Gêneros orais, argumentação e ensino de língua portuguesa

  • Zilda G. O. Aquino Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Gênero oral. Debate. Argumentação. Ensino de português.

Resumo

A proposta deste trabalho é tratar de questões relacionadas à língua falada em sala de aula, centralizando-se nas práticas discursivas em que se destaque a argumentação. Entende-se que discussões que se fizeram em torno dos gêneros discursivos, especialmente orientados pelos estudos de Bakhtin e da Linguística de texto, vêm propiciando um avanço em torno da necessidade que tem a escola de promover o ensino da língua a partir da abordagem de gêneros discursivos. Nesta acepção, tanto a modalidade escrita quanto a falada merecem espaço no aprendizado, como se espera que venha ocorrendo; entretanto, acreditamos que os gêneros orais, por demandarem do professor conhecimentos específicos das características da língua falada e da interação que advém de seu uso em situações concretas, e em razão de esses estudos serem recentes entre nossos pesquisadores (não passam de três décadas), ainda devam estar muito presentes em nossas discussões. No caso deste trabalho, o recorte recai sobre  um gênero da oralidade específico – o debate, tendo em vista o fato de se constituir em um espaço privilegiado de construção de conhecimento, de posicionamento frente a questões que se apresentam na vida em sociedade – pontos de interesse da escola. Além de contribuir para o desenvolvimento de habilidades necessárias às práticas sociodiscursivas determinadas, propõe-se que o ensino da argumentação nos gêneros orais se atenha à observação de estratégias selecionadas em interações na quais se destaque o jogo interacional que se delineia quando se busca persuadir o(s) interlocutor(es). O corpus constitui-se de transcrições de debates, tanto a partir de sua ocorrência em sala de aula, quanto em outros contextos, como o da mídia. O tratamento metodológico faz-se a partir da identificação dos argumentos e de seu uso estratégico em situações específicas. A discussão teórica recai sobre os trabalhos de Orecchioni (2010), Marcuschi (2004), Dolz e  Schneuwly (2004),  Perelman e Olbrechts-Tyteca (1996[1958]), entre outros.

Biografia do Autor

Zilda G. O. Aquino, Universidade de São Paulo
Professora Doutora do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Referências

Aquino ZGO. Conversação e conflito – estudo das estratégias discursivas em conversações polêmicas [tese]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 1997.

Aquino ZGO. Elementos de organização do discurso político televisivo: um estudo do gênero debate. VI Congreso de Lingüística General. 3 a 7 de maio de 2004. Santiago de Compostela, Espanha. Santiago de Compostela: Arco/Libros; 2004. p.3247-3256. Vol. 3.

Bakhtin MM. Os gêneros do discurso. In: Bakhtin MM. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes; 2003[1979]. p. 261-306.

Barroso T. Gênero textual como objeto de ensino: uma proposta de didatização de gêneros do argumentar. Signum: Estudos da Linguagem. 2011;14(2):135-156.

Bezerra MA. Ensino de língua portuguesa e contextos teórico-metodológicos. In: Dionisio AP, Machado AR, Bezerra MA (Orgs.). Gêneros textuais & ensino. São Paulo: Parábola; 2002. p. 37-47.

Brassart D. Explicatif, argumentatif, descriptif, narratif et quelques autres notes de travail. Recherches. 1990;13:21-59.

Brown P, Levinson S. Politeness: Some universals in language usage. Cambridge: Cambridge University Press; 1987.

Campos MIB. Textos argumentativos em materiais didáticos: que proposta seguir? Delta: Documentação de Estudos de Linguística Teórica e Aplicada. 2011;27(2):219-234.

Dol J. Produire des textes pour miex comprendre: L’enseignerment du discours argumentatif. In: Reuter Y (ed.). Les interactions lecture – Ecriture. Berne: Peter Lang; 1994. p. 219-242.

Fávero LL, Andrade MLVO, Aquino ZGO. Oralidade e escrita – perspectivas para o ensino de língua materna. São Paulo: Cortez; 1999.

Fávero LL, et. al. Interação em diferentes contextos. In: Bentes AC, Leite MQ (Orgs). Linguística de texto e análise da conversação. São Paulo: Cortez; 2010. p.91-158.

Goffman E. Interaction Ritual. Pantheon: New York; 1967.

Kerbrat-Orecchioni C. Les négociations conversationnelles. Verbum, VII. Nancy: Presses Universitaires Nancy; 1984.

Kerbrat-Orecchioni C. Análise da Conversação. Princípios e métodos. São Paulo: Parábola; 2006.

Leal TF, et al. Entrevistando professoras: o que elas falam sobre o ensino da argumentação? Educação Unisinos. 2010;14(3):195-204.

Leal TF, Morais AG. A argumentação em textos escritos: a criança e a escola. Belo Horizonte: Autêntica; 2006.

Lotti ALFC. Enunciados em jogo: a correlação entre língua e Arte nas aulas de Língua Portuguesa [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2013.

Marcuschi LA. Análise da Conversação. São Paulo: Ática; 1986.

Marcuschi LA. Concepção de língua falada nos manuais de Português de 1º e 2º graus: uma visão crítica. Trabalhos em Linguística Aplicada. 1997;(30):39-79.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF; 1998.

Perelman C, Olbrechts-Tyteca L. Tratado da argumentação: a nova retórica. Trad. Maria Ermantina Galvão. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes; 1983 [1958].

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Secretaria da Educação. Fini MI (Coord. Geral), Vieira A (coord. área). 2. ed. São Paulo: Secretaria da Educação; 2012.

São Paulo (Estado) Secretaria da Educação. Caderno do Aluno: Língua Portuguesa, ensino fundamental, 8ª série/9º ano, volume 1. Fini MI (Coord. Geral), Vieira A (coord. área). São Paulo: Secretaria da Educação; 2014.

São Paulo (Estado) Secretaria da Educação. Caderno do Professor: Língua Portuguesa, ensino fundamental, 8ª série/9º ano, volume 1 Fini MI (Coord. Geral), Vieira A (coord. área). São Paulo: Secretaria da Educação; 2014.

São Paulo (Estado). Secretaria Municipal de Educação. Cadernos de apoio e aprendizagem: Língua Portuguesa / Programas: Ler e escrever e Orientações curriculares. Livro do Professor. Sexto ano. São Paulo: Fundação Padre Anchieta; 2010.

Schneuwly B, Dolz J. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glaís S. Cordeiro. Campinas, SP: Mercado das Letras; 2004.

Publicado
2015-06-21
Como Citar
Aquino, Z. (2015). Gêneros orais, argumentação e ensino de língua portuguesa. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(1), 227-248. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i1p227-248
Seção
Artigos