A discreta antinomia da razão pura prática de Kant na Metafísica dos costumes

  • Heiner Klemme Universidade de Wuppertal
Palavras-chave: Indifferentismus moral, ação por dever, Wolff, Crusius, Kant

Resumo

Na primeira parte do presente artigo, começo por um esboço sobre a relação entre liberdade, moral e mundo em Kant. Na segunda parte, discuto os exemplos de Christian Wolff e Christian August Crusius como duas versões modernas do indifferentismus moral. Na terceira parte, proponho a ideia de que a concepção de dever moral, explicitada por Kant nos anos de 1780 e 90, pressupõe a liberdade humana de poder escolher entre uma ação por dever, uma ação conforme ao dever e uma contrária ao dever. Na quarta e última parte, por fim, tentarei mostrar que a crítica de Kant à concepção de Libertas indifferentiae na Metafísica dos Costumes não está em contradição com sua ideia de que, do ponto de vista moral, o homem pode e tem de se determinar livremente à ação. Certamente essa interpretação conduz a algo como uma discreta antinomia da razão pura prática, embora esta não seja uma denominação do próprio Kant. 


Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2008-06-14
Como Citar
Klemme, H. (2008). A discreta antinomia da razão pura prática de Kant na Metafísica dos costumes. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, (11), 11-32. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i11p11-32
Seção
Artigos