Sobre “despertares” e revoluções

  • Leonardo Rennó Santos Doutorando USP
Palavras-chave: Kant, Despertar, Revolução, Modo de pensar

Resumo

O artigo aponta para a pertinência de uma leitura da Revolução na maneira de pensar, tema maior do Segundo Prefácio da Crítica da razão pura, à luz do duplo despertar do sono dogmático, confessado por Kant nos seus Prolegômenos a respeito de David Hume e similarmente indicado em nota manuscrita sobre o seu encontro com a obra de J.-J. Rousseau. Defende-se com isto que as questões postas pela obra do escocês não só não puderam ser plenamente elucidadas por Kant sem que este ao mesmo tempo considerasse com diligência o pensamento rousseauísta, como também, e sobretudo, que tal esforço exegético redundou precisamente na proposição da atitude crítica como solucionadora dos problemas continuamente reiterados pela postura dogmática em metafísica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2011-06-14
Como Citar
Santos, L. (2011). Sobre “despertares” e revoluções. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, (17), 53-70. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i17p53-70
Seção
Artigos