Leitura crítico-filológica de Resolução de 1822: revoltas, vigilância, violência e punição na Bahia do século XIX

  • Eliana Correia Brandão Gonçalves Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Filologia, Paleografia, Crítica textual, Revoltas escravas, Vigilância e violência

Resumo

O artigo apresenta um estudo crítico-filológico, a partir da edição semidiplomática e dos comentários paleográficos, da Resolução de 1822, procedente de Cachoeira – Bahia, que registra a necessidade de gestão do controle social da população negra no Brasil, com vistas à repressão dos movimentos de revoltas escravas. Cachoeira foi um dos núcleos urbanos mais importantes do Recôncavo Baiano no século XIX e, portanto, palco de constantes sublevações de escravos. Decerto, os nossos heróis negros deixaram, nos registros jurídicos, vestígios de luta e resistência, visto que representavam um problema de segurança, que demandava vigilância e medidas legais por parte do governo imperial e provincial. Essas medidas legais dialogam com as reivindicações sociais e políticas, por parte daqueles que executavam ações violentas e punitivas, em relação aos frequentes atos de enfrentamento e resistência promovidos pelo povo negro. Nesse viés, a atividade filológica de editar textos sobre as revoltas na Bahia requer uma pesquisa criteriosa e argumentativa. E, portanto, é preciso escavar a memória dos grupos oprimidos e lembrar os corpos dissidentes, descontentes e silenciados pelos contextos de escravatura, propondo a reflexão dessas narrativas a partir da crítica-filológica.filológica.

Biografia do Autor

Eliana Correia Brandão Gonçalves, Universidade Federal da Bahia
Professor Adjunto - Doutor - Universidade Federal da Bahia - Departamento de Fundamentos para o Estudo das Letras - Instituto de Letras

Referências

Acioli VLC. A escrita no Brasil colônia: um guia para leitura de documentos manuscritos. Recife: EDUFPE/FUNDAJ/Massangana; 1994. Andrade EA, Santiago-Almeida MM, Baronas RL. Plano de guerra da Capitania de Matto Grosso: janeiro de 1800. 2 ed. reimpr. e revisada Cuiabá: EDUFMT; 2014.
Andrade MCJ de. Paleografia. In: Samara EM, organizador. Paleografia, documentação e metodologia histórica. São Paulo: Humanitas; 2010. p. 9-27.
Aras LMB de. Escravos nos movimentos federalistas. Bahia, 1832 – 1833. Politeia: História e Sociedade. 2012;2(1):151-172. [citado 1 mar. 2018]. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1299165598_ARQUIVO_AsideiasfederalistasnaBahiaoitocentista(LinaAras).pdf Bellotto HL. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial do Estado; 2002. (Série Como Fazer, Vol. 8).
Berwanger AR, Leal JEF. Noções de Paleografia e de Diplomática. 2ª. ed. Santa Maria: EDUFSM; 1995. (Série Livros Didáticos) Brito LC. Só o rigor da lei: os africanos e a legislação baiana do século XIX. Sankofa, Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana. 2008;1(2):30-57.
Cambraia CN, Cunha AG, Megale H. Normas para a transcrição de documentos manuscritos para a história do português do Brasil. In: A carta de Pero Vaz de Caminha. São Paulo: Humanitas; 1999. p. 23-26. (Série Série Diachronica, Vol. 1)
Cano Aguilar R. Introducción al análisis filológico. [S.l.]: Castalia; 2000.
Castillo Gómez A. Historia de la cultura escrita: ideais para el debate. Revista Brasileira de História da Educação. 2003;5:94-124.
Catach N. Para uma teoria da língua escrita. São Paulo: Ática; 1996.
Chartier R. Inscrever e apagar: cultura escrita e literatura (séc. XI-XVII). Trad. Luzmara Curcino Ferreira. São Paulo: EDUNESP; 2007.
Chartier R. Os desafios da escrita. Trad. Fulvia M. L. Moretto. São Paulo: EDUNESP; 2002.
Coutinho IL. Gramática Histórica. 7ª. ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico; 1976.
Dantas MD. Revoltas, motins, revoluções: homens livres pobres e libertos no Brasil do século XIX. São Paulo: Alameda; 2011.
Fachin PRM. Estudo paleográfico e edição semidiplomática de manuscritos do Conselho Ultramarino (1705-1719) [dissertação]. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2006.
Falcon F. História e Poder. In: Cardoso CF, Vainfas R, organizadores. Domínios da História. Rio de Janeiro: Campus; 1997. p. 61-90.
Gazeta do Rio de Janeiro. 31.01.1821; 9:[1]. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_periodicos/gazeta_rj/gazeta_rj_1821/gazeta_rj_1821_009.pdf. Acesso em 20.04.2018.
Gonçalves ECB. Léxico e história: lutas e contextos de violência em documentos da Capitania da Bahia. Revista da Associação Brasileira de Linguística – ABRALIN; 2017;16(2):191-218.
Gonçalves ECB. A Filologia e o estudo histórico das línguas românicas. In: Cadernos do CNLF, vol. XXII, n. 4. Rio de Janeiro: CiFEFiL; 2018a. Tomo II. (Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos).
Gonçalves ECB. A Paleografia na leitura da documentação histórica sobre a Bahia. In: Lose AD, Souza AS. Paleografia e suas interfaces, organizadores. Salvador: Memória & Arte; 2018b. p. 125-142.
Guzmán Guerra A, Tejada Caller P. ¿Cómo estudiar filología? Madrid: Alianza; 2000.
Mandel L. Escritas, espelho dos homens e das sociedades. Trad. Constância Egrejas. São Paulo: Rosari; 2006.
Marquilhas RA. Filologia oitocentista e crítica textual. Fernanda Mota Alves et al., organizadores. In: Filologia, Memória e Esquecimento. Act. 20. Lisboa: Húmus; 2010. p. 355-367.
Marquilhas RA. ‘O preço da ilegibilidade’. Nota em defesa das edições interpretativas, seguida da edição de cartas privadas e de cartas testemunhais portuguesas (séc. XVII). In: Boullón AI, editor. Novi te ex nomine. Estudos filolóxicos ofrecidos ao Prof. Dr. Dieter Kremer. A Corunha: Fundación Pedro Barrié de la Maza; 2004. p. 721-747. Disponível em: http://www.clul.ulisboa.pt/en/researchers-en/79-marquilhas-rita. Acesso em 15.03.2017.
Petrucci A. La ciencia de la escritura: primera lección de Paleografía. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica; 2003.
Pons Rodríguez L. Introducción: la historia de la lengua y la história de las transmisiones textuales. In:
Pons Rodríguez L, editor. Historia de la lengua y crítica textual. Madrid/Frankfurt: Iberoamericana/Vervuert; 2006. p. 9-17. Reis JJ. Recôncavo rebelde: revoltas de escravos nos engenhos bahianos. Afroásia. 1992;15:100-126.
Ricoeur P. Memória, história e esquecimento. Trad. Alain François et al. Campinas: EDUNICAMP; 2007.
Román Blanco R. Estudos paleográficos. São Paulo: Laserprint; 1987.
Said EW. O regresso à Filologia. Humanismo e crítica democrática. Trad. Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras; 2007.
Publicado
2018-12-30
Como Citar
Gonçalves, E. (2018). Leitura crítico-filológica de Resolução de 1822: revoltas, vigilância, violência e punição na Bahia do século XIX. Filologia E Linguística Portuguesa, 20(2), 153-174. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v20i2p153-174
Seção
Artigos