Imitação e Obra de Arte na Metafísica do Belo

Autores

  • Rosa Gabriella Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i8p85-106

Palavras-chave:

Imitação, Ideia, Desinteresse, Beleza, Intuição

Resumo

No pensamento de Schopenhauer a noção de imitação só pode ser compreendida quando se leva em conta que o artista não procura imitar a natureza a partir dos seus produtos, mas a partir dos seus procedimentos. Além disso, o modelo não é um objeto preexistente e sim uma Idéia, que para ser apreendida depende de uma modificação do modo de conhecer do sujeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosa Gabriella, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Mestre em Filosofìa pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (FFLCH-USP)

Downloads

Publicado

2002-12-24

Como Citar

Gabriella, R. (2002). Imitação e Obra de Arte na Metafísica do Belo. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, (8), 85-106. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i8p85-106

Edição

Seção

Artigos