Relações entre avaliatividade e ethos no prólogo da Compilação de todas as obras de Gil Vicente

  • Ana Carolina de Souza Ferreira Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
  • Paulo Roberto Gonçalves Segundo Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Crítica textual, Gil Vicente, Avaliatividade, Ethos

Resumo

O dramaturgo português Gil Vicente escreveu suas peças entre 1502 e 1536, possível ano de sua morte. Durante a vida, esteve a serviço do rei sem ter sua liberdade como artista comprometida por qualquer formalidade, porém, a partir do ano de 1536 estabelece-se em Portugal o Tribunal do Santo Ofício que teve como uma de suas funções a censura de livros. Desta forma, este artigo se propõe a fazer uma reflexão acerca da transmissão da obra vicentina, por meio de uma análise do prólogo escrito por Gil Vicente na primeira edição da Compilação de todas as obras de Gil Vicente, em que buscou-se utilizar a teoria da avaliatividade de Martin & White (2005) e estrutura retórica do texto para ilustrar a composição do ethos do autor e tentar entender por que este texto foi censurado pela Inquisição na segunda edição da mesma obra.

Biografia do Autor

Ana Carolina de Souza Ferreira, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Doutoranda no programa de Filologia e Língua Portuguesa do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil e bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Paulo Roberto Gonçalves Segundo, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Professor Doutor do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Referências

Almeida F. A inquisição. In: Almeida F. História da igreja em Portugal. Porto: Portucalense Editora; 1967.

Bernardes JAC. Gil Vicente. Lisboa: Edições 70; 2008.

Blecua, A. Manual de Crítica Textual. Madrid: Editora Castalia, 2001.

Borges MLV. A construção do ethos do orador no Pro Milone de Cícero. In: Codex, v. 2, n. 1; 2010, p. 7-21.

Fiorindo PP. Ethos: um percurso da retórica à análise do discurso. Revista Pandora Brasil. 2012; 47.

Freire AB. Vida e obras de Gil Vicente: trovador, mestre da balança. Lisboa: Ocidente; 1944.

Gonçalves Segundo PR. Tradição, dinamicidade e estabilidade nas práticas discursivas: um estudo da negociação intersubjetiva na imprensa paulistana. [tese]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2011.

Guimarães E. O ethos na argumentação. Filologia e linguística portuguesa. 2010; 42.

Maingueneau D. A propósito do ethos. In: Motta AR, Salgado IS, organizadores. Ethos discursivo. São Paulo: Contexto; 2008. p. 11-29.

Martin J. White P. Attitude: ways of feeling. In: Martin J. & White P. The language of evaluation: appraisal in English. New York/Hampshire: Palgrave Macmillan; 2005.

Martin J. White P. Engagement and graduation: alignment, solidarity and the construed reader. In.: Martin J. White P. The language of evaluation: appraisal in English. New York/Hampshire: Palgrave Macmillan; 2005.

Nogueira C. A literatura de cordel portuguesa. Ehumanista. 2012; 21; 195-222.

Novinsky A. A inquisição. São Paulo: Editora Brasiliense; 1986.

Pécora A. A arte das cartas jesuíticas do Brasil. In: Pécora A. Máquina de gêneros. São Paulo: Edusp; 2001.

Pimpão C. As correntes dramáticas na literatura portuguesa no século XVI. In: A evolução e o espírito do teatro em Portugal. Lisboa: Sociedade Nacional da Tipografia; 1947.

Rebello LF. Breve história do teatro português. Lisboa: Publicações Europa- América; 2000.

Rodrigues GA. Breve história da censura literária em Portugal. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa; 1980 (Biblioteca breve, Vol. 54).

Santiago-Almeida MM. Para que filologia/crítica textual?. Revista Acta. 2011; 1.

Spaggiari B. A censura na transmissão da obra de luís de Camões. In: Spaggiari B, Perugi, E. Fundamento da crítica textual. Rio de Janeiro: Editora Lucerna; 2004.

Teyssier P. Gil Vicente – O autor e a obra. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa; 1982.

Vasconcelos CM. Notas vicentinas: preliminares de uma edição crítica das obras de Gil Vicente. I a V. Lisboa: Edição da Revista Ocidente; 1949. p. 9-123 e 509-531.

Vieira LC. O livro dos salmos. In: Vieira LC. A performance nos salmos dança dos corpos nos textos. [dissertação]. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Ferreira, A. C. de S., & Gonçalves Segundo, P. R. (2018). Relações entre avaliatividade e ethos no prólogo da Compilação de todas as obras de Gil Vicente. Filologia E Linguística Portuguesa, 20(2), 211-231. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v20i2p211-231
Seção
Artigos