Neologismos: o mapeamento de áreas de interface na ciência da informação

  • Jéssica Câmara Siqueira Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Ciência da Informação. Mapeamento de áreas. Neologismo. Terminologia

Resumo

A pesquisa analisa os neologismos na Ciência da Informação por meio da abordagem terminológica, com intuito de mapear as principais relações intersticiais dessa área. O percurso exploratório de termos objetiva verificar as áreas de interface que corroboram o delineamento do escopo da Ciência da Informação. O trabalho tem como base a análise qualitativa dos neologismos selecionados nos cinco periódicos mais bem classificados no Qualis/CAPES no último decênio. O corpus de exclusão constituiu-se a partir de obras lexicográficas da área e da Base de Pesquisa em Ciência da Informação (BRAPCI). O mapeamento das áreas de interface, a partir da delimitação dos contextos terminológicos dos neologismos, permite a identificação das relações intersticiais entre os campos que constituem a Ciência da Informação.

Biografia do Autor

Jéssica Câmara Siqueira, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutora em Letras (Filologia e Língua Portuguesa) USP

Mestre em Ciência da Informação ECA-USP

Especialista em Arquivos- IEB-USP

Bacharel em Biblioteconomia ECA-USP

Licenciada em Letras UNIMAR

Referências

Almeida CC. O campo da ciência da informação: suas representações no discurso coletivo dos pesquisadores do campo no Brasil [dissertação] Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2005.

Alves IM. Neologismo - criação lexical. São Paulo: Ática, 1994. Alves IM. Conceito de neologia. Alfa, São Paulo. 1996,(40):11-16.

Alves IM. A delimitação da unidade lexical nas línguas de especialidade. Palavra, Rio de Janeiro,1999, (5): 69-80.

Alves IM. Neologia e níveis de análise. In: Isquerdo AN, Alves IM. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia e terminologia. Campo Grande, MS: Editora UFMS; Humanitas, 2007.

Araújo CAA. A ciência da informação como Ciência Social. Ciência da Informação, Brasília, set./dez. 2003, 3(32): 21-27.

Araújo IS. Contextos, mediações e produção de sentidos: uma abordagem conceitual e metodológica em comunicação e saúde. R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde. Rio de Janeiro. 2009;3(3):42-50.

Aulete FC, Valente ALS. Dicionário Caldas Aulete Digital. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008.

Brapci – Base de Dados Referenciais de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2009.

Bourdieu P. O campo científico. In: Ortiz, R. (org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

Cabré MT. La neología, avui: el naixement d’una disciplina. In: Cabré MT, Freixa J, Solé E. Léxic i neologia. Barcelona: Institut Universitari de Lingüística Aplicada; Universitat Pompeu Fabra; 2002a.

Cabré MT. La néologie dans la presse catalane: premieres donnes d’un observatoire de neologique. In:

Cabré MT, Freixa J, Solé E. Lèxic i neologia. Observatori de neologia; Institut Universitari de Linguistica Aplicada; Universitat Pompeu Fabra: Barcelona; 2002b.

Cabré, MT. Theories of terminology: their description, prescription and explanation. Terminology. Amsterdam. 2003;9(2):163-200.

Cabré MT. La neologia, campo disciplinar y aplicado: utilidad y problemas en el trabajo neológico de los observatorios. In: Alves IM. Neologia e neologismo em diferentes per- spectivas. São Paulo: Paulistana; 2010.

Capes. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Portal [de] periódi- cos. Ministério da Educação: Brasília; 1990-.

Ciência da Informação. Brasília: IBICT- Instituto Brasileiro de Informação, Ciência e Tecnologia; 1972- .

Correia M. Terminologia: questões teóricas, métodos e projectos. Lisboa: Publicações Europa América; 1998.

Cunha AG. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1986.

Cunha MB, Cavalcanti, CRO. Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos Livros; 2008.

Datagramazero - Revista Ciência da Informação. Rio de Janeiro: IASI – Instituto de Adaptação e Inserção na Sociedade da Informação; 1999-.

Depecker L. Les aménagements néologiques de la fin du XXe siècle. I Colloque International – La neologie scientifique et technique: Bilan et perspectives. Rome, 28 nov.2003. Actes...Roma: Academie de Roumanie; 2003.

Dias FS. Migração conceitual entre sistemas de recuperação da informação e ciências cognitivas: uma análise discursiva [tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte; 2011.

Dubois J. et al. Dicionário de linguística. 16a ed. São Paulo: Cultrix; 2011.

Dubuc R. Manual práctico de terminología. Ileana Cabrera, tradutora. Chile: RiL Editores; 1999.

Encontros Bibli. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 1996-.

Galdo A, Vieira AFG, Rodrigues RS. Classificação social da informação na web: tecnologia, informação e gente. Datagramazero, Rio de Janeiro, dez. 2009; 6 (9) v.10: 25-34.

Gonçalves CAV, Almeida MLL. Por uma cibermofologia: abordagem morfossemântica dos xenoconstituintes em português. In: Mollica MC, Gonzalez M. Linguística e Ciência da Informação: diálogos possíveis. Curitiba: Appris; 2011.

González de Gómez M. N. Metodologia de pesquisa no campo da ciência da informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, dez. 2000; 6(1): 29-41.

Humbley J. La terminologie française du commerce électronique, ou comment faire du neuf avec de l’ancien – vers une géomorphologie lexicale. Actes de la Vè Journée scientifique de Realiter, Milan (Italie): Terminologie et plurilinguisme dans l’économie internationale. Actes. Milan; 2009.

Informação e Sociedade: Estudos. João Pessoa: Universidade Federal de Pernambuco; 1991-.

Le Coadic, YF. A ciência da informação. São Paulo: Briquet Lemos; 2004.

Loureiro, MLNM. Webmuseus de arte: aparatos informacionais no ciberespaço. Ciência da Informação, Brasília, maio/ago. 2004; 33(2): 97-105.

Malmberg B. A língua e o homem. Introdução aos problemas gerais da Linguística. RJ: Editorial Nórdica; 1976.

Moreno AR. Wittgenstein: os labirintos da linguagem, ensaio introdutório. São Paulo: Unicamp; 2000.

Morin E. O método III: o conhecimento do conhecimento. Lisboa: Publicação Europa- América; 1987.

Pavel S. Néologie lexicale: transfert, adaptation, innovation. TTR: Traduction, Terminolo- gie, Rédaction, Québec, Canada. 1989; 1(2):125-137.

Perspectiva em Ciência da Informação. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 1996- .

Rabello R. A face oculta do documento: tradição e inovação no limiar da Ciência da Infor- mação [tese]. Marília: Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília; 2009.

Silveira FJN. Biblioteca, memória e identidade social. Perspectivas em Ciência da Infor- mação, Belo Horizonte. 2010;(15):67-86.

Solé E. Textos e neologismos. In: Cabré MT, Freixa J, Sole E. Lèxic i neologia. Observa- tori de neologia; Institut Universitari de Linguística Aplicada; Universitat Pompeu Fabra: Barcelona; 2002.

Souza RF. Áreas do conhecimento. DataGramaZero, Rio de Janeiro, abr.2004; 2 (5): 35-48.

Webcorp. United Kingdom: Birmingham University; 2012. Disponível em: <http://www. webcorp.org.uk/live/>.

Wittgenstein L. Investigações filosóficas. José Carlos Bruni, tradutor. São Paulo: Ed. Nova Cultural (Coleção Os Pensadores); 2000.

Publicado
2016-04-07
Como Citar
Siqueira, J. (2016). Neologismos: o mapeamento de áreas de interface na ciência da informação. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(2), 421-446. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p421-446
Seção
Artigos