Participação e liberdade política em Hannah Arendt

  • Yara Adario Frateschi Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Hannah Arendt, Participação política, Liberdade, Instituições

Resumo

Pretende-se, neste artigo, mostrar de que modo Arendt, mantendo-se fiel à sua posição marxista e à crítica contundente da democracia forma, combina elementos liberais e democráticos para defender um modelo de Estado constitucional, onde os direitos individuais sejam garantidos ao mesmo tempo em que sejam mantidos espaços de liberdade que permitam aos cidadãos tornarem-se, de algum modo, participantes da gestão governamental e das questões públicas em geral. Para tanto, me concentrarei, não nos textos em que Arendt se volta para o totalitarismo ou para a ditadura, mas naqueles (principalmente Da Revolução e Desobediência Civil) em que se dedica a refletir sobre os modos de gerar e ampliar espaços de liberdade em um contexto político em que as condições para tanto estão, em certa medida, já estabelecidas, como é o caso da república americana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yara Adario Frateschi, Universidade Estadual de Campinas
Professora doutora do Departamento de Filosofia da Universidade Estadual de Campinas
Publicado
2007-12-14
Como Citar
Frateschi, Y. (2007). Participação e liberdade política em Hannah Arendt. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, (10), 83-100. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i10p83-100
Seção
Artigos