Contribuições de José Pedro Machado para o conhecimento da história do antroponímia do português do Brasil

Autores

  • Aurelina Ariadne Domingues Almeida Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p309-331

Palavras-chave:

Onomástica. Antroponímia. Metalexicografia. Português do Brasil.

Resumo

Examina-se a antroponímia, usada no Brasil, oriunda do latim e do grego, documentada no Dicionário onomástico etimológico da língua portuguesa (Machado, 2003). Para desenvolver o estudo, seguiram-se os pressupostos teóricos e metodológicos da metalexicografia e da onomástica, de modo a basear-se em autores como Gonçalves (1988). Após a análise do corpus, constituído por verbetes do referido dicionário, concluiu-se que pouco se sabe sobre a antroponímia de fundo latino e grego e que há dúvidas a respeito da etimologia, bem como das motivações para a adoção de item antroponímico no léxico do português do Brasil. Por outro lado, atestou-se que a inegável herança da antiguidade não se restringe apenas ao léxico comum, mas amplia-se para o onomástico.

Biografia do Autor

Aurelina Ariadne Domingues Almeida, Universidade Federal da Bahia

Possui graduação em Letras Vernáculas (1996), mestrado (2000) e doutorado em Letras e Lingüística pela Universidade Federal da Bahia (2007). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal da Bahia, onde atua na Graduação e na Pós-Graduação em Língua e Cultura. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Linguística Histórica, Linguística Cognitiva, Complexidade, atuando principalmente nos seguintes temas: história da língua portuguesa, semântica, conceptualização, metáforas e sistemas complexos. Coordena o GESCOG (Grupo de Estudos em Semântica Cognitiva - UFBA/UNEB) que se associa ao PROHPOR (Programa para a História da Língua Portuguesa).

Referências

A Bíblia Sagrada contendo o velho e o novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. São Paulo (SP): Sociedade Bíblica do Brasil; 1995.

Almeida AAD. O que escrevem sobre os prenomes de brasileiros: leituras de José Pedro Machado. [Citado em 01 jan de 2014]. Disponível em: <http://issuu.com/prohpor/ docs/v__rias_navega____es_-_portugu__s_a>.

Bollorini G. Apio Claudio e a Lei das XII Tábuas. [Citado 15 mai 2011]. Disponível em: <http://www.ccjf.trf2.gov.br/atrium/atrium2/208_tab.pdf>.

Gonçalves I. Amostra de antroponímia alentejana do século XV. Do Tempo e da História. 1971;4:173-212.

Gonçalves I. Antroponímia das terras Alcobacenses nos fins da Idade Média. Do Tempo e da História. 1972;5:159- 200.

Gonçalves I. Imagens do Mundo Medieval. Lisboa: Livros Horizonte; 1988.

MachadoJP.Dicionárioonomásticoetimológicodalínguaportuguesa.Lisboa:Horizonte/ Confluência; 1981/2003.

Pensador.info. Catão. [Citado 17 mai 2011]. Disponível em: <http://pensador.uol.com. br/autor/catao/>.

Sanromán AI. A unidade lexicográfica: palavras, colocações, frasemas, pragmatemas; 2000. [Citado 22 mar 2015] Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/ bitstream/1822/4573/1/A_Unidade_Lexicografica.pdf.

Telelistas.Net. [Citado 20 mai 2015]. Disponível em: http://www.telelistas.net/.

Welker HA. Breve histórico da metalexicografia no Brasil e dos dicionários gerais brasileiros. Matraga. 2006;19:69-84. [Citado 29 jun 2015]. Disponível em: http://www.pgletras.uerj. br/matraga/matraga19/matraga19a04.pdf.

Xatara CM. A tradução para o português de expressões idiomáticas em francês [tese]. Araraquara: Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras; 1998.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

Almeida, A. A. D. (2016). Contribuições de José Pedro Machado para o conhecimento da história do antroponímia do português do Brasil. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(2), 309-331. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p309-331

Edição

Seção

Artigos