Um cabra de cor ou um cabra da mãe: dinâmicas de sentido para “cabra” entre os séculos XVI e XIX

  • Mayara Aparecida Ribeiro de Almeida Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão
  • Amanda Moreira de Amorim Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão
  • Maria Helena de Paula Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão
Palavras-chave: Escravidão. Cabra. Lexicologia. Manuscritos.

Resumo

 No presente estudo analisamos as dinâmicas de sentido da lexia “cabra”, largamente utilizada no Brasil entre os séculos XVI e XIX para referenciar alguns índios e negros nascidos na condição de escravos ou livres no país, buscando definir o seu sentido em três tipos de documentos: uma escritura de doação de escravo (fólios 109 verso e 110 recto) presente no Livro de Notas do 2º Tabelliaõ Isaac Lange da Cunha; o Livro de Registros de Batizados da Paróquia Nossa Senhora Mãe de Deus (maio de 1837 a setembro de 1838); e documentos presentes na tese “Dar nome ao novo: uma história lexical da ibero-América, entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagens e o mundo do trabalho)” de Paiva (2014). Para tanto, baseamo-nos nas lições da lexicologia apresentadas por Biderman (2001). Em sequência, consultamos os dicionários de Ferreira (2010), Bluteau (1728), Houaiss e Villar (2009), Moura (2004) e Moraes Silva ([1789]1813) para verificação e confronto de definições. Fundamentamo-nos, também, nos estudos de Paiva (2014) e Malheiro (1867; 2014) no que se refere a fontes teóricas acerca da história escravocrata, relacionando o acervo lexical dos manuscritos citados anteriormente com a história e a cultura por eles registradas. 

Biografia do Autor

Maria Helena de Paula, Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão
Professora do Departamento de Letras da Universidade Federal de Goiás, Campus Catalão, onde atua na graduação e no Programa de Mestrado em Estudos da Linguagem. Pesquisadora e consultora ad hoc da FAPEG.

Referências

Almeida WL, Paula JLO. Sobre a adoção da escravidão africana no Brasil. Ces Revista: Periódico oficial do Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora. 2006;20:251-271.

Bluteau R. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico… Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus; 1728. 8 vol. Disponível em: <http://bit.ly/2wb2m4c>. Acesso em: 22 set. 2017.

Cardoso CV. Estudo filológico e lingüístico sobre a escravidão na cidade do Catalão. [Monografia]. Catalão: Universidade Federal de Goiás; 2009.

Ferreira ABH. Dicionário da língua portuguesa. 5ª. ed.Curitiba: Positivo; 2010.

Biderman MTC. As ciências do léxico. In: Oliveira AMPP, Isquerdo AN, organizadores. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2ª ed. Campo Grande: UFMS; 2001. p. 13-22. (Série As ciências do léxico , vol. 1).

Fonseca MV. Apontamentos para uma problematização das formas de classificação racial dos negros no século XIX. Revista de Educação Pública. 2009;18(36):201-219. Disponível em: <http://bit.ly/2hl7nkr>. Acesso em: 22 set. 2017.

Houaiss A, Villar MS. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva; 2009.

Lara SH. Fragmentos setecentistas, cultura e poder na América Portuguesa. [Tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2004.

Malheiro AMP. A escravidão no Brasil: ensaio histórico-jurídico-social. Rio de Janeiro: Typographia Nacional; 1867. Vol. 3.

Malheiro AMP. A escravidão no Brasil: ensaio histórico-jurídico-social. São Paulo: Poeteiro Editor Digital; 2014.

Matozo FXM (OVigario Encomendado). Livro de registros de batizados da Paróquia Nossa Senhora Mãe de Deus. Parochia Nossa Senhora Mãe de Deus. 52 fólios manuscritos; 1837-1838. Catalão: Acervo Digital Lalefil; 1838.

Mattoso KMQ. Ser escravo no Brasil. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense; 2003.

Moraes Silva A. Diccionario da lingua portugueza. 2ª ed. Lisboa: Typographia Lacerdina; [1789]1813. 2 tomos. Disponível em: <http://bit.ly/2hkM6uD>. Acesso em: 22 set. 2017.

Moura C. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: Edusp; 2004.

Paiva EF. Dar nome ao novo: uma história lexical das Américas portuguesa e espanhola, entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagem e o mundo do trabalho). [Tese]. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais; 2012.

Paiva EF, Libby DC. A escravidão no Brasil: relações sociais, acordos e conflitos. 2ª ed. São Paulo: Moderna; 2005.

Publicado
2017-12-01
Como Citar
Almeida, M. A., Amorim, A., & Paula, M. H. (2017). Um cabra de cor ou um cabra da mãe: dinâmicas de sentido para “cabra” entre os séculos XVI e XIX. Filologia E Linguística Portuguesa, 19(1), 143-161. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v19i1p143-161
Seção
Artigos