Portal da USP Portal da USP Portal da USP

A Oralidade Em Sala De Aula De Língua Portuguesa: O Que Dizem Os Professores Do Ensino Básico

Josilete Alves Moreira de Azevedo, Marise Adriana Mamede Galvão

Resumo


Esta pesquisa teve como foco central uma discussão acerca da modalidade oral e ensino de Língua Portuguesa no nível fundamental de escolarização.  Como ponto de partida, ressaltamos a necessidade de os indivíduos desenvolverem competências linguístico-discursivas por meio de diferentes gêneros de textos nas interações da vida cotidiana, tanto nas mais espontâneas quanto nas mais ritualizadas. Buscamos, assim, contribuir com o conhecimento acadêmico-científico na direção de que aos alunos do ensino básico sejam dadas oportunidades de produzir textos orais quer sejam em interações informais, quer sejam naquelas com maior controle e regulação na produção e recepção. Orientamo-nos pela questão: os textos orais estão sendo utilizados como objeto de ensino no desenvolvimento das práticas comunicativas dos alunos em sala de aula? Definimos, como objetivo, investigar acerca da oralidade em sala de aula de Língua Portuguesa com o propósito de descrever, analisar e interpretar o que dizem os docentes acerca do ensino, identificando as concepções de oralidade apontadas por eles e os gêneros textuais orais constitutivos das atividades didáticas propostas em sala de aula. Adotando os postulados da pesquisa qualitativa, buscamos interpretar questões específicas do dizer de professores por meio de 12 entrevistas semiestruturadas, gravadas (em áudio) e posteriormente transcritas. Baseamo-nos teoricamente, entre outros, nos trabalhos de Marcuschi (1986, 2001a e 2001b, 2002, 2005); Castilho (1998); Fávero, Andrade e Aquino (1999); Schneuwly, Dolz e colaboradores (2004); Cavalcante e Teixeira (2007); Gomes-Santos (2012); Leal e Gois (2012). As análises dos dados revelaram que os docentes ainda não têm clareza das noções teóricas sobre a oralidade que os possibilitem realizar ações didáticas canalizadas para a formação de alunos linguisticamente competentes.  Dessa forma, no trabalho com a oralidade, os professores precisam privilegiar os aspectos linguísticos, extralinguísiticos, paralinguísticos e cinésicos, propiciando aos alunos vivências em atividades pedagógicas que lhe sirvam de subsídios nas práticas sociais da vida cotidiana.

Texto completo:

PDF

Referências


Bagno M. Preconceito Linguístico: o que é e como se faz. São Paulo: Loyola; 1998.

Biber D. Variation across speech and writing. Cambridge: Cambridge University Press; 1988.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos de ensino fundamental: Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF; 1998. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf> Acesso em 14.12.2015

Castilho AT. A língua falada no ensino de Português. São Paulo: Contexto; 1998.

Cavalcante MCB, Melo CTV. Gêneros orais na escola. In: Santos CF, Mendonça M, Cavalcante MCB. Diversidade Textual: os gêneros na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica; 2007. p.89-102.

Fávero LL, Andrade MLC, Aquino ZGO. Oralidade e escrita: perspectiva para o ensino de língua materna. 5. ed. São Paulo: Cortez; 1999.

Gomes-Santos SN. A exposição oral: nos anos iniciais do ensino fundamental. São Paulo: Cortez; 2012.

Jubran CCAS (Org.). Organização tópica da conversação. In: Ilari R (Org.). Gramática do Português falada. v. 2: Níveis de Análise Linguística. 4. ed. Campinas, SP: Unicamp; 1993. p. 357-447.

Kerbrat-Orecchioni C. Análise da Conversação: princípios e métodos. Trad. Carlos Piovezani. São Paulo: Parábola; 2006.

Leal TF, Goes S (Orgs.). A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente como foco de reflexão. Belo Horizonte: Autêntica; 2012.

Leal TF, Brandão ACP, Lima JM. A oralidade como objeto de ensino na escola: o que sugerem os livros didáticos. In: Leas TF, Goes S. A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente como foco de reflexão. Belo Horizonte: Autêntica; 2012. p. 13-35.

Lima A, Beserra N. Sala de aula: espaço também da fala. In: Leal TF, Goes S. A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente como foco de reflexão. Belo Horizonte: Autêntica; 2012. p. 57-72.

Marcuschi LA. Análise da conversação. São Paulo: Ática; 1986.

Marcuschi LA. Oralidade e ensino de língua: uma questão pouco “falada”. In: Dionisio AP, Bezerra MA (Orgs.). Livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna; 2001a.

Marcuschi LA. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez; 2001b.

Marcuschi LA. A oralidade no contexto dos usos linguísticos: caracterizando a fala. In: Marcuschi LA, Dionisio AP (Org.). Fala e escrita. Belo Horizonte: Ceale; 2005.

Marcuschi LA. Curso Fala e escrita. Material didático elaborado para o curso fala e escrita: característica e uso, oferecido no 2º semestre de 2002; Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da UFPe. 2002. Mimeografado.

Melo CTV, Cavalcante MCB. Superando os obstáculos de avaliar a oralidade. In: Marcuschi B, Suassuna L (Orgs.). Avaliação em língua portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica; 2006.

Preti D (Org.). Análise de textos orais. 7.ed. São Paulo: Humanitas; 2010.

Preti D (Org.). Interação na fala e na escrita. 2.ed. São Paulo: Humanitas; 2003.

Preti D (Org.). Estudos de Língua Falada: variações e confrontos. 3.ed. São Paulo: Humanitas; 2006.

Sacks H, Schegloff E, Jefferson G. A simplest systematics for the organization of turn for conversation. In: Shenkein J (ed.). Studies in the organization of conversational interaction. New York: Academic Press; 1974. p. 7-55

Schneuwly B, Dolz J, et al. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado das Letras; 2004.

Sgarbi NMFQ. Os eventos da oralidade no ensino de língua portuguesa. Revista Trama. 2008;4(7):167-175.

Silva LA (Org.) A língua que falamos. Português: história, variação e discurso. São Paulo: Globo; 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i1p249-272

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Filologia e Linguística Portuguesa

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.