Relações de discurso em narrativas jornalísticas: em busca de sistematizações

Autores

  • Gustavo Ximenes Cunha Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p641-673

Palavras-chave:

Relações de discurso. Sequências narrativas. Reportagens.

Resumo

Na narrativa jornalística, o jornalista realiza diferentes manobras discursivas, tais como comentar, reformular, contra-argumentar, exemplificar etc. Com base no Modelo de Análise Modular do Discurso, este trabalho mostra que, por serem constitutivas do modo como o jornalista narra, essas manobras não podem ser concebidas como desvinculadas da situação em que são realizadas. Assim, a análise de um corpus formado por 53 sequências narrativas extraídas de reportagens permitiu observar uma série de regularidades, como o predomínio de relações argumentativas e comentativas, que se deve a propriedades do gênero reportagem.

Biografia do Autor

Gustavo Ximenes Cunha, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Doutor em Linguística pela UFMG com pós-doutorado na mesma instituição. Professor Adjunto do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas e do Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública e Sociedade da UNIFAL-MG.

Referências

Berrendoner A. “Connecteurs pragmatiques” et anaphore. Cahiers de linguistique française. 1983; 5:215-246.

Bronckart JP. Atividade de linguagem textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: EDUC, 2007.

Camacho RG. Estruturas coordenadas aditivas. In: Neves MHM, organizadora. Gramática do português falado: novos estudos. São Paulo: Unicamp/FAPESP 1999. 7 vol. p. 351-406.

Camacho RG. Valores semânticos e discursivos da conjunção aditiva. Scripta. 2001;5(9):219-228.

Charaudeau P. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto; 2006.

Charolles M. Un jour (onde day) in narratives. Copenhagen studies in language. 2006;34:11-26.

Cunha GX. O sequenciamento de textos como estratégia discursiva: uma abordagem modular [dissertação]. Belo Horizonte; Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras; 2008.

Cunha GX. A função de conectores argumentativos no texto da proposta curricular de Minas Gerais. Alfa. 2010;54:203-222.

Cunha GX. A articulação discursiva do gênero artigo de opinião à luz de um modelo modular de análise do discurso. Filologia e Linguística Portuguesa. 2012a;14:73-97.

Cunha GX. Uma proposta para o tratamento das relações de discurso temporais no Modelo de Análise Modular do Discurso. Revista do GEL. 2012b;9:29-49.

Cunha GX. A construção da narrativa em reportagens [tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras; 2013.

Cunha GX. Para entender o funcionamento do discurso: uma abordagem modular da complexidade discursiva. Curitiba: Appris; 2014.

Cunha GX. Para uma abordagem sócio-histórica da relação entre as noções de gênero do discurso e de tipo do discurso. Gragoatá. 2015;20:29-51.

Dahlet V. As (man)obras da pontuação: usos e significações. São Paulo: Humanitas/Fapesp; 2006.

Duarte RJ. A marcação das relações textuais em textos de gêneros do domínio jornalístico: uma abordagem modular [dissertação]. Belo Horizonte; Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras; 2008.

Ducrot O et al. Les mots du discours. Paris: Minuit; 1980.

Fiorin JL. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática; 2010.

Grobet A. La continuité topicale dans des dialogues radiophoniques: quelques relations de discours. Cahiers de linguistique française. 1999;21:101-120.

Guimarães E. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. São Paulo: Pontes; 2007.

Marinho JHC. O funcionamento discursivo do item “onde”: uma abordagem modular [tese]. Belo Horizonte; Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras; 2002.

Marinho JHC. Uma abordagem modular e interacionista da organização do discurso. Revista da Anpoll. 2004; 16:75-100.

Marinho JHC et al., organizadora. Análise do discurso: ensaios sobre a complexidade discursiva. Belo Horizonte: CEFET-MG; 2007.

Reboul A, Moeschler J. Les connecteurs pragmatiques. In: Reboul A, Moeschler J. Pragmatique du discours: de l’interprétation de l’énoncé à l’interprétation du discours. Paris: Armand Colin; 1998. p. 75-98.

Rossari C. Les opérations de reformulation: analyse du processus et des marques dans une perspective contrastive français-italien. Berne: Lang; 1993.

Rossari C. Les relations de discours avec ou sans connecteurs. Cahiers de linguistique française.1999;21:181-192.

Roulet, E. Complétude interactive et connecteurs reformulatifs. Cahiers de linguistique française, v. 8, p. 111-140, 1987.

Roulet, E. Une approche modulaire de la problematique des relations de discours. In: Mari H et al. Análise do discurso em perspectivas. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2003, p. 149-178.

Roulet E. The description of text relation markers in the Geneva model of discourse organization. In: Fischer K, org. Approaches to Discourse Particles. Amsterdam: Elsevier; 2006. p. 115-131.

Roulet, E, et al. Un modèle et un instrument d’analyse de l’organisation du discours. Berne: Lang; 2001.

Roulet E et al. L’Articulation du discours en français contemporain. Berne: Lang; 1985.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

Cunha, G. X. (2016). Relações de discurso em narrativas jornalísticas: em busca de sistematizações. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(2), 641-673. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p641-673

Edição

Seção

Artigos