Hannah Arendt e a exemplaridade subversiva: por uma ética pós-metafísica

  • André Duarte Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Arendt, Etica pós-metafísica, Exemplaridade subversiva, Pensamento, Juízo

Resumo

Arendt redefine o sentido da ética e da política numa chave pós-metafísica, rompendo as amarras teleológicas e prescritivas que nortearam o pensamento filosófico sobre a ação política e o comportamento ético. Neste projeto, Arendt enfatiza o modo de ser da exemplaridade subversiva como capacidade de aparecer publicamente e resistir à violência, mesmo que tal aparição seja silenciosa e passiva. Para demonstrar o potencial ético-político pós-metafísico da exemplaridade subversiva, recorremos à análise de textos nos quais se esboça o projeto de uma ética negativa e reflexionante, que não determina como agir, mas o que não fazer ou quando interromper o curso da ação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Duarte, Universidade Federal do Paraná

Prof. do Programa de Graduação e Pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Paraná  (UFPR) e pesquisador do CNPq.

Publicado
2007-06-15
Como Citar
Duarte, A. (2007). Hannah Arendt e a exemplaridade subversiva: por uma ética pós-metafísica. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, (9), 27-48. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i9p27-48
Edição
Seção
Artigos