Autonomia, Vulnerabilidade, Reconhecimento e Justiça

  • Axel Honneth Universidade de Frankfurt
  • Joel Anderson Universidade de Utrecht

Resumo

Neste artigo, desenvolvemos uma concepção do que significaria para uma sociedade levar a sério a obrigação de reduzir as vulnerabilidades relacionadas à autonomia dos indivíduos a um mínimo aceitável. Sustentamos, em particular, que as concepções liberais típicas subestimam o escopo dessa obrigação porque não conseguem levar em conta as várias ameaças à autonomia. A concepção alternativa de autonomia que esboçamos aqui ressalta os modos pelos quais a autonomia dos indivíduos pode ser reduzida ou prejudicada por meio de danos causados às relações sociais que asseguram a autonomia. Ao articularmos uma concepção de autonomia nos termos, mais específicos, de uma teoria do reconhecimento recíproco, procuramos explicitar o viés individualista presente nas concepções liberais e a concomitante desconsideração de nossa dependência de relações de respeito, cuidado e estima. Concluiremos antecipando algumas implicações mais amplas disso para como concepções procedimentais de justiça social devem ser revistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Axel Honneth, Universidade de Frankfurt

Professor de Filosofia da Universidade de Frankfurt

Joel Anderson, Universidade de Utrecht
Pesquisador do Departamento de Filosofia da Universidade de Utrecht
Publicado
2011-06-14
Como Citar
Honneth, A., & Anderson, J. (2011). Autonomia, Vulnerabilidade, Reconhecimento e Justiça. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, (17), 81-112. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i17p81-112
Seção
Artigos