A música como vontade e representação

  • Günther Zöller Universidade de Munique
Palavras-chave: Flosofia da música, Estética, Vontade, Schopenhauer, Kant, Platão, Hanslick

Resumo

O artigo apresenta uma reflexão sobre o lugar sistemático da música na filosofia de Arthur Schopenhauer. O foco das considerações não está nas doutrinas e detalhes particulares da filosofia da música de Schopenhauer, mas na fundamentação sistemática da música na doutrina transcendental do mundo que ele propõe. No centro da investigação está a integração estrutural e substancial da arte em geral, e da música em particular, à filosofia primeira em Schopenhauer. O artigo situa a elevação metafísica da música por Schopenhauer no contexto de sua dupla consideração do mundo como vontade e como representação, e examina sua apropriação produtiva de Platão e Kant. O foco está no projeto filosófico de Schopenhauer de articular a constituição dupla, mas unitária, do mundo. As seis partes do artigo, por sua vez, dedicam-se ao intento unificador da filosofia de Schopenhauer com relação a metafísica e ética, metafísica e estética, ética e estética, arte e filosofia, música e mundo, vontade e representação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2010-12-14
Como Citar
Zöller, G. (2010). A música como vontade e representação. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, (16), 55-80. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i16p55-80
Seção
Artigos