Georg Friedrich Meier e os paraísos artificiais de Immanuel Kant

  • Márcio Suzuki Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: G. F. Meier, Kant, meditação, distração

Resumo

Este texto procura mostrar como G. F. Meier e Immanuel Kant veem a diversão e a distração como parte essencial do método filosófico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

KANT, I. Antropologia de um ponto de vista pragmático. Tradução de Clélia A. Martins, São Paulo: Iluminuras, 2006.

____. Vorlesungen über Anthropologie. In: ____. Kant’s gesammelte Schriften. Berlim: de Gruyter, 1997.

____. Vorlesungen über Logik. In: _____. Kant’s gesammelte Schriften. Berlim: de Gruyter, 1966.

KÜHN, M. Kant. Eine Biographie, Munique: Dtv, 2003.

MEIER, G. F. Anfangsgründe aller schönen Wissenschaften. Halle: Hemmerde, 1749. Reprodução facsimilar: philosophiebuch.de, 2003-2006.

TERRA, R. R. Reflexão e sistema: a propósito da Primeira introdução e da gênese da Crítica do Juízo. In: Passagens. Estudos sobre a filosofia de Kant. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

Publicado
2014-10-15
Como Citar
Suzuki, M. (2014). Georg Friedrich Meier e os paraísos artificiais de Immanuel Kant. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 19(1), 105-116. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v19i1p105-116
Seção
Artigos