A progressão em textos argumentativos escritos: uma análise da progressão referencial em produções de alunos do Ensino Básico

  • Paola Tassinari Groos Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Gil Roberto Costa Negreiros Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Linguística textual, Progressão textual, Progressão referencial, Pesquisa-ação, Interação

Resumo

O tema deste artigo é a progressão textual em textos escritos produzidos no contexto da Educação Básica. Objetiva-se investigar, por meio da metodologia da pesquisa-ação, o processo de qualificação da produção textual de um aluno da Educação Básica, com foco na progressão textual, mais especificamente a progressão referencial. O corpus constitui-se de textos escritos por alunos, coletados em oficinas de língua portuguesa desenvolvidas em uma escola pública de Santa Maria - RS. A sustentação teórica está baseada na interação verbal, defendida por Bakhtin (1997; 2014); e na perspectiva da Linguística Textual. Serão analisadas três redações que compõem o corpus da dissertação A qualificação da progressão textual em oficinas de produção de texto. Os resultados revelam que, com o decorrer das oficinas de produção de texto, avanços significativos em relação à progressão referencial foram alcançados.

Biografia do Autor

Paola Tassinari Groos, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Possui graduação em Letras - Licenciatura - Português e Literaturas de Língua Portuguesa, pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2015) e mestrado em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-graduação em Letras, na UFSM (2017). Atualmente, é doutoranda em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-graduação em Letras, na UFSM. Atuou como bolsista do Subprojeto Letras Português, do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), da UFSM, de março de 2014 a janeiro de 2016. Desde agosto de 2016, é tutora EaD do Curso de Letras da UFSM/UAB.
Gil Roberto Costa Negreiros, Universidade Federal de Santa Maria
Professor adjunto do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal de Santa Maria. Tem experiência na área de Letras e Linguística, com ênfase nas seguintes áreas: Língua Portuguesa, Análise da Conversação, Análise do Discurso, Sociolinguística e Linguística Histórica. 

Referências

Bakhtin MM. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 16.a ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Bakhtin MM. Para uma filosofia do ato. Trad. Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza (tradução não revisada, exclusiva para uso didático e acadêmico) da edição americana Toward a Philosophy of the Act. Austin: University of Texas Press; 1993.

Bakhtin MM. Estética da criação verbal. Trad. Maria Hermentina Galvão G. Pereira. 2.ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 1997.

Beaugrande R, Dressler W. Introduction to Text Linguistic. London: Longman; 1983.

Bentes AC, Ramos P, Alves Filho F. Enfrentando desafios no campo dos estudos do texto. In: Bentes AC, Leite MQ. Linguística de texto e análise da conversação: panoramas das pesquisas no Brasil; 2010. p. 389-428.

Brasil. A redação do Enem 2013: guia do participante. Brasília; 2013.

Charolles M. Coherence as a principle and text interpretation of discourse. Amsterdan: Mouton Publishers; 1978.

Fuzer C. Bilhete orientador como instrumento de interação no processo ensino-aprendizagem de produção textual. Letras (UFSM). jan./jun. 2012;22(44):213-245.

Groos PT. A qualificação da progressão textual em oficinas de produção de texto [dissertação]. Santa Maria: Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal de Santa Maria; 2017.

Koch IV. A inter-ação pela linguagem. 10.ª ed. São Paulo: Contexto; 2006.

Koch IV. As tramas do texto. 2.ª ed. São Paulo: Contexto; 2014.

Koch IV. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez; 2003; 2006.

Koch IV. Introdução à Linguística textual: trajetória e grandes temas. 2.ª ed. São Paulo; 2015.

Koch IV. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto; 1997.

Koch IV; Elias VM. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto; 2006; 2008.

Koch IV. Escrever e argumentar. São Paulo: Contexto; 2016.

Micarello HALS, Magalhães TG. Letramento, linguagem e escola. Bakhtiniana. ago./dez. 2014;9(2):150-163.

Perrenoud P. A prática reflexiva no ofício do professor: profissionalização e razão pedagógicas. Porto Alegre: Artmed Editora; 2002.

Ruiz EMSD. Como se corrige redação na escola. Campinas: Mercado das Letras; 2001.

Thiollent M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez; 1996.

Tripp D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa. 2005;31(3):443-466.

Vygotsky LS. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes; 1984.

Vygotsky LS. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes; 1991.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Groos, P., & Negreiros, G. R. (2018). A progressão em textos argumentativos escritos: uma análise da progressão referencial em produções de alunos do Ensino Básico. Filologia E Linguística Portuguesa, 20(2), 257-271. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/flp/article/view/144570
Seção
Artigos