Dispositivos comunicacionais e produção de imaginários: o caso dos periódicos científicos

  • Luciana Salazar Salgado Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil
  • Letícia Moreira Clares Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Periódicos científicos. Dispositivos comunicacionais. Mediação editorial. Comunicação científica. Ritos genéticos editoriais

Resumo

No quadro da Análise do Discurso de tradição francesa (AD), propomos neste artigo uma reflexão que parte da noção de dispositivo desenvolvida recentemente por Jean-Jacques Courtine (2013) para estudar os formulários de revisão por pares das revistas do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB/USP) e do Programa de Pós- -Graduação em Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH/USP), GEOUSP: Espaço e Tempo, com vistas a observar como, nesse tipo de material, (re)constroem-se imaginários de ciência a partir do modo como os processos editoriais acontecem e caracterizam a comunicação científica, nos liames do que Dominique Maingueneau (2006) considera uma instituição discursiva. Partindo das reflexões desenvolvidas até o momento na pesquisa intitulada Ritos genéticos editoriais e comunicação científica: a atividade de revisão em periódicos, explicitamos a confi- guração desses periódicos como dispositivos comunicacionais e, para tanto, alguns indícios da constituição desses imaginários nos ritos genéticos editoriais adotados nos processos de mediação editorial dos periódicos estudados. Pretendemos, então, investigar algumas das dimensões da mediação editorial que balizam os imaginários de ciência e põem em circulação pública o conhecimento acadêmico.

Referências

Bourdieu P. O campo científico. In: Ortiz R, organizador. Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática; 1983. p. 122-56.

Charaudeau P, Maingueneau D. Dicionário de análise do discurso. Fabiana Komesu, coordenadora de tradução. 3ª ed., 1ª reimp. São Paulo: Contexto; 2014.

Chartier R. A mão do autor e a mente do editor. George Schlesinger, tradutor. São Paulo: Unesp; 2014.

Chartier R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Mary Del Priori, tradutora. 2ª ed. Brasília: UNB; 1999.

Clares LM. A interface material impresso e audiolivro: o lugar do revisor de textos nos processos editoriais envolvidos. São Carlos: PUICT/UFSCar; 2013. 59 p. Protocolo nº 58/2012.

Courtine JJ. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Francisco Morás, tradutor. Petrópolis: Vozes; 2013.

Courtine JJ. Discurso e imagens: para uma arqueologia do imaginário. In: Pionezanni C, Curcino L, Sargentini V, organizadores. Discurso, semiologia e história. São Carlos: Claraluz; 2011. p. 145-62.

Cyrino JEP. Revisões e revisores construtivos e eficazes [slide]. São José dos Campos: CEC-ABEC; 2014. 19 slides. [citado 20 jun. 2014]. Disponível em: http://www.abecbrasil.org.br/includes/eventos/xxii_curso/index.asp

Gadet F, Hak T, organizadores. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. (reimpressão 2001). Diversos tradutores, rev. tecn. Eni Orlandi. 3ª ed. Campinas: Editora da Unicamp; 1997.

Ginzburg C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Ginzburg C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Federico Carotti, tradutor. São Paulo: Cia das Letras; 1989. p. 143-80.

Gruszynski AC, Golin C, Castedo R. Produção editorial e comunicação científica: uma proposta para edição de revistas científicas. E-compós. 2008 Maio/Ago;11(2):1-17.

Maingueneau D. Discurso literário. Adail Sobral, tradutor. São Paulo: Contexto; 2006.

Maingueneau D. Gênese dos discursos. Sírio Possenti, tradutor. São Paulo: Parábola Editorial; 2008.

Muniz Jr JS. O trabalho com o texto na produção de livros: os conflitos da atividade na perspectiva ergodialógica

[dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Comunicação e Artes; 2010.

Orlandi EP. Discurso, imaginário social e conhecimento. Em Aberto. 1994;14(61):53-9.

Pêcheux M, Fuchs C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: Gadet F, Hak T, organizadores. Por uma análise automática do discurso. Campinas: Editora da Unicamp; 1990 [1975]. p. 79-170.

Pêcheux M. Análise automática do discurso (AAD-69). In: Gadet F, Hak T, organizadores. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Bethania Mariani et al., tradutores. 5ª ed. Campinas: Unicamp; 2014. p. 59-158.

Salgado LS. Cibercultura: tecnoesfera e psicoesfera de alta potência difusora. In: Abriata VLR, Câmara NS, Rodrigues MG, Schwartzmann MN, organizadores. Leitura: a circulação de discursos na contemporaneidade. Franca: Unifran, 2013.

Salgado LS. Ritos genéticos editoriais: autoria e textualização. São Paulo: Fapesp/Annablume, 2011.

Santos M (1994). Técnica, espaço, tempo. Globalização e meio técnico-científico informacional. 5ª ed. São Paulo: Edusp; 2008.

Santos M (2000). Por uma outra globalização – do pensamento único à consciência universal. 18ª ed. São Paulo: Record; 2009.

Santos M. A aceleração contemporânea: tempo-mundo e espaço-mundo. In: Dowbor L, Ianni O, Resende PE, organizadores. Desafios da globalização. Petrópolis: Vozes; 1997. p. 1-5.

Rugoni LS. O imaginário do revisor de textos nos ritos genéticos editoriais [dissertação]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Linguística; 2015.

Publicado
2016-04-07
Como Citar
Salgado, L., & Clares, L. (2016). Dispositivos comunicacionais e produção de imaginários: o caso dos periódicos científicos. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(2), 675-693. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p675-693
Seção
Artigos