Lúcia Cacciola Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Interesse, Estética, Conceito, Idéia

Resumo

Este texto procura precisar o conceito de interesse na estética de Schopenhauer para determinar o papel que ele ali desempenha. A negação do interesse, vista como central na estética deste autor, leva a uma leitura que a contrapõe à estética de Kant, em que o desinteresse estaria relacionado não com a negatividade do sensível, mas com uma mera indiferença em relação à existência do objeto, para constituir um campo próprio da arte, no qual vige o puro prazer estético. Procura-se mostrar que o desinteresse na filosofia da arte de Schopenhauer, muito mais que uma postura niilista, revela um outro tipo de “conhecimento”, diverso do racional, permitindo, tal como em Kant, definir a especificidade da arte e do sentimento estético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lúcia Cacciola, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Professora Doutora do Departamento de Filosofia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo
Publicado
1999-11-17
Como Citar
Cacciola, M. L. (1999). O conceito de interesse. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, (5), 05-15. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i5p05-15
Edição
Seção
Artigos